Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Doutor, como saberemos se esse tratamento está sendo efetivo para mim?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/08/2015 - Data de atualização: 16/08/2015


O primeiro passo é determinar os objetivos do tratamento. Num paciente que foi operado, teve todo o seu tumor ressecado, e vem para tratamento, o objetivo é obter a cura, ou seja, o maior tempo de vida possível e, de preferência, sem atividade de doença.

Nesses casos, denominados de tratamento adjuvante, não há doença detectável e por isso não é possível saber se o tratamento está dando certo ou não. Se ele der certo, nunca mais a doença irá retornar (recidiva) e nunca se saberá, ao certo, qual dos procedimentos que propiciou a cura.

Quando se faz o tratamento adjuvante, na verdade, nós só podemos descobrir que o tratamento falhou quando a doença recidiva, ou no próprio local, ou à distância (metástases).

A efetividade do tratamento não é medida por indivíduo, mas pela mediana dos resultados em uma população de pacientes, geralmente pela comparação com a história natural da doença ou com o tratamento padrão.

Um tratamento que tenha retardado a recidiva (aumentado o intervalo livre de doença) e prolongado o tempo de vida (sobrevida global) foi efetivo.

Alguns pacientes apresentam doença localmente avançada, sem a possibilidade de serem submetidos à cirurgia, ou passíveis apenas de intervenções muito mutiladoras. Nesses casos é possível empregar um tratamento quimioterápico e/ou radioterápico antes da intervenção cirúrgica. A finalidade desse tratamento é reduzir o tamanho do tumor ou o grau de infiltração, permitindo a cirurgia ou reduzindo seu grau de mutilação.

Esse tratamento, denominado "neoadjuvante” ou de "indução” é eficaz se conseguir resposta tumoral suficiente. Nesse caso, as respostas são avaliadas pelas dimensões e localização do tumor. Há vários critérios para avaliar a regressão na medida das lesões, o mais utilizado é o RECIST ou sua modificação. O sucesso é a realização da operação ou a preservação de órgão.

A falta de eficácia ocorre se o tumor crescer ou tornar-se mais infiltrativo durante a neo-adjuvância, algumas vezes até impossibilitando a cirurgia.

Por fim, a maioria dos pacientes apresenta-se com doença avançada, recidivada (que voltou) ou metastática (espalhada pelo corpo). Aqui também é preciso definir qual é o objetivo do tratamento. Em alguns casos podemos almejar um ganho no tempo de vida, ou um maior tempo até que a doença recaia, mas também podemos desejar o controle de sintomas, a qualidade de vida como um todo, etc.

É necessário definir-se muito claramente o objetivo do tratamento, pois é com base nisso que podemos determinar o sucesso ou falha ao mesmo. Se estivermos atingindo o objetivo proposto, o tratamento estará sendo efetivo.

Particularmente, nos casos em que o nosso objetivo é a redução do tamanho das lesões (resposta clínica e radiológica) podemos utilizar dados do exame físico ou resultados de exames de imagem. Existem vários critérios para definir as respostas pelos métodos de imagem, o mais comum deles é o RECIST (Response Evaluation Criteria In Solid Tumors – Critério de avaliação de respostas em tumores sólidos), mas esse não é o único método.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive