Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cientistas suíços criam “tatuagem biomédica” para deteção precoce do câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 20/04/2018 - Data de atualização: 20/04/2018


Cientistas da Escola Politécnica Federal de Zurique (EPFZ) desenvolveram uma "tatuagem biomédica” que, colocada debaixo da pele, permite detetar quatro tipos de câncer na sua etapa precoce, antes que o teste convencional permita descobrir a doença.

Uma equipe liderada pelo médico Martin Fussenegger, do Departamento de Biosistemas da EPFZ, desenvolveu esse sensor, que muda de cor -daí a sua denominação de "tatuagem”- e dá o alerta quando encontra indícios de câncer de próstata, de pulmão, de cólon e de mama, os mais comuns.

A investigação foi feita por enquanto com ratos e na pele de porco, e os especialistas reconhecem que deverá passar um tempo considerável –pelo menos dez anos– antes que o produto fique pronto entrar no mercado.

O EPFZ indicou que para avançar nessa direção é preciso continuar com provas clínicas e de desenvolvimento que são particularmente laboriosas e caras, algo que o grupo de investigação não consegue financiar.

Citado no comunicado do EPFZ, Fussenegger considerou que o conceito de "tatuagem biomédica” também seria aplicável a outras doenças de evolução gradual, como patologias degenerativas e desordens hormonais.

Sobre a maneira em que o método funciona, explicou que o sensor é composto por uma rede genética que se coloca nas células humanas e que fica num implante, que consegue medir a taxa de cálcio no sangue.

Quando essa taxa supera um limite estabelecido durante um período prolongado, ativam-se uma série de sinais gerados pela produção de pigmento endógeno nas células geneticamente modificadas, o que por sua vez provoca que a mancha originada pela sonda escureça, dando assim o alerta ao portador.

Fussenegger disse que a mancha "não significa que a pessoa vai morrer em breve”, pelo contrário, já que uma deteção precoce da doença aumenta a possibilidade de sobrevivência.

No caso do câncer de mama, só uma em quatro mulheres afetadas tem possibilidade de cura se o mal for detetado tardiamente, frente aos 98% no caso que se detete rapidamente.

No caso de câncer de próstata, a taxa de cura é atualmente de 32% e o de cólon é de 11%.

Fonte: EFESaúde

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive