Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Doenças do aparelho digestivo não tratadas podem levar ao câncer, diz médico

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/05/2020 - Data de atualização: 28/05/2020


Nesta sexta-feira, 29, é comemorado o Dia Mundial da Saúde Digestiva. Pelo menos 20% da população mundial é acometida com doenças no aparelho digestivo, e este número pode aumentar quando se consideram as pessoas que se automedicam, além dos casos das doenças não tratadas e que só foram descobertas no estágio do câncer, como explica o membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica, Erivaldo Alves, que participou na manhã desta quinta, 28, do programa  'Isso é Bahia', na rádio A TARDE FM.

Para Erivaldo, o maior problema da população brasileira é optar pela automedicação e procurar por um médico quando já não esteja mais suportando a dor ou o incômodo, o que pode agravar uma situação que seria tratada com facilidade no começo dos sintomas.

"Isso é complicado porque, às vezes, você tem uma patologia que um médico acharia uma solução fácil, mas resolve se automedicar e chegar a ter um câncer", comenta o cirurgião bariátrico.

Diversas doenças estão ligadas diretamente ao aparelho digestivo. Isso acontece porque, segundo Erivaldo, o sistema é a porta de entrada dos alimentos, para serem processados e compor nutrientes e vitaminas. Sendo assim, ele está mais suscetível a fatores que podem estar agredindo o trato intestinal.

Entre as doenças mais comuns relacionadas à saúde digestiva, estao a azia; o queimor relacionado com a doença do refluxo; doença celíaca (reação a alimentos com glúten); intolerância à lactose, provocada pela falta da enzima lactase no organismo; gastroenterite, infecção e inflamação no sistema digestivo; constipação (condição em que a frequência de evacuações é baixa); e obesidade.

Obesidade

O cirurgião bariátrico também enfatiza a necessidade de enxergar a obesidade como uma doença que deve ser tratada clinicamente e acompanhada pelo resto da vida do paciente.

Segundo o médico, apenas 1% da população mundial obesa realiza o procedimento da cirurgia bariátrica, sendo um número baixo e preocupante. O motivo atribuído ao cirurgião é que o paciente pode ter medo da cirurgia por ela ser associada a algo negativo, e pelo medo de encarar a obesidade como doença.

Além disso, apenas a cirurgia bariátrica não é a solução. "Quando você opera você não tira os fatores dele ganhar o peso. A complexidade da doença é muito grande e tem fatores de todos lados. Você opera o paciente e, se ele não tiver um apoio multidisciplinar durante o resto da vida, pode retomar todo o peso novamente", explica o médico.

O cirurgião também alerta para a necessidade de se tratar a obesidade caso o paciente queira ter uma expectativa maior de vida.

"Se eu te perguntar se conhece alguém obesa de 80 anos, você não vai conhecer. Isso porque obeso tem vida curta. A obesidade pode levar a um AVC cedo, ao câncer. Por isso é importante o tratamento", finaliza.

Fonte: A Tarde Uol

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive