Tipos de Câncer

Câncer de Mama

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cirurgia de Reconstrução Mamária

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 06/10/2014 - Data de atualização: 25/07/2020


As mulheres que estão pensando em fazer a cirurgia de reconstrução mamária devem discutir com seu mastologista e com o cirurgião plástico antes da mastectomia ou da cirurgia conservadora que será realizada. Isso possibilitará que a equipe cirúrgica planeje as melhores opções de tratamento para seu caso, mesmo que decidam fazer a reconstrução mais tarde.

Benefícios da reconstrução mamária

As mulheres podem optar pela reconstrução mamária por muitas razões:

  • Para que suas mamas pareçam mais simétricas quando estiver usando um sutiã ou um maiô.
  • Para usar suas roupas novamente.
  • Para recuperar permanentemente a forma de suas mamas.
  • Para não precisar mais usar próteses externas.
  • Para se sentirem mais felizes com seus corpos e em relação a si mesmas.

A reconstrução da mama após a mastectomia recupera a autoestima e renova a autoconfiança da mulher. Mas é importante considerar que a mama reconstruída não será uma combinação perfeita ou substituirá a mama natural. Se o tecido da barriga, ombro ou nádegas for usado como parte da reconstrução, essas áreas também ficarão diferentes após a cirurgia. Converse com seu cirurgião sobre as cicatrizes cirúrgicas e mudanças na forma ou contorno de seu corpo.

Riscos da reconstrução mamária

Certos tipos de implantes mamários podem estar associados a um tipo de câncer raro, conhecido como linfoma anaplásico de células grandes, que não é um tipo de câncer de mama. Esse linfoma parece ocorrer com mais frequência em implantes com superfícies texturizadas (em vez de superfícies lisas. Se esse linfoma for diagnosticado após o implante, pode ser como um nódulo, acúmulo de líquido próximo ao implante, dor, inchaço ou assimetria das mamas.

A doença em estágio inicial é frequentemente tratada com a remoção cirúrgica do implante, enquanto em estágio avançado requer quimioterapia. Em certos casos, pode ser administrada radioterapia.

O prognóstico geralmente é melhor em pacientes com doença em estágio inicial.

A reconstrução mamária e a recidiva da doença

Estudos mostram que a reconstrução mamária não implica na recidiva do câncer de mama. Se a doença voltar não devem acarretar qualquer problema no diagnóstico ou tratamento.

Se você está pensando em fazer a reconstrução mamária, deve saber que raramente, esconde a recidiva do câncer de mama. Você não deve considerar isso como um risco ao decidir fazer a reconstrução mamária.

Algumas questões importantes a serem consideradas:

  • A paciente pode optar em fazer a reconstrução mamária imediata ou tardia.
  • Algumas mulheres não querem pensar em reconstrução enquanto não elaboram e aceitam o diagnóstico de câncer. Nestes casos, a reconstrução deve ser decidida posteriormente, quando a mulher se sentir mais preparada para pensar no assunto.
  • A paciente não tem vontade de se submeter a outras cirurgias.
  • O resultado estético pode não ser o esperado.
  • A preocupação da paciente com a cicatriz.
  • A reconstrução mamária restaura a forma, mas não a sensibilidade da mama. Com o tempo, a pele da mama reconstruída pode tornar-se mais sensível, mas não será como antes da mastectomia.
  • Uma cicatriz é o resultado natural de qualquer cirurgia, mas a morte celular (necrose) da pele da mama, do retalho, ou da gordura transplantada pode acontecer. A reconstrução imediata pode ser mais propensa a necrose. Se isso acontecer, uma nova cirurgia deverá ser feita para corrigir o problema, podendo ocasionar uma alteração na forma da nova mama.
  • A cicatrização pode ser afetada pela cirurgia, quimioterapia, radioterapia, tabagismo, alcoolismo, diabetes, medicamentos e outros fatores.
  • O cirurgião pode sugerir que a reconstrução seja postergada por inúmeras razões, como obesidade, anorexia ou problemas circulatórios. Caso a paciente seja fumante, o ideal é que pare de fumar pelo menos 2 meses antes da cirurgia para permitir uma melhor cicatrização.
  • Frequentemente também é necessária uma abordagem da mama contralateral (mama saudável), para permitir que o resultado estético final seja o mais simétrico possível.
  • Muitos médicos recomendam que as mulheres não façam a reconstrução imediata se tiverem indicação de radioterapia após a cirurgia. A radioterapia pode provocar problemas após a cirurgia e reduzir as chances de sucesso.
  • Conhecer as opções de reconstrução antes da cirurgia ajuda a paciente a se preparar para a mastectomia com uma visão mais realista do futuro.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 18/09/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive