Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier Viatris


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Diagnóstico precoce é essencial no combate ao câncer de pulmão

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/09/2022 - Data de atualização: 29/09/2022


A importância do diagnóstico precoce do câncer de pulmão, uma doença silenciosa, foi um dos principais temas de seminário promovido pela Folha na última terça-feira (27).

Participaram da discussão Ubiratan de Paula Santos, coordenador do ambulatório de doenças respiratórias ocupacionais e ambientais do InCor; Maurício Perroud, responsável pelo serviço de oncopneumologia do Hospital de Clínicas da Unicamp; Heraldo Rocha, médico pediatra e paciente oncológico; e Aknar Calabrich, oncologista da clínica AMO/Dasa.

A conversa foi mediada pela jornalista Carol Marcelino, e o evento foi patrocinado pela Dasa Oncologia.

"O diagnóstico é uma jornada difícil. Requer uma série de exames, como biópsias, testes de imagem e testes moleculares com análise de material genético. Precisa de cirurgião, radiologista. Às vezes o acesso é difícil, mas um diagnóstico rápido aumenta as chances de cura", diz Aknar.

Perroud explica que uma detecção precoce da doença aumenta o número de pacientes que poderiam ser operados, a forma mais eficaz de combate ao câncer.

"Hoje, cerca de três quartos dos pacientes procuram o médico quando o câncer já está em estado avançado. Dos 25% restantes, muitos são idosos, com outras doenças, sem condições clínicas para passar por cirurgia", afirma.

O tabagismo é, de longe, a principal causa do câncer de pulmão, mas sua contribuição para o número total de doentes já foi maior, afirma Ubiratan.

Assim, não fumantes, principalmente aqueles expostos à poluição do ar ou cujo trabalho envolva convívio com agentes cancerígenos, precisam ficar atentos.

"Se a pessoa mora num lugar poluído ou tem exposição ocupacional, merece um rastreamento mais intenso", afirma o médico.

Doenças respiratórias como enfisema pulmonar e fibrose pulmonar também podem aumentar o risco de câncer de pulmão.

"É claro que muitas vezes as pessoas recebem essas notícias [a descoberta dessas doenças] porque também são tabagistas, mas outras coisas, como exposição a fumaça e poeira, também podem levar a elas", afirma Ubiratan.

Ele diz que a asma, por sua vez, não está associada ao aumento de risco.

Heraldo, que tem 80 anos, conta que descobriu a doença em exames de rotina. "Eu fui um grande tabagista. Tenho vergonha em dizer isso como médico e político [ele foi deputado estadual pela Bahia entre 1991 e 2011], mas é verdade. A vida é muito estressante. Mas agora não consigo nem sentir o cheiro do cigarro."

Ele conta ter sofrido durante o período de quimioterapia, quando tinha dificuldades para comer e dormir, mas diz que a imunoterapia, adotada depois, foi mais tranquila.

De acordo com Aknar, a alternativa no tratamento contra o câncer é nova.

"Foi nos últimos anos que novos medicamentos conseguiram fazer com que o sistema imunológico fosse ativado contra tumores", diz.

Ela conta que esse tipo de tratamento tem bons resultados até em pacientes já com a doença avançada, com metástase, que respondem muito bem ao tratamento.

É importante dizer, porém, que a imunoterapia não funciona para todos e que cada tratamento é individualizado.

Os convidados também discutiram políticas que poderiam ser implementadas para o combate à doença.

"O câncer de pulmão é subnotificado. Temos oficialmente 30 mil casos por ano, mas os EUA, que têm sistema melhor de notificação, têm 230 mil. Além disso, o diagnóstico precoce deve vir acompanhado de uma estrutura para que o paciente consiga ser tratado", diz Perroud.

De acordo com Heraldo, o combate às neoplasias deve ser uma política pública.

"É preciso que a sociedade discuta. É preciso que haja informação", afirma.

Fonte: Folha de S. Paulo



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive