Especial

Qualidade de vida


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Como o Tratamento de Câncer pode afetar a Ejaculação

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 16/02/2016 - Data de atualização: 16/02/2016


O tratamento do câncer pode interferir na ejaculação danificando os nervos que inervam a próstata, vesículas seminais e o esfíncter da bexiga. Também pode deter a produção de sêmen na próstata e vesículas seminais. Apesar deste dano, um homem ainda pode ter a sensação de prazer durante o orgasmo. A diferença é que, no momento do orgasmo, ejacula pouco ou nenhum sêmen.

Ao longo do tempo, a maioria dos homens mencionam que orgasmo sem esperma parece normal. Outros dizem que o orgasmo não é tão intenso, e outros, ainda relatam que o orgasmo é mais forte e mais prazeroso. Os homens muitas vezes se preocupam com que suas/seus parceiras(os) não sintam a ejaculação. Na maioria das vezes, as/os parceiras(os) não sentem a saída do fluido, de modo que isso não é verdade.

A maior preocupação de alguns homens é que o orgasmo seja menos satisfatório. Outros ficam chateados por orgasmos "secos", porque desejam serem pais. Se um homem deseja ter um filho após o tratamento, ele pode procurar um banco de esperma. Alguns homens sentem que seu orgasmo é mais fraco do que antes. Uma leve diminuição da intensidade do orgasmo é normal com o envelhecimento, mas pode ser mais severa em homens cujos tratamentos interferem com a ejaculação do sêmen.

Cirurgia

A cirurgia pode afetar a ejaculação de duas formas diferentes. A primeira quando ocorre a remoção cirúrgica da próstata e das vesículas seminais e, consequentemente não há produção de sêmen. A outra é quando a cirurgia danifica os nervos que controlam a ejaculação. Esses ramos nervosos não são os mesmos que passam perto da próstata e controlam as ereções.

Orgasmo Seco


Após a prostatectomia radical e a cistectomia, o homem não produzirá mais sêmen. O corpo continuará produzindo esperma nos testículos, mas o corpo simplesmente irá reabsorvê-los. Isto não é prejudicial. Após as cirurgias de câncer, o homem poderá terá um orgasmo seco ou um orgasmo sem sêmen.

Produção de Sêmen sem Ejaculação

Outras técnicas cirúrgicas fazem com que a ejaculação retorne para dentro do corpo, o que se denomina ejaculação retrógrada. No momento do orgasmo, o sêmen volta e chega à bexiga em vez de ir para fora através do pênis. Isso ocorre porque o esfíncter entre a bexiga e a uretra fica aberto após alguns procedimentos cirúrgicos. Esta válvula (esfíncter) normalmente fecha durante a ejaculação. Quando está aberto, o caminho de menor resistência para o sêmen torna-se o caminho inverso para a bexiga. Isto não provoca dor e não é prejudicial para o homem.

Quando um homem urina após este tipo de orgasmo seco, a urina é opaca porque o sêmen está misturado. A ressecção transuretral é um exemplo de uma cirurgia que geralmente provoca ejaculação retrógrada.

Lesão dos Nervos


Já mencionamos que os feixes nervosos que chegam até a próstata ajudam na ereção. Agora, vamos falar dos nervos que saem da coluna e controlam a ejaculação. As cirurgias para o tratamento de câncer que podem ter como efeito colateral o orgasmo seco e podem danificar os nervos que controlam a ejaculação são:

  • Ressecção abdominoperineal, que remove o reto e parte do cólon.
  • Ressecção retroperitoneal e de gânglios linfáticos, que remove os linfonodos abdominais, geralmente em homens com câncer de testículo.

Alguns dos nervos que controlam a ejaculação passam perto da parte inferior do cólon e são lesionados pela ressecção abdominoperineal. A dissecção de linfonodos danifica os nervos mais superiores que passam perto da aorta.

Os efeitos colaterais destes dois procedimentos cirúrgicos são similares. No entanto, se conhece mais sobre a função sexual após a cirurgia de retirada de linfonodos. Às vezes, a dissecação dos gânglios provoca apenas a ejaculação retrógrada. Mas, geralmente paralisa a ejaculação. Quando isso acontece, a próstata e as vesículas seminais não podem misturar o sêmen com os espermatozoides. Em ambos os casos o resultado é um orgasmo seco. A diferença entre a não ejaculação e a ejaculação retrógrada é importante, no caso do homem desejar ser pai. A ejaculação retrógrada é mais benéfica no sentido do desejo de paternidade, já que os espermatozoides podem ser extraídos da urina do homem e utilizados para engravidar a mulher.

Em alguns casos, os nervos que controlam a ejaculação se recuperam dos danos causados pela dissecção linfonodal retroperitoneal. Mas, a ejaculação de sêmen, pode levar até 3 anos para ocorrer novamente. Como os homens com câncer de testículo muitas vezes são jovens e não tiveram filhos, os cirurgiões têm técnicas que evitam a lesão nervosa, o que permite a ejaculação normal após a dissecação linfonodal retroperitoneal.

Em mãos experientes, estas técnicas têm uma taxa muito alta de preservação nervosa para que exista ejaculação normal. Alguns medicamentos também podem restaurar a ejaculação de sêmen por tempo suficiente para coletar o esperma para a concepção. Se os espermatozoides não podem ser recuperados do sêmen ou da urina, especialistas em infertilidade podem ser capazes de recuperá-los diretamente do testículo através de uma pequena cirurgia e, em seguida, usá-los para fertilizar o óvulo de uma mulher. A dissecação linfonodal retroperitoneal não altera as ereções ou a capacidade de atingir o orgasmo do homem. Mas, pode fazer com que o prazer no orgasmo seja menos intenso.

Perda de Urina durante Ejaculação

Climacturia é o termo usado para descrever o vazamento de urina durante o orgasmo. Isto é bastante comum após cirurgia de próstata. A quantidade de urina varia amplamente, de algumas gotas a uma quantidade mais volumosa. É mais comum em homens que também têm incontinência urinária. É causada pela fraqueza dos músculos que controlam o fluxo de urina. A urina não é perigosa para a/o parceira(o) sexual, mas pode ser constrangedor e incômodo. O vazamento tende a melhorar ao longo do tempo, e o uso de preservativos pode ajudar. Se você ou sua/seu parceira(o) se sentem incomodados, converse com seu médico para receber as orientações necessárias para seu caso.

Outros Tratamentos contra o Câncer

Alguns tratamentos contra o câncer diminuem a quantidade de sêmen que é produzido. Após a radioterapia de próstata, alguns homens ejaculam apenas algumas gotas de sêmen. No final da radioterapia, os homens muitas vezes sentem uma dor aguda ao momento de ejacular. A dor é causada pela irritação da uretra. A dor deve cessar paulatinamente após o término do tratamento.

Na maioria dos casos, os homens que recebem terapia hormonal para câncer de próstata também produzem menos esperma do que antes.

A quimioterapia muito raramente afeta a ejaculação. Mas, existem alguns medicamentos que podem provocar ejaculação retrógrada por danificar os nervos que a controlam.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive