Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Dia Mundial de Combate ao Câncer: desafios e dúvidas de pacientes com câncer em tempos de coronavírus

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/04/2020 - Data de atualização: 08/04/2020


Neste dia Mundial de Combate ao Câncer (8 de abril), nossos fundadores a psico-oncologista Luciana Holtz, o advogado e diretor de advocacy do Oncoguia, Tiago Matos, e o oncologista e diretor científico do Oncoguia, Rafael Kaliks, se reuniram virtualmente para um bate-papo ao vivo sobre desafios e dúvidas do paciente com câncer em tempos de coronavírus.

Se você perdeu, acesse o bate-papo na íntegra em nosso Facebook

Abaixo, confira alguns pontos discutidos na live.

Paciente deve interromper o tratamento?

Rafael Kaliks ressaltou a importância de nenhum paciente interromper o tratamento neste momento por conta própria. O ideal é que os pacientes falem com suas equipes médicas para que seja avaliada a pertinência ou não do adiamento do tratamento. Segundo Kaliks, existem casos em que é possível sim fazer isso. Por exemplo, cirurgias podem ser substituídas por outras alternativas como quimioterapia, até que possam ser realizadas, ou maior espaçamento entre sessões de quimio e radio. 

Ele ressalta que o paciente oncológico não pode pegar coronavírus, porém o câncer - nem sempre - pode esperar. Porém às vezes, vale a pena suspender o tratamento, pois os riscos de aguardar são menores do que o de pegar a COVID-19. Por isso, é essencial a discussão individualmente de cada caso com o médico que acompanha o paciente. 

Nos casos dos tratamentos cancelados pelas próprias instituições de saúde, o Oncoguia ressalta a importância de que as equipes de profissionais estabeleçam uma comunicação aberta com os pacientes explicando as justificativas para o cancelamento, além das implicações da pausa no tratamento. Manter um diálogo aberto com o paciente ajuda a entender a situação real e a tranquilizá-lo. 

Telemedicina

Uma forma que pode ajudar e muito nessa comunicação entre médico e paciente, é a telemedicina. Tiago Mato ressaltou que essa é uma forma já autorizada pela ANS e pelo Ministério da Saúde para que, em caso de necessidade, pacientes sejam atendidos à distância, de forma virtual, por seus médicos. 

Segundo Tiago, para pacientes com convênio médico, está garantido o direito à teleconsulta com médicos conveniados e também por meio de reembolso. Porém, no particular e, principalmente, no SUS, as formas de remuneração ainda impedem uma eficácia maior dessa alternativa. 

Lei dos 60 dias

O diretor de advocacy do Oncoguia ainda ressaltou que a Lei dos 60 Dias, que já sofre com o descumprimento normalmente, pode ser ainda mais prejudicada neste momento. Ele reforça a importância da sensibilidade das equipes médicas e das unidades de saúde para avaliar a prioridade de cada caso e dar o direcionamento adequado. 

Para quem tem plano de saúde, a ANS também aumentou a flexibilidade no prazo máximo para consultas. Essa medida, no entanto, não interfere em procedimentos oncológicos e de urgência. 

Desabastecimento de medicamentos

Recebemos algumas ligações de pacientes reclamando da dificuldade de conseguir certos medicamentos para o tratamento do câncer e este tema também foi debatido na live. Ambos, Tiago Matos e Rafael Kaliks, destacaram que não há justificativas cabíveis para que isso esteja ocorrendo neste momento. Rafael ainda destacou que “desabastecimentos pontuais que levem à interrupção do tratamento oncológico pode ser um problema para o paciente”. Tiago apontou que a dispensação de medicamentos oncológicos é um serviço essencial e não deve ser interrompido, o muito que pode ocorrer é a criação de novas logísticas para se adaptar aos cuidados necessários por causa do coronavírus. “Um exemplo é a procuração que pacientes oncológicos que fazem parte do grupo de risco podem dar a uma pessoa com menos riscos para buscar o medicamento em seu lugar, assim como alguns medicamentos já estão sendo fornecidos em maior quantidade para reduzir as saídas para adquiri-los”.

Quer saber mais sobre dicas, cuidados e orientações sobre coronavírus para o paciente com câncer? Acesse www.oncoguia.org.br/coronavirus 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive