Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Curado de câncer de mama alerta para cuidado dos homens: 'Tem que se prevenir igual às mulheres'

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 30/10/2020 - Data de atualização: 30/10/2020


Ao descobrir o câncer de mama em junho de 2016, o açougueiro Getúlio Vaz Eduardo Júnior, de Ribeirão Preto (SP), entrou para as estatísticas, ainda que raras, de homens diagnosticados com a doença no Brasil. Segundo estimativas do Instituto Nacional do Câncer (Inca), o público masculino representa 1% do total de casos no país.

Curado após oito sessões de quimioterapia, 28 de radioterapia e cirurgia para retirada do nódulo, Vaz Júnior faz, hoje, tratamento apenas com o uso do medicamento Tomaxifeno uma vez ao dia e destaca a importância da prevenção para os homens.

“O importante é frisar que o caso é raro, mas pode acontecer e os homens têm que se prevenir também igual às mulheres. Graças a Deus, como o médico falou para mim, dos cânceres possíveis, esse dava para resolver mais rápido”, diz.

Medo de morrer
Pai de cinco filhos, o açougueiro, que na época tinha 47 anos, foi diagnosticado com câncer de mama uma semana após o nascimento da caçula.

Vaz Júnior achou estranho um caroço que apareceu no peito esquerdo. De início, pensou que fosse por conta da gordura, mas o quadro foi se agravando e ele procurou um posto de saúde.

Lá, foi orientado a ir à Santa Casa de Ribeirão Preto. Durante um exame de ultrassom, o médico avaliou e, após biópsia, o câncer de mama foi constatado.

“Eu não sabia se meu câncer tinha cura ou não. Depois que eu comecei a fazer o tratamento que eu fui sabendo como funcionava. Quando eu recebi a notícia, a primeira coisa que veio na mente foi que eu ia morrer. Para mim, isso foi automático”, afirma.
Sem preconceito
Encaminhado ao Hospital das Clínicas (HC) de Ribeirão Preto, o paciente iniciou a quimioterapia. Após duas sessões, foi direcionado, em setembro de 2016, à cirurgia para retirada do nódulo. O tumor, que não foi muito agressivo, não avançou para o restante do organismo. No entanto, ele perdeu o mamilo esquerdo.

Depois, Vaz Júnior passou por mais seis sessões de quimioterapia e 28 de radioterapia. O corpo não sentiu fortes reações ao tratamento, a não ser a queda de cabelo.

"Depois da primeira quimioterapia, meu cabelo caía só de encostar a mão nele. Eu pedi para raspar", conta.

O açougueiro afirma que em nenhum momento foi alvo de preconceito por ser homem e ter tido um câncer que acomete, na maioria das vezes, as mulheres.

“Não coloquei prótese. No meu caso, não me importei em ficar sem o peito. Graças a Deus eu não tive situações que me deixaram para baixo, de preconceito, nem nada”, conta.

Rotina normal
O medicamento Tomaxifeno, receitado para Vaz Júnior, deve ser tomado ao longo de cinco anos após o término das sessões de quimioterapia e radioterapia. É o mais indicado para diagnósticos de câncer de mama tanto em homens quanto em mulheres, segundo a oncologista Cristiane Alves Mendes Parizze, do Instituto Oncológico de Ribeirão Preto (Inorp).

No caso dele, o tratamento termina em 2021. Durante a recuperação, o açougueiro conta que seguiu a vida normal e continuou trabalhando, jogando futebol e colocando em prática uma atividade que desenvolveu aos 13 anos de idade: a dança.

“Um clube de Ribeirão Preto abriu espaço para mim. Eu comecei a dar aula de passinho de flashback. As aulas acontecem toda quarta-feira, mas agora por conta da pandemia, tivemos que parar”, conta.

Apoio essencial
O grupo de dança e os amigos de futebol incentivaram o paciente durante o período de recuperação. Com os amigos da bola, algumas adaptações precisaram ser feitas devido às sessões de quimioterapia.

Como a imunidade do organismo é afetada no tratamento, o açougueiro não participava das reuniões dentro do vestiário antes dos jogos. Ele esperava o local ficar vazio para poder entrar.

Outra mudança foi no posicionamento em campo. Por não conseguir correr muito como antes, passou a atuar como meio-campo mais centralizado, fazendo a função de armador. Foi aí que ganhou o apelido de “Gegê Zidane”, em alusão ao meio-campista francês Zinedine Zidane, eleito três vezes o melhor jogador do mundo pela Fifa.

“Um amigo falou: ‘Ó, não tem como você correr para lá e para cá porque você fica cansado por conta da quimioterapia. Então, fica aqui no meio e arma o jogo’. Não deu outra. Aquilo foi me animando”, conta.

Além do diagnóstico precoce, que evitou que o tumor se espalhasse pelo corpo, Vaz Júnior acredita que a rápida recuperação se deve ao fato de ter tido pessoas importantes passando força e incentivo a todo instante.

“O importante de tudo isso, tanto para homem, como para mulher, é o apoio dos filhos, da família, dos amigos. Isso é muito importante. Meus filhos me ajudaram muito”, diz.
Prevenção
Embora raro, o câncer de mama nos homens é mais fácil de ser detectado do que nas mulheres, segundo a oncologista Cristiane Alves Mendes Parizze.

Ela explica que a glândula mamária masculina é menor e é menos exposta ao estrogênio, principal hormônio relacionado ao desenvolvimento da mama.

“Como não tem muita glândula no homem para o tumor crescer, ele acaba chegando mais rápido no mamilo e na pele. Na medida em que o homem se conhece mais, quebra esse tabu de se tocar, de se conhecer, ele vai conseguir fazer o diagnóstico mais precoce”, afirma.

Cristiane fala que os dois tipos de câncer de mama mais comuns nos homens são o carcinoma lobular invasivo, com origem nas células que produzem o leite, e o carcinoma ductal invasivo quando a parede do ducto mamário é rompida e o tumor cresce no tecido adiposo da mama. Nas mulheres, eles também aparecem com mais frequência.

Para detecção do tumor masculino, a médica diz que há exames de mamografia, mas eles não são tão fáceis de detectar o problema, pois, na maioria dos casos, não há tamanho suficiente para a mama se encaixar no equipamento. No caso dos homens, então, é necessário associar o exame à radiografia, biópsia e tomografia.

“Os sintomas mais comuns nos homens são caroço no mamilo, retração no mamilo, geralmente dor na mama e secreção pelo mamilo. Não significa que é tumor, mas há grande chance de ser”, explica.

Ainda de acordo com a médica, os casos masculinos de câncer de mama podem estar ligados à genética. Veja os principais fatores.

  • Idade acima de 50 anos
  • Casos de 1º grau na família (homem ou mulher)
  • Já ter feito radioterapia no tórax antes dos 30 anos
  • Exposição à medicação que aumenta o estrogênio
  • Alteração de cromossomos
  • Bebida alcoólica em excesso
  • Sobrepeso e obesidade
  • Lesões nos testículos

Como prevenção, a oncologista orienta que o homem faça mais atividade física, controle o peso, diminua a quantidade de uso de bebida alcoólica e, caso tenha diagnóstico da família, faça um acompanhamento médico.

Fonte: G1



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive