Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Conheça quais são os sintomas da leucemia, câncer que atinge principalmente crianças

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/02/2019 - Data de atualização: 08/02/2019


O Fevereiro Laranja é uma campanha criada para conscientizar e alertar a população sobre a leucemia, um tipo de câncer que afeta o sangue, como os glóbulos vermelhos — responsáveis por transportar o oxigênio — e os glóbulos brancos — cuja função é produzir anticorpos. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), a estimativa para este ano é que surjam 10.800 novos casos.

— A leucemia ocorre quando essas células sofrem mutações e passam a se proliferar de maneira inadequada. Quando as células que sofrem a mutação são jovens, dá origem a leucemias agudas. Mas quando quem sofre são as células maduras, a doença é a leucemia crônica — explica Eduardo Rego, professor titular da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo.

A doença pode ser dividida em quatro grupos a leucemia mieloide aguda (LMA), a leucemia mieloide crônica (LMC), a leucemia linfocítica aguda (LLA) e a leucemia linfocítica crônica (LLC). A LLA é a mais comum dentre as crianças, enquanto que LLC costuma ser diagnosticada em pessoas com mais de 55 anos.

— Na infância, por exemplo, as leucemias agudas representam 30% das neoplasias da criança — comenta Bianca Ribeiro Barreto, hematologista infantil, prestadora de serviços no Hospital América de Mauá.

Quanto mais cedo a leucemia for diagnosticada, maiores são as chances de cura dos pacientes.

— O diagnóstico é realizado a partir de uma suspeita clínica, e, em seguida, são realizados exames complementares. O primeiro deles é o hemograma, cujas alterações importantes nos fazem realizar a coleta e análise da medula óssea, através do mielograma — detalha Bianca.

O tratamento visa eliminar as células malignas do corpo e isto pode ser feito por meio de quimioterapia. Em alguns casos, há indicação para realização de transplante de medula óssea.

— O transplante precisa de um doador compatível. E essa compatibilidade é determinada pela genética hereditária. Quanto mais próximos os indivíduos forem do ponto de vista hereditário, maior a chance deles serem compatíveis. Por isso, nós sempre começamos procurando doadores entre irmãos de mesmo pai e mesma mãe — afirma Eduardo.

Fonte: Extra

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive