Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Conheça seis hábitos capazes de reduzir o risco de câncer de mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/10/2018 - Data de atualização: 03/10/2018


Outubro é o mês da conscientização e prevenção do câncer de mama. (iStockphoto/Getty Images)

No Brasil, o câncer de mama corresponde a 28,1% dos novos casos da doença a cada ano, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca). Com exceção dos tumores de pele não melanoma, este tipo de câncer é o mais frequente entre mulheres das regiões Sudeste, Nordeste, Sul e Centro-Oeste. O percentual brasileiro é mais elevado que a taxa global, que é de 25%. As projeções para 2018 ainda indicam que, no mundo inteiro, 627.000 de pessoas podem morrer devido à doença.

Apesar dos números, o câncer de mama está entre os tipos mais tratáveis da neoplasia, especialmente com diagnóstico precoce e tratamento adequado. Além disso, de acordo com o Inca, 30% dos casos da doença podem ser evitados apenas com adoção de hábitos saudáveis, como praticar exercício físico regularmente e evitar o consumo excessivo de álcool.

Saiba mais sobre câncer de mama acessando nosso conteúdo especial.

O site especializado Time Health preparou uma lista com seis hábitos simples que podem ajudar as mulheres a reduzir os riscos.

1. Coma fibra

A fibra já provou-se benéfica para o controle de peso e melhora o funcionamento do sistema digestivo; agora, o nutriente também ajuda a reduzir o risco de desenvolvimento do câncer de mama. Um estudo publicado no British Medical Journal (BMJ) descobriu que comer três porções diárias de frutas e verduras ricas em fibras durante a adolescência diminui em 25% o risco da doença na fase adulta.

Os pesquisadores ainda notaram que certas frutas conferem maior proteção: maçã, banana e uva são mais redutoras durante a adolescência, enquanto couve e laranja contribuem para a redução do risco na idade adulta. Além das fibras, esses alimentos são ricos em flavonoides, que atuam como antioxidantes para combater danos celulares capazes de desencadear o crescimento celular anormal. 

“Este estudo ressalta a importância do que uma menina come para sua saúde futura. E também tem uma mensagem importante para as escolas sobre a necessidade de proporcionar aos alunos a oportunidade de consumir mais frutas e vegetais como parte do programa de refeições escolares”, disse Maryam Farvid, coautora da pesquisa, à Time Health.

2. Cuidado com a gordura

Uma pesquisa publicada em maio no JAMA Oncology descobriu que mulheres que seguem dietas pobres em gordura e ricas em grãos integrais correm um risco 22% menor de morrer de câncer de mama. Também foi sugerido que as mulheres que mantiveram a dieta menos gordurosa por períodos mais longos apresentaram chances maiores de sobreviver à doença. 

“O que vemos é um efeito notável. Mostramos que a intervenção dietética após o diagnóstico [de câncer de mama] foi mais importante do que a intervenção dietética antes do diagnóstico”, explicou Rowan Chlebowski, co-autor do estudo.

Apesar disso, os pesquisadores não foram capazes de explicar por que uma dieta com baixo teor de gordura – no estudo, ela correspondia a 20% das calorias diárias – reduz o risco, mas eles acreditam que o resultado está associado à perda de peso e a maior ingestão geral de nutrientes estimulada pela dieta.

A adoção da nova dieta ainda conseguiu diminuir em 24% o risco de morte por outros tipos de câncer e mostrou um risco 38% menor de morte por doença cardíaca. 

3. Evite o álcool

Um artigo publicado no ano passado no Journal of Clinical Oncology mostrou que o consumo regular de bebida alcoólica está associado a pelo menos sete tipos de câncer, principalmente ao câncer de mama. Os especialistas estimam que 5,5% dos novos casos de câncer pelo mundo estão relacionados ao consumo excessivo de álcool. Isso aconteceria porque o álcool pode aumentar os níveis de estrogênio para um grau potencialmente perigoso. 

“Embora esta associação tenha sido estabelecida há muito tempo, a maioria dos oncologistas, dos leigos e dos pacientes com câncer não estão cientes do risco. Essa foi uma oportunidade para aumentarmos a conscientização”, comentou Noelle LoConte, da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos. 

Outra pesquisa, publicada no British Medical Journal (BMJ), indicou que uma dose diária de álcool (para mulheres) aumenta o risco do desenvolvimento de cânceres em geral para 13%, especialmente o de mama.

4. Não fume

O tabagismo já é conhecido por aumentar a probabilidade do desenvolvimento de câncer de pulmão, mas pesquisas sugerem que os carcinógenos presentes no cigarro podem aumentar o risco de outros tipos da doença, incluindo o câncer de mama.

Um estudo publicado no ano passado na revista Breast Cancer Research sugeriu que o risco é particularmente maior para mulheres que começam a fumar na adolescência, uma vez que os cigarros afetam as vias hormonais durante o desenvolvimento das mamas. Os pesquisadores ainda ressaltam que o risco relativo de câncer de mama associado ao tabagismo é maior para mulheres com histórico familiar da doença.

5. Se exercite

O exercício físico traz inúmeros benefícios para a saúde física, em especial a cardiovascular, e mental – ajudando a aliviar o stress e melhorando o humor. Pesquisas também mostraram que a atividade física regular pode reduzir o risco de câncer de mama. A explicação: o exercício pode melhorar o sistema imunológico e reduzir gordura corporal, fator que já está associado ao menor risco da doença. 

A queda na inflamação também é um resultado positivo. “Inflamação é uma ativação de células e componentes derivados de células que têm o trabalho de combater invasões e, em alguns casos, apenas absorver ou limpar células danificadas”, explica Valter Longo, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, à Time Health. 

Além disso, uma pesquisa mostrou que até 40% dos cânceres estão associados ao excesso de peso ou à obesidade. Portanto, a prática da atividade física pode estimular o emagrecimento e, consequentemente, diminuir o risco de câncer. Um estudo do JAMA Oncology determinou que 300 minutos (equivalente a cinco horas) de atividade física por semana é o ideal para alcançar ambos os objetivos.

6. Reposição hormonal

A terapia de reposição hormonal costuma ser procurada por mulheres que desejam aliviar os sintomas da menopausa, como ondas de calor e fadiga. No entanto, um relatório divulgado pelo Sociedade Americana de Câncer mostrou que utilizar essa terapia pode aumentar o risco de câncer de mama.

A terapia de estrogênio-progesterona (EPT) é um dos tratamentos que aumentam a probabilidade – quanto mais EPT for usado, maior é o risco, apontou pesquisa. Destacou-se ainda que mulheres que utilizam a terapia de estrogênio-progesterona estão mais propensas a descobrir o câncer de mama quando este já está maior e se espalhou para além da mama. 

Por causa disso, muitos médicos começaram a perceber que os riscos podem superar os benefícios para muitas mulheres. Portanto, discuta a possibilidade com o seu médico e verifique o seu risco de desenvolver câncer em decorrência da terapia.

Fonte: Veja

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2018 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive