Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Conselho Federal de Medicina aponta investimento ‘abaixo do ideal’ em saúde pública no Brasil

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/11/2018 - Data de atualização: 14/11/2018


Uma análise das contas públicas divulgada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM) nesta terça-feira (13) aponta que o Brasil gasta R$ 3,48 por dia com saúde para cada cidadão brasileiro.

Por ano, o investimento representa um gasto médio de R$ 1.271 por pessoa. A entidade classificou o valor como “abaixo do ideal”.

De acordo com o CFM, o gasto total com saúde pública deveria ser equivalente a 10% do PIB do país, em vez dos atuais 2,94% – soma considerando União, estados e municípios.

Os dados levantados pelo conselho são referentes às despesas em 2017 do governo federal, dos estados e dos municípios com itens como custeio de hospitais, compra de equipamentos e pagamento de funcionários da saúde.

Inflação

Em 2008, o investimento médio do governo por habitante era de R$ 2,76. O crescimento de 26% para o patamar atual (R$ 3,48), porém, indica que os gastos com saúde, na verdade, diminuíram.

Isso ocorreu porque a inflação do período foi de 79,02%, de acordo com o Índice de Preços ao Consumidor (IPCA), medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Após 10 anos, portanto, há uma defasagem de 41% no investimento em saúde.

De acordo com o conselho de medicina, o gasto insuficiente reflete em baixos indicadores de saúde e em más condições de trabalho. Por outro lado, o CFM apontou que o dinheiro público tem sido mal gerido, principalmente pela falha de gestores em conseguir elaborar projetos.

“Isso tem reflexo direto na qualidade que é prestada para a população. Precisamos de ajuste, financiamento, melhor gestão de recursos e ter um controle efetivo”, afirmou o presidente do CFM, Carlos Vital.

O levantamento da entidade apontou, ainda, que o Ministério da Saúde deixou de aplicar R$ 174 bilhões do que havia sido previsto de 2003 e 2017.

Limitação de gastos

Durante a entrevista coletiva, os conselheiros do CFM criticaram a PEC do Teto de Gastos, que congela o crescimento dos gastos públicos por 20 anos. Para a entidade, a medida tende a agravar ainda mais a qualidade dos serviços, provocando, por exemplo, o fechamento de leitos de UTI.

“Essa limitação de gastos não é compatível com o que se vivencia. De forma que esperamos que o novo governo reveja essa limitação”, declarou Carlos Vital.

Fonte: G1

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive