Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Dezembro Laranja alerta sobre o câncer de pele neste final de ano

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 12/12/2018 - Data de atualização: 12/12/2018


O tema da Campanha Nacional de Prevenção ao Câncer da Pele em 2018 é “Se exponha, mas não se queime”. Criada há quatro anos pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), a campanha trabalha na prevenção e diagnóstico do câncer de pele. É o chamado “Dezembro Laranja”. Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), o melanoma – o câncer de pele mais grave – responde por 33% de todos os diagnósticos de câncer no Brasil e, a cada ano, são cerca de 180 mil novos casos.

“O sol é bom na dose certa, ele sintetiza vitaminas, faz bem para o humor e gera bem-estar”, explica a dermatologista da Peleclin, Cíntia Cavalin Calvet. Ela conta que as pessoas podem se expor ao sol, com a devida proteção e cuidado, usando o boné com abas mais largas, roupas com filtro solar no tecido ou com tramas mais fechadas, usando e repondo filtro solar a cada duas horas com, pelo menos, fator 30.

Já que a pele é o maior órgão do corpo humano, é preciso ficar atento. Qualquer lesão, com cor e formato aparentes, que possa desenvolver coceira ou dor pode ser motivo para procurar um dermatologista. Além disso, é importante evitar o automedicamento: “Alguns pacientes acham que podem tratar uma simples verruga e acabam se automedicando. Isso jamais pode ser feito”, alerta Cíntia.

Quanto mais cedo for diagnosticado o câncer de pele, mais chance de cura e com menos sequelas. A doença em estágio inicial tem menor probabilidade de metástase para o cérebro, ossos e pulmões. “O problema do melanoma é que as pessoas demoram para buscar atendimento e quando procuram ajuda pode ser tarde”, aponta Leila Cavalin Alves, também dermatologista.

Para se prevenir melhor neste final de ano, conheça cinco mitos sobre a proteção solar:

1) “Na sombra estou protegida” – você provavelmente disse ou já ouviu essa frase de alguém, mas é um grande engano. A incidência de raios solares também acontece na sombra, mesmo que em menor quantidade. Além disso, o próprio raio reflete no guarda sol na praia, na água e na areia, e rebate na pessoa.

2) “Dias nublados não precisa usar protetor” – Existem dois tipos de radiação: ultravioleta A – que passa pelas nuvens – e a ultravioleta B – barrada pelas nuvens. Nos dias nublados, com aquela sensação de mormaço, a ultravioleta A pode queimar a pele. “Quando as pessoas deixam de usar o protetor porque o dia está nublado, elas sofrem pequenas queimaduras que viram bolhas e descascam a pele. Essa repetição de queimadura é um grande fator de risco para o melanoma”, alerta Cíntia.

3) “Passei protetor de manhã, estou protegida o dia todo” – Outro erro é achar que usar filtro solar uma vez ao dia está resolvido. Em dias comuns é preciso usar protetor três vezes. Já nos dias de verão é importante repassar o filtro a cada duas horas. “O cuidado deve ser o ano inteiro. No verão, além da incidência maior de raios ultravioletas, transpiramos e perdemos a proteção do filtro, especialmente depois de um banho de mar ou piscina”, conta Leila.

4) “Em dias quentes prefiro roupas leves e transparentes” – Apesar do tecido transparente dar uma sensação de frescor, a trama mais aberta deixa passar radiação ultravioleta. O ideal são as tramas mais fechadas. Existem, ainda, roupas com protetor solar no tecido. “Acessórios como boné com abas largas, protetor labial e protetor solar nas orelhas, pés e mãos nas regiões mais ‘escondidas’ são cuidados essenciais e que merecem atenção nesse período”, orienta Cíntia.

5) “Ficar sem protetor de vez em quando não tem problema” – Apesar da incidência do câncer de pele ser mais comum depois dos 40 ou 50 anos de idade, ele pode ser efeito de uma exposição cumulativa ao sol. Com o passar da idade as defesas da pele diminuem e aparecem outros problemas que, somados, causam o câncer de pele.

Fonte: Paraná Portal

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive