Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Como as Células Cancerígenas se espalham para os Ossos

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/04/2015 - Data de atualização: 24/04/2015


Antes das células cancerígenas se espalharem para outras partes do corpo, elas passam por várias mudanças:

  • Precisam se soltarem do tumor primário e entrar no sistema linfático ou corrente sanguínea, que as transportará para uma outra parte do corpo.
  • Em algum momento, elas precisam aderir à parede de um vaso sanguíneo ou linfático e alcançar um novo órgão.
  • Precisam ser capazes de crescer e se multiplicar em sua nova localização.

Durante todo o tempo, precisam ser capazes de evitar os ataques do sistema imunológico do corpo. Após passar por todas essas etapas, as células que formam os novos tumores podem já não serem exatamente as mesmas que iniciaram o tumor primário, no entanto terão as características das células onde se originaram.

O local para onde o câncer se dissemina depende do seu tipo celular e do local do corpo onde se iniciou. Algumas células cancerígenas têm substâncias, em suas superfícies que as ajudam a sobreviver em diferentes órgãos. As células cancerígenas podem liberar substâncias químicas que afetam diretamente as células ósseas, tornando-as mais vulneráveis e facilitando seu alojamento no osso. As células ósseas também podem liberar agentes hormonais que ajudam  algumas células a crescerem.

Estudos recentes sobre as interações entre as células cancerígenas e as células ósseas normais estão sendo usados para desenvolver novas maneiras de tratar ou mesmo prevenir as metástases ósseas.

O que acontece quando o câncer se desenvolve nos ossos?

Os ossos estão constantemente se refazendo para se manterem fortes.

As células cancerígenas podem afetar os ossos de 2 maneiras:

  • Produzindo substâncias que se ligam aos osteoclastos. Isto leva à fratura óssea antes do osso novo ser formado, o que enfraquece os ossos. Os orifícios que se desenvolvem quando partes dos ossos são eliminadas são denominadas osteolíticas ou lesões líticas. As lesões líticas são tão fracas que podem provocar fraturas com pouco ou nenhum trauma.
  • Liberando substâncias que se transformam em osteoblastos. Isto leva ao estabelecimento de novo osso sem que o osso velho tenha se decomposto. Isso produz uma condição denominada esclerose nas áreas dos ossos. As áreas dos ossos onde isto ocorre são chamadas osteoblásticas ou lesões blásticas. Embora estas áreas blásticas sejam mais rígidas, a estrutura do osso é anormal e estas áreas fraturam mais facilmente do que o osso normal.

Ambos os tipos de metástases ósseas líticas e blásticas podem causar dor. A metástase óssea é uma das causas mais frequentes de dor em pacientes com câncer.

Quando o câncer se dissemina para os ossos da coluna, pode comprimir a medula espinhal, levando a danos que podem evoluir para paralisia se a doença não for tratada.

Como as células cancerígenas danificam os ossos, o cálcio dos ossos é liberado no sangue. Isto pode provocar problemas como a hipercalcemia.

A metástase óssea também pode provocar outros problemas que podem influenciar a manutenção das atividades habituais e de estilo de vida.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive