Tipos de Câncer

Câncer de Pulmão de Pequenas Células

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Detecção Precoce do Câncer de Pulmão de Pequenas Células

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/12/2016 - Data de atualização: 21/06/2019


Geralmente os sintomas do câncer de pulmão não aparecem até que a doença se encontre num estágio avançado. Mesmo quando o câncer de pulmão apresente sintomas, muitos pacientes podem confundi-los com outros problemas de saúde, como infecções ou efeitos provocados pelo tabagismo de longa data, o que pode consequentemente, retardar o diagnóstico.

Alguns cânceres de pulmão são diagnosticados precocemente acidentalmente como resultado de exames para outras condições clínicas, como, por exemplo, exames para doenças cardíacas, pneumonias ou outras condições pulmonares. Uma pequena porcentagem desses pacientes podem ser curados se é diagnosticado câncer de pulmão.

Rastreamento. É a realização de exames para diagnosticar uma doença em pessoas assintomáticas.

Estudo para rastreamento por imagem do câncer de pulmão

O rastreamento por imagem do pulmão consistiu em um grande estudo clínico para diagnóstico do câncer de pulmão utilizando tomografia computadorizada com doses baixas de radiação. A tomografia computadorizada do tórax fornece imagens mais detalhadas do que radiografias de tórax e permitem observar pequenas anormalidades nos pulmões. A tomografia de baixa dose utiliza uma menor quantidade de radiação quando comparada a uma tomografia padrão e não requer a utilização de contraste intravenoso.

O estudo incluiu mais de 50.000 pessoas com idades entre 55 e 74 anos, entre fumantes e ex-fumantes, com bom estado geral de saúde. Um dos critérios para participar do estudo era ter um histórico de tabagismo de 30 maços/ano (1 maço por dia durante 30 anos). Outro critério de inclusão era que os ex-fumantes tivessem parado de fumar há 15 anos. O estudo não incluiu pessoas com histórico prévio de câncer de pulmão, com sintomas de câncer de pulmão, que já tinham realizado cirurgia pulmonar, que usavam oxigênio domiciliar e se apresentavam outros problemas de saúde.

Os participantes do estudo realizaram três tomografias de baixa dose ou três radiografias de tórax, com intervalo de um ano, para a detecção de áreas anormais nos pulmões que poderiam indicar a doença. Após alguns anos, o estudo mostrou que aqueles que realizaram a tomografia com baixas doses de radiação diminuíram em 20% o risco de morrer de câncer de pulmão em comparação com aqueles que fizeram radiografias de tórax. Eles também diminuíram em 7% o risco de morte por outras causas comparadas àqueles que fizeram radiografias de tórax.

O rastreamento com tomografia de baixas doses também mostrou algumas desvantagens que precisam ser consideradas. Uma delas é a detecção de uma série de anomalias que devem ser investigadas com mais exames, mas que acabam não sendo câncer. Cerca de 1 em cada 4 pessoas participantes do estudo tiveram essa constatação. Isso pode requerer de exames complementares, como tomografia computadorizada ou outros exames invasivos, como biópsias por agulha ou mesmo cirurgia para retirar uma parte do pulmão. Estes exames podem, às vezes, levar a complicações, ou raramente, a morte, mesmo naqueles que não tiveram diagnóstico de câncer de pulmão ou que têm a doença em estágio inicial.

A tomografia computadorizada de baixa dose também expõe as pessoas a uma pequena quantidade de radiação a cada exame, que é menor do que na tomografia padrão, mas é maior do que a dose recebida numa radiografia de tórax. Algumas pessoas selecionadas podem acabar precisando de mais tomografias, o que significa mais radiação.

Esse estudo deixou algumas questões que ainda precisam ser respondidas. Por exemplo, não está claro se o rastreamento com tomografia de baixas doses teria o mesmo efeito em pessoas com perfis diferentes daquelas que participaram do estudo, como aqueles que fumam menos (ou não fumam) ou pessoas com menos de 55 anos ou com mais de 74 anos. Além disso, no estudo os pacientes fizeram um total de 3 exames em 2 anos. Ainda não está claro qual seria o efeito nas pessoas selecionadas nos próximos 2 anos.

Esses fatores, e outros, precisam ser levados em consideração pelos pacientes e seus médicos que considerem  (ou não) realizar o rastreamento com tomografia computadorizada de baixa dose.

Recomendações para o rastreamento do câncer de pulmão

As recomendações para o rastreamento do câncer de pulmão de não pequenas células são para pessoas com idade entre 55 e 74 anos, com bom estado de saúde geral e que também atendam os seguintes critérios:

  • Ser fumante ou não ter fumado nos últimos 15 anos.
  • Ter pelo menos histórico de tabagismo de 30 maços/ano.
  • Fazer aconselhamento para parar de fumar se for fumante.
  • Ser informado pelo médico sobre os possíveis benefícios, limitações e potenciais danos do rastreamento.
  • Ter um local onde fazer o rastreamento e o tratamento do câncer de pulmão.

Para pacientes

O principal benefício é a diminuição da chance de morte por câncer de pulmão de pequenas células, que é a causa de muitos  decessos de fumantes e ex-fumantes. Ainda assim, é importante estar ciente que, como com qualquer tipo de exame, nem todos os selecionados serão beneficiados. Esse tipo de rastreamento não detecta todos os tipos de câncer de pulmão de pequenas células, e nem todos os tipos de câncer detectados seriam diagnosticados previamente. Mesmo que o câncer de pulmão de pequenas células seja diagnosticada pelo rastreamento, isso não significa que não poderá morrer devido a doença. Além disso, esse estudo pode detectar outras alterações que não são câncer, mas que devem ser investigadas com outros exames para  diagnóstico. Isso pode significar a realização de mais tomografias ou mesmo de exames invasivos, como a biópsia pulmonar.

Se você se encaixa em todos os critérios citados para o rastreamento do câncer de pulmão de pequenas células, você pode conversar com seu médico sobre o momento de iniciar o rastreamento, seus possíveis benefícios e malefícios, bem como suas limitações.  

Se você e seu médico decidirem pelo rastreamento com tomografia de baixas doses, você deve realiza-lo anualmente até os 74 anos, desde que seu estado de saúde geral seja bom.

Se você é fumante, deve receber orientações para parar de fumar. Você deve ser informado sobre o risco de câncer de pulmão de pequenas células e a participação de um programa de cessação de tabagismo.

O que significa estado de saúde razoavelmente bom?

O rastreamento tem o objetivo de diagnosticar o câncer em pessoas sem sintomas da doença. As pessoas que apresentam sintomas que podem ser causados ​​pelo câncer de pulmão, podem precisar de outros exames de imagem. Alguns dos possíveis sintomas de câncer de pulmão de pequenas células que impediram a participação de pessoas no estudo do rastreamento do câncer de pulmão incluem tosse com sangue e perda de peso inexplicada.

Para ter o potencial benefício do rastreamento, os pacientes precisam estar em boas condições de saúde. Por exemplo, eles precisam ter boa condição clínica para fazer uma cirurgia e outros tratamentos para câncer de pulmão, caso a doença seja diagnosticada. Os pacientes que necessitam de suporte domiciliar de oxigênio provavelmente não suportariam a retirada de uma parte do pulmão, por isso não são candidatos ao rastreamento. Os pacientes com outros problemas importantes de saúde também não serão beneficiados pelo rastreamento, portanto não devem se submeter aos possíveis riscos do mesmo.

Implantes metálicos no tórax podem interferir com a radiação e produzir imagens de baixa qualidade dos pulmões. As pessoas com qualquer tipo de implante metálico também não foram aceitas no estudo do rastreamento por imagem do câncer de pulmão e não devem ser rastreadas com tomografia computadorizada.

Fonte: American Cancer Society (30/05/2018)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive