Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Dor crônica é comum entre sobreviventes do câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/07/2019 - Data de atualização: 29/07/2019


O câncer e o seu tratamento podem disparar dores persistentes. (Foto: Dercilio/SAÚDE é Vital)

Vai o câncer, fica a dor. Um novo trabalho do Sistema de Saúde Monte Sinai, nos Estados Unidos, estima que 35% dos sobreviventes de um tumor maligno naquele país vivem com dor crônica, o que representaria mais de 5 milhões de indivíduos em solo americano.

Os autores avaliaram quase 60 mil participantes de um inquérito nacional sobre saúde, que questionou a incidência de dor num período de seis meses. Pouco mais de 4 500 haviam tratado um câncer – o de pele não-melanoma, comum e relativamente fácil de eliminar, não foi considerado na conta.

Na turma que sofreu com um tumor, as queixas de dores limitantes e crônicas foram duas vezes mais frequentes do que entre o restante dos entrevistados. Os tipos de tumor que mais costumam deixar sequelas doloridas, segundo a pesquisa, são os que atingem ossos, rins, garganta, faringe e útero.

Por que o tratamento do câncer leva à dor crônica?

Isso depende muito do tipo de tumor e da terapia. Um procedimento cirúrgico, por exemplo, pode deixar incômodos no local da intervenção ou mesmo uma dor fantasma, aquela que ocorre após a amputação de uma parte do corpo – é como se você sentisse um desconforto intenso no membro que já não está mais ali.

Radioterapia, quimioterapia e outros medicamentos podem lesionar nervos que comandam a sensibilidade à dor. Ou levar a problemas articulares, circulatórios e fraturas ósseas.

É preciso cuidar melhor dos sobreviventes
Com os avanços da ciência, pacientes com diversos tipos de câncer hoje têm uma sobrevida maior, especialmente se a enfermidade é flagrada logo no início. Por outro lado, a dor crônica é um dos efeitos de longo prazo mais comuns, e está relacionada com limitações no cotidiano, menor aderência a tratamentos e gastos consideráveis.

Assim, a comunidade médica tem o desafio de conhecer melhor essa população em crescimento e descobrir abordagens que assegurem qualidade de vida. Para ter ideia, em 2016 os Estados Unidos possuíam 15,5 milhões de sobreviventes de câncer — até 2040, estima-se que sejam mais de 26 milhões.

Não há dados brasileiros sobre o tema, mas um estudo do Instituto Nacional de Câncer (Inca) divulgado em 2019 aponta para a necessidade de acompanhar melhor o paciente após o fim do tratamento. E isso vai além de tratar a dor.

Os pesquisadores fizeram entrevistas aprofundadas com 47 sobreviventes, que relataram dificuldades na reinserção ao mercado de trabalho, falta de apoio psicológico e restrições na vida sexual. É necessário cuidar da pessoa, em vez de só tratar sua doença.

Fonte: Saúde É Vital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive