Tipos de Câncer

Sarcoma Uterino

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cirurgia para Sarcoma Uterino

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/01/2014 - Data de atualização: 09/04/2017



A cirurgia é o principal tratamento para o sarcoma uterino, e tem por objetivo remover todo o tumor. Isto normalmente significa a retirada do útero, mas em alguns casos podem ser retiradas também as trompas de Falópio, ovários e parte da vagina. Alguns nódulos linfáticos ou outros tecidos podem ser ressecados, para verificar se a doença se disseminou.

Os principais tipos de cirurgia utilizados para o sarcoma uterino são:

  • Histerectomia

Este procedimento consiste na remoção do útero (corpo do útero e colo do útero), preservando as estruturas próximas ao órgão. A vagina e os linfonodos pélvicos não são removidos. Os ovários e trompas de Falópio são normalmente preservados a menos que haja alguma outra razão para removê-los.

Quando o útero é removido por uma incisão cirúrgica no abdome, é denominada histerectomia abdominal. Quando o útero é removido pela vagina, é denominada histerectomia vaginal. Quando o útero é removido por laparoscopia, é chamada histerectomia laparoscópica. Em alguns casos, a laparoscopia é realizada com instrumentos especiais para ajudar o cirurgião a ver e manipular melhor os tecidos que estão sendo operados. Esta técnica é denominada cirurgia robótica assistida.

Todos os procedimentos são realizados com anestesia local ou geral. O tempo de internação e recuperação tende a ser menor para a histerectomia laparoscópica ou vaginal do que para uma histerectomia abdominal. Após uma histerectomia, a mulher não pode mais engravidar e ter filhos. As complicações cirúrgicas são raras, mas podem incluir hemorragia, infecção na cicatriz e problemas urinários ou intestinais.

  • Histerectomia Radical

Neste procedimento, o cirurgião retira o útero, juntamente com os tecidos próximos ao órgão e a parte superior da vagina, próxima ao colo do útero.

A histerectomia radical é normalmente realizada com uma incisão cirúrgica abdominal, embora também possa ser realizada por laparoscopia assistida. A maioria das pacientes submetidas a histerectomia radical também têm alguns linfonodos removidos, quer através da incisão abdominal ou laparoscopicamente. A histerectomia radical pode ser feita sob anestesia local ou geral.

Como mais tecido é retirado na histerectomia radical do que numa histerectomia simples, o tempo de hospitalização pode ser mais longo. Após uma histerectomia, a mulher não pode mais engravidar e ter filhos. As complicações cirúrgicas são similares a histerectomia simples e podem incluir hemorragia, infecção na cicatriz e problemas urinários ou intestinais. Se alguns nervos que inervam a bexiga forem danificados, será necessária a colocação de um cateter para esvaziar a bexiga por um determinado tempo após a cirurgia. Isso normalmente melhora e o cateter pode ser removido posteriormente.

  • Salpingo-ooforectomia bilateral

Este procedimento envolve a remoção dos ovários (ooforectomia) e das trompas de Falópio (salpingectomia). Este procedimento é geralmente realizado junto com a cirurgia de remoção do útero, quer por histerectomia simples ou por histerectomia radical.

  • Linfadenectomia

O cirurgião pode realizar a dissecção dos linfonodos, ou seja, retirar os gânglios linfáticos da pelve e os que se encontram ao redor da aorta. Estes linfonodos são analisados sob um microscópio para verificar se contêm células cancerígenas. Se a doença for encontrada nos nódulos linfáticos, isto significa que o tumor já se disseminou para além do útero.

A remoção dos gânglios linfáticos da pelve pode provocar linfedema, que é o acúmulo de líquido nas pernas. Isso ocorre com mais frequência se a radioterapia é realizada após a cirurgia.

Outros procedimentos que podem ser realizados durante a cirurgia:

  • Omentectomia. É a retirada do tecido gorduroso que cobre o conteúdo abdominal.

  • Biópsia Peritoneal. Procedimento para retirar partes do revestimento do peritônio para verificar se há células cancerosas.

  • Lavagem Pélvica. Neste procedimento, o cirurgião faz uma lavagem da cavidade abdominal e pélvica com uma solução salina e envia o líquido para análise no laboratório de patologia, para verificar se contém células cancerígenas.

  • Redução do Tumor. Se a doença se disseminou por todo o abdome, o cirurgião tentará remover o máximo possível do tumor. Esta redução do tumor pode tornar outros tratamentos, como radioterapia e quimioterapia, mais eficazes.

Impacto Sexual da Cirurgia

Para as mulheres na pré-menopausa, a remoção do útero provoca a cessação da menstruação. Se os ovários forem removidos ocorrerá a menopausa. Isto pode levar à secura vaginal e dor durante a relação sexual. Estes sintomas podem ser tratados com uso de medicamentos.

Embora as mudanças físicas e emocionais possam afetar o desejo sexual, essas cirurgias não impedem uma mulher de sentir prazer sexual. Uma mulher não precisa de ovários ou útero para ter relações sexuais ou atingir o orgasmo.

Fonte: American Cancer Society (15/02/2016)


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive