Tipos de Câncer

Tumor Estromal Gastrointestinal (GIST)

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cirurgia para Tumor Estromal Gastrointestinal (GIST)

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/03/2013 - Data de atualização: 06/08/2020


A cirurgia é geralmente o principal tratamento para um tumor gastrointestinal (GIST) que não se disseminou, com o objetivo de remover todo o tumor.

O tipo de cirurgia a ser realizado depende da localização e do tamanho do tumor:

  • Tumor GIST pequeno

Se o tumor é pequeno, será removido junto com uma pequena área de tecido normal adjacente. Ao contrário de outros tipos de câncer, a remoção dos linfonodos próximos não é necessária, porque quase nunca o GIST se dissemina para os linfonodos.

Para alguns tipos de câncer de pequeno porte, a cirurgia laparoscópica pode ser uma opção. Nesse procedimento, o cirurgião faz apenas pequenas incisões no abdome para a remoção do tumor.

  • Tumor GIST maior

Se o tumor é grande ou se disseminou para outros órgãos, o cirurgião ainda pode tentar removê-lo totalmente. Para isso, pode ser necessário retirar porções de outros órgãos, como secções do intestino. O cirurgião também pode retirar tumores que se disseminaram para outras partes do abdômen, como o fígado.

Se o tumor não pode ser removido totalmente sem provocar grandes problemas, o médico pode tratar inicialmente o paciente com imatinibe, com o objetivo de reduzir o tamanho do tumor e tornar mais fácil sua ressecção cirúrgica.

  • GISTs metastático

A cirurgia não é um tratamento frequente para GISTs disseminados para outros órgãos. Nesses casos, a primeira opção terapêutica é a terapia alvo. Mas se existirem poucos tumores metastáticos e eles responderem bem à terapia alvo, alguns médicos podem indicar a remoção cirúrgica. Não foram realizados grandes estudos para mostrar a eficácia desse procedimento, mas pode ser uma opção. Se o seu médico indicar essa cirurgia, procure entender os objetivos e os possíveis efeitos colaterais.

Se os tumores estiverem localizados no fígado e não for possível a remoção cirúrgica, outras opções podem incluir diferentes tipos de tratamentos locais, como ablação ou embolização.

Escolhendo o cirurgião

Independentemente do tipo de cirurgia, é muito importante que seja realizada por um cirurgião com experiência no tratamento de GISTs. Os GISTs geralmente são tumores delicados, e os cirurgiões devem ter cuidado para não romper o revestimento externo (cápsula), para não aumentar o risco de disseminação da doença. Os GISTs também tendem a ter muitos vasos sanguíneos; portanto, o cirurgião deve ser cuidadoso no controle de qualquer hemorragia do tumor.

Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Cirurgia Oncológica.

Para saber mais sobre alguns dos efeitos colaterais listados aqui e como gerenciá-los, consulte nosso conteúdo Efeitos Colaterais do Tratamento.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 01/12/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive