Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Desafios para diagnóstico precoce do câncer de pulmão no Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/12/2018 - Data de atualização: 14/12/2018


A tomografia computadorizada de baixa dose é hoje a melhor forma de fazer o diagnóstico precoce do câncer de pulmão. No Brasil, apenas 8,8% dos casos da doença são diagnosticados em estágio I (precoce). Um dos principais fatores que contribui para essa deficiência é a falta de disponibilidade de tomógrafos, principalmente na rede pública: 4,9 para cada 1 milhão de habitantes no SUS e 30,8 para cada milhão de pessoas no sistema privado, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“No setor privado até que estamos bem, similar a países desenvolvidos. Mas no setor público há muita desigualdade na distribuição destes equipamentos, principalmente nas regiões Norte e Nordeste”, destaca Clarissa Mathias, médica oncologista e diretora da América Latina na Association for Study on Lung Cancer (IALSC).

Hoje, sabe-se que a realização da tomografia de baixa dose contribui para a redução em cerca de 20% da mortalidade de pacientes com câncer de pulmão. “Este tipo de exame é sim seguro e evita que façamos biópsia em todo mundo. Além disso, com a realização da tomografia de baixa dose, conseguimos melhorar os números de pacientes diagnosticados em estágio inicial da doença, aumentando as chances de eles terem a possibilidade de tratar com cirurgia, que oferece melhor chance de cura”, declara Ricardo Santos, Professor da pós-graduação Multidisciplinar e pesquisador no Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa (IIEP).

No entanto, Ricardo reforça o desafio em relação à baixa quantidade de tomógrafos disponíveis no Brasil, e ainda destaca a falta de programas de rastreamento como outro fator que contribuiu para o diagnóstico tardio.

Outros exames importantes

PET-CT é um exame que define o estadiamento do câncer de pulmão. A incorporação do equipamento foi mais um desafio enfrentado pelos pacientes. “Foram quatro anos de demora desde a aprovação do uso pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) até a incorporação do exame no SUS. Hoje, o Brasil tem 124 aparelhos distribuídos em 21 dos 27 estados brasileiros. Essa é uma prioridade para melhorar o tratamento com base no estadiamento da doença”, aponta Clarissa Mathias.

Outro exame, que ajuda a detalhar o tipo histológico do câncer de pulmão, é a broncoscopia. Um aspecto no qual o Brasil vai bem, de acordo com a oncologista. Segundo pesquisa da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), 56,7% dos pacientes realizaram 100 por ano, conforme recomendação internacional.

Já a realização de testes moleculares, fundamental para determinar a presença ou não de mutações genéticas em cada paciente com câncer de pulmão garantindo um tratamento mais personalizado, ainda é pouco praticada no país. (Confira nossa reportagem sobre testes moleculares para câncer de pulmão.)

Até 2014, menos de 50% dos pacientes passavam pela realização do teste, sendo que 60% pertencem ao sistema privado e 30% ao sistema público, segundo pesquisa publicada no Brazilian Journal of Pulmonology, em 2018. Na pesquisa feita pelo Oncoguia em 2016 com pacientes com a doença, cerca de 37,9% daqueles com convênios médicos e 48,5% do SUS não passaram pelo exame. “No Brasil, um em cada quatro pacientes pode ter a mutação, mas o acesso a certos medicamentos ainda é bastante escasso. Então de que adianta o paciente saber da mutação se não vai ter como tratar adequadamente? Aí acabam nem realizando o exame”, conclui Clarissa.

Além do Brasil, o diagnóstico precoce para o câncer de pulmão é um grande desafio para outros 11 países da América Latina, conforme demonstrou o relatório “Câncer de Pulmão na América Latina: pare de ignorar o problema”, do The Economist (confira a pesquisa). Além da falta de equipamentos adequados para o diagnóstico precoce da doença, o estudo aponta o treinamento e a qualificação de profissionais como uma deficiência que contribui para o atraso nos diagnósticos. Estes são ainda outros aspectos que contribuem com o cenário delicado do câncer de pulmão e que também precisam ser pensados e debatidos como medidas para melhorar o diagnóstico no Brasil e em outros lugares do mundo.
 



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive