top

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Eisai Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[DENÚNCIA] Aposentada fica 3 meses sem remédio para tratar câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/04/2016 - Data de atualização: 25/04/2016


Sueli Catena de Oliveira recebeu todas as orientações do PAP Oncoguia e não desistiu: foi atrás dos seus direitos.

Em janeiro deste ano, a aposentada Sueli Catena de Oliveira, 68 anos, foi ao hospital tomar a medicação. Dos remédios que precisava, conseguiu apenas um: o que ajuda no tratamento da osteoporose. O outro, usado há quatro anos, desde que ela teve o estômago retirado devido a um câncer, estava em falta.

Voltou no mês seguinte e, novamente, teve a mesma resposta. O remédio que precisava, o sandostatin (acetato de octreotida), não estava disponível, e Sueli não pode levar a ampola de 20 mg para ter a aplicação feita na sala de quimioterapia da instituição de saúde.

Ficou muito preocupada. Telefonou para o laboratório que fabrica a droga e foi informada que o medicamento estava sendo entregue normalmente ao sistema público de saúde. Ligou para a Secretaria da Saúde de São Paulo, já que o hospital é estadual, e ouviu que nada poderia ser feito, segundo ela. "O remédio custa R$ 3.500, e eu não tenho como arcar com isso todos os meses”, disse.

Entrou em contato com o PAP (Programa de Apoio ao Paciente com Câncer), do Instituto Oncoguia. Lá, foi orientada pela equipe que poderia entrar com uma ação na Justiça para garantir o acesso ao remédio. "Uma amiga me deu o telefone do Oncoguia e recebi as orientações que precisava para conseguir o sandostatin.”.

No dia 14 de abril, antes que ela tivesse procurado um advogado para garantir o recebimento do medicamento, Sueli voltou ao hospital. "A oncologista me viu e perguntou se eu tinha desistido do tratamento”, conta. A aposentada explicou que, todos os meses, passava lá, mas que o remédio estava em falta.

A médica, segundo Sueli, informou que o medicamento poderia ser tomado em duas doses de 10 mg – já que a de 20 mg estava em falta. "Sem receita explicando isso, não vou conseguir”, rebateu a aposentada.

Com a receita em mãos, válida para três meses, a paciente se dirigiu à farmácia. "A moça que estava atendendo falou: ‘Não posso aceitar essa prescrição porque a senhora vai tirar lugar de duas pessoas que precisam de uma ampola de 10 mg’”, lembra.

Sueli bateu o pé. Explicou que era uma orientação da médica e que estava há três meses sem tomar a medicação. A atendente se rendeu e, conforme a receita, entregou duas ampolas de 10 mg de sandostatin para que fosse aplicada na sala de quimioterapia do hospital.

Ela diz que ainda não sabe o que vai acontecer em maio, quando retorna para mais duas doses. Também afirma que não há previsão para parar de tomar o medicamento. "Sempre peguei equipes ótimas no hospital nesses anos”, recorda.

Mas cogita entrar com ação na Justiça caso não receba o remédio.

O que diz a lei

Pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) têm direito a receber medicamento gratuito – geralmente, disponibilizados na unidade em que são assistidos. Se, após contatar o departamento de assistência social do estabelecimento, não for obtida solução, é possível:

  1. Elaborar um requerimento com informações sobre a doença e a necessidade do medicamento, seguindo este modelo. Depois, é necessário reunir relatório e receita médica, cópias de CPF, RG, Cartão Nacional da Saúde – SUS, comprovante de residência com CEP e exames e entregar os documentos na Secretaria de Saúde.

  2. Se o remédio não estiver disponível, o paciente deverá entrar em contato com a Ouvidoria do SUS pela internet, pelo telefone 136 ou pelos Correios (Departamento de Ouvidoria-Geral do SUS/DOGES – Endereço: SAF Sul, Trecho 2, lotes 5 e 6, Edifício Premium, Torre I, 3º andar, sala 305, CEP 70070-600, Brasília/DF).

  3. A última via é a judicial. O paciente pode procurar os Juizados Especiais da Fazenda Pública, que julgam ações de até 60 salários mínimos (pelo período de 12 meses) contra Estados e municípios, ou os Juizados Especiais Federais, se o processo for contra a União. É possível ainda buscar ajuda jurídica na Defensoria Pública (para quem tem renda familiar de até 3 salários mínimos), no Ministério Público, na OAB e nas Faculdades de Direito conveniadas à OAB ou a órgãos do Poder Judiciário (Justiça Estadual/Federal) ou contratar um advogado particular.

Passo a passo

O Instituto Oncoguia tem o passo a passo para quem não recebeu o remédio e é paciente da rede pública ou tem plano de saúde.

Tem dúvidas?

Você pode ligar gratuitamente para o PAP (Programa de Apoio ao Paciente com Câncer), do Instituto Oncoguia, no telefone 0800 773 1666, de segunda a sexta, das 10h às 17h, de um telefone fixo. Se preferir, é possível preencher cadastro no site, que a equipe entrará em contato em até 48 horas.

Por QSocial
Crédito: Dalibor Ogrizovic/FreeImages.com




Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2017 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive