Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Complicações do câncer podem aumentar na pandemia e desafiar saúde pública

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/05/2021 - Data de atualização: 10/05/2021


O mundo enfrenta há mais de um ano a pandemia do coronavírus SARS-CoV-2 e mais de 155 milhões de pessoas já tiveram um diagnóstico confirmado para a COVID-19, segundo a plataforma da Universidade Johns Hopkins. Neste cenário, é importante observar como está o disgnóstico e o tratamento de outras doenças, como os diferentes tipos de tumores. Dados dos Estados Unidos apontam para a queda na identificação de novos cânceres, o que pode ser um desafio para a saúde pública.

Como reflexo da COVID-19, há um número significativo de diagnósticos de câncer que não foram feitos e nem tratados por uma série de fatores, como: pacientes que adiaram os exames anuais de rotina; pessoas que não procuraram um médico, mesmo com dor, por inúmeras questões; e clínicas e hospitais que suspenderam atendimentos, biópsias e tratamentos nos momentos mais críticos da pandemia.

Segundo levantamento feito pela ProPublica, os exames preventivos de câncer despencaram em até 94% durante os primeiros quatro meses do ano passado nos EUA. Apenas no Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque, o número de mamografias caiu em 96% durante o mesmo período. A partir de julho de 2020, o número de exames começou a ser retomado, mas ainda em porcentagem inferior ao pré-pandemia.

Atrasos no diagnóstico do câncer podem ser mortais

Vale ressaltar que, naquele período e ainda agora, as pessoas não pararam de ter câncer, mas os diagnósticos é que foram parados. Nesse cenário, o Instituto Nacional do Câncer (NIH) prevê quase 10 mil mortes em excesso — um número de mortes superior ao que era tido como padrão — na próxima década em decorrência do câncer de mama e do colorretal devido aos atrasos relacionados à COVID-19. Isso porque o diagnóstico precoce pode ser decisivo no controle da doença.

Pode demorar mais um ou dois anos antes que o número de mortes por câncer comece a aumentar, em partes, porque o tratamento pode prolongar a vida do paciente por anos após o diagnóstico — mesmo quando a descoberta for tardia, dependendo do tumor —, explicou o Dr. Norman Sharpless, diretor do NIH. Quanto mais tempo a pandemia levar, Sharpless entende que “mais significativo será seu impacto [negativo] nos tratamentos de câncer”

Câncer, pandemia da COVID-19 e o Brasil 

No Brasil, o Instituto Nacional de Câncer (Inca) alerta para a necessidade de se cumprir todos os protocolos contra a COVID-19, mas reforça também a importância de continuar o tratamento de tumores e se manter atento aos sinais do corpo, como o aparecimento de um nódulo mamário em mulheres com mais de 50 anos.

Em nota técnica divulgada neste ano, o Inca explica que "as ações de rastreamento durante a pandemia demandam análise criteriosa dos riscos e benefícios envolvidos, considerando o cenário epidemiológico (incidência e mortalidade por COVID-19) e a disponibilidade de leitos". Nestes casos, é preciso equacionar o risco de protelar o rastreamento de câncer, o risco de contaminação pelo coronavírus e a situação epidemiológica do local.

Para isso, o Inca desenhou três potenciais cenários da COVID-19 e quais atividades devem ser privilegiadas. Por exemplo, na propagação da epidemia controlada, umas das orientações é que ocorra o "rastreamento restrito a mulheres da população-alvo que nunca foram rastreadas ou não foram rastreadas para câncer de mama e colo do útero por mais de dois ou mais de três anos, respectivamente".

Para conferir a nota técnica completa do Inca, clique aqui.

Fonte: CanalTech

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive