Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Entenda o câncer anal ocasionado por HPV, como da atriz Marcia Cross

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 13/06/2019 - Data de atualização: 13/06/2019


A atriz norte-americana Marcia Cross enfrentou o câncer anal em 2018 - Reprodução/Instagram

A atriz norte-americana Marcia Cross, 57, conhecida pelo seu papel na série Desperate Housewives, declarou a um programa de TV que o câncer anal, o qual tratou no último ano, provavelmente foi ocasionado pelo HPV (vírus do papiloma humano). Segundo a atriz, o subtipo do vírus teria sido o mesmo causador do câncer de garganta de seu marido, em 2009.

De acordo com o cirurgião do aparelho digestivo Marcos Belotto, do Hospital Sírio-Libanês, o HPV, embora tenha grande relação com o câncer de colo de útero, também pode ocasionar o câncer anal. Isso ocorre porque o vírus gera uma série de alterações celulares, ocasionando lesões pré-cancerígenas, aumentando a predisposição à doença.

Além desses cânceres, o HPV pode gerar câncer de pênis, câncer de laringe, câncer de garganta e outros tumores associados.

Segundo a oncologista Andreia Melo, do Grupo Oncoclínicas, no Rio de Janeiro, a maior parte das pessoas já teve contato com o vírus. "Existem mais de 100 subtipos de HPV, alguns com maior risco de surgimento de câncer. Nem sempre o vírus HPV permanece de maneira persistente no organismo a ponto de provocar o câncer. A principal forma de contágio é a atividade sexual", afirma.

O médico explica que pessoas que não tenham parceiros fixos e homossexuais estão entre os grupos de risco para contrair o HPV anal. Desta maneira, o cirurgião orienta a consulta de um especialista, pelo menos uma vez ao ano, para que seja analisada a região exterior do canal anal e se realize uma anoscopia, exame que verifica até 4 cm dentro do ânus, permitindo a localização de lesões ocasionadas pelo vírus.

Por meio de tais exames, o profissional poderá diagnosticar o HPV e realizar o tratamento, retirando ou cauterizando as lesões, o que ajudará a prevenir a formação de um câncer. "As pessoas acham que o HPV só ocasiona verruguinhas, mas elas podem evoluir para o câncer", explica. 

Com o diagnóstico, é possível saber se o subtipo do vírus contraído é maior ou menor potencializador de câncer e tratá-lo. "É importante que esse tratamento seja feito pelo casal, pois os dois podem estar com o vírus", afirma Belotto.

A oncologista explica que os sintomas do câncer anal são sangue nas fezes, alteração do hábito intestinal, coceira, ardor, feridas e incontinência fecal.

O câncer anal, segundo o médico, pode ser tratado e é altamente curável por meio de quimioterapia e radioterapia, se estiver em estágio inicial. Já em casos que o câncer esteja avançado, pode ser necessária a intervenção cirúrgica, fechando a abertura anal e desviando o intestino para outra saída, no caso, uma bolsa de colostomia. 

Belotto afirma que a prevenção do HPV e, consequentemente, desses tipos de câncer, pode ser realizada por meio da vacinação e do uso de preservativo durante as relações sexuais. Andreia ressalta ainda que o preservativo não protege 100%, mas minimiza o risco de contágio. "A mucosa infectada pode transmitir o vírus".

Fonte: R7

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive