Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Como fica a fertilidade após a cura do câncer?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 22/09/2022 - Data de atualização: 22/09/2022



Receber um diagnóstico de câncer é cada vez mais comum: cerca de uma em cada cinco pessoas no mundo já vivencia essa situação, e as estimativas sugerem que o número de pacientes oncológicos aumentará nas próximas décadas. Segundo a estimativa feita pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA), são previstos 625 mil novos casos para o Brasil em 2022. Se a quantidade de casos de câncer tem aumentado a passos largos, o avanço da ciência está permitindo grande evolução nos tratamentos. A sobrevivência de pacientes oncológicos dobrou nas últimas décadas, chegando a 98% para alguns tipos de tumores. Dentre o público de crianças e adolescentes com câncer, cerca de 80% deles podem ser curados se tratados adequadamente. Conforme avançam os índices de sucesso das terapias antitumorais, a preocupação com a qualidade de vida dos pacientes deve estar também no foco dos especialistas desde o início dos processos para a cura.  

O tratamento do câncer varia de acordo com o tipo e o grau do tumor, e em muitos casos inclui a quimioterapia. Os medicamentos quimioterápicos são efetivos em tratar células que se multiplicam rapidamente, como é o caso das células tumorais. Outras células em nosso corpo, porém, também se encaixam nessa categoria de “células altamente proliferativas”, como a medula óssea, que produz as células do sangue; as células das mucosas que revestem a boca e o intestino; as células dos folículos pilosos, que produzem os fios de cabelo. Além disso, alguns tratamentos quimioterápicos podem danificar as células responsáveis pela produção dos espermatozoides nos homens e acabar com a reserva ovariana das mulheres – o estoque de oócitos que a mulher dispõe para ovular durante toda a sua vida reprodutiva, e que não é renovável.

Por causa da toxicidade da quimioterapia nas células não tumorais, os pacientes podem ter efeitos colaterais, como queda dos cabelos e anemia, além de alterações na fertilidade, que podem afetar de forma transitória ou permanente a capacidade de gerar filhos biológicos. 

Muitos casos de câncer concentram-se em crianças, adolescentes e jovens adultos, e a incidência de câncer infanto-juvenil está aumentando no mundo. Para trazer uma ideia, a estimativa brasileira feita pelo INCA previu 8.460 casos de câncer entre crianças e adolescentes de 0 a 19 anos em 2022. Os pacientes pediátricos e os adultos jovens que passarem por um tratamento oncológico bem-sucedido poderão seguir com suas vidas e seus planos para o futuro, o que pode incluir o desejo de gerar filhos biológicos. Um aspecto importante para ser levado em consideração é a possibilidade de jovens meninas que ainda não atingiram a maturidade sexual (ainda não menstruaram) não virem a fazê-lo após o tratamento quimioterápico, perdendo a possibilidade de gestar no futuro, e também necessitando terapias hormonais para repor a ausência de estrógeno no organismo. Em outras palavras, essas meninas podem ficar menopausadas. Assim, é fundamental que as pessoas, enfrentando um tratamento oncológico – e seus profissionais de saúde –, sejam esclarecidas quanto ao possível impacto à sua fertilidade e ao seu equilíbrio hormonal. 

De forma contrária ao que se espera, é baixo o nível de conscientização de profissionais da saúde a respeito das alterações que o tratamento do câncer pode causar à fisiologia hormonal dos indivíduos, particularmente nas meninas e jovens mulheres em idade reprodutiva, e na futura possibilidade de reprodução e bem-estar fisiológico. Com isso, muitos pacientes não são informados que poderão ter dificuldades para serem mães ou pais biológicos e, acima de tudo, não são informados a respeito das possibilidades disponíveis para preservação de sua fertilidade. 

Atualmente estão disponíveis diferentes estratégias para preservar a fertilidade em mulheres em idade reprodutiva e em crianças.

Para as pacientes adultas, que já experienciam ciclos menstruais, a criopreservação dos oócitos representa uma opção bastante realista de chance de gestação e de ter descendentes biológicos. Quanto maior for o número de gametas coletados e armazenados em botijões de nitrogênio líquido, maiores as chances de gerar um bebê futuramente, quando estiver livre do câncer. Caso haja a possibilidade, a paciente poderá optar por fertilizar os oócitos e armazenar os embriões gerados. Mais recentemente, foi desenvolvida a técnica de coleta e preservação de porções dos ovários que contêm inúmeros oócitos. Essa estratégia permite não apenas a geração de filhos biológicos, mas é também a única forma de restabelecer os ciclos hormonais, a menstruação, e evitar a osteoporose e outras condições relacionadas ao não funcionamento dos ovários devido ao tratamento oncológico. Atualmente já existem quase 300 bebês nascidos de mulheres após o retransplante de tecido ovariano.

Em crianças e meninas jovens não é possível fazer a coleta de oócitos maduros, o que inviabiliza o emprego da criopreservação de gametas. Nestes casos, a coleta de parte de um ovário ou até mesmo de um ovário inteiro para preservação representa a possibilidade de essas pacientes terem seus filhos biológicos no futuro e, mais importante, terem também sua fisiologia hormonal restabelecida após a cura do câncer e o retransplante do tecido ovariano armazenado.

A importância da conscientização sobre a preservação da fertilidade entre pacientes oncológicos e seus profissionais de saúde é indiscutível, e a Universidade tem um papel fundamental nesse processo. Um guia detalhando os impactos do tratamento oncológico na fertilidade de homens e mulheres, bem como as opções de tratamento disponíveis, estão sendo desenvolvidos na forma de e-book e website institucional, com o apoio da Secretaria de Educação a Distância da UFRGS. Esperamos que esse material possa futuramente contribuir para a divulgação dessas informações dentro do ambiente acadêmico e para profissionais de saúde já formados. 

Fonte: Jornal da Universidade (UFRGS)



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive