Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Carnaval e prevenção: combate ao câncer também passa por quebra de tabus, defende Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/02/2019 - Data de atualização: 28/02/2019


O período do Carnaval, anualmente, desperta a atenção dos especialistas para a importância do uso do preservativo, método mais seguro de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST), como a infecção pelo papilomavírus humano (HPV). De acordo com o Ministério da Saúde, estima-se cerca de 54,6% de brasileiros entre 16 e 25 anos estão infectados com HPV e, em 38,4% deles, tratam-se dos subtipos de alto risco, mais associados a câncer de colo do útero, vagina, vulva, pênis, ânus, boca e garganta. Por isso, os esforços voltados para prevenção têm sido foco tanto do governo federal quanto de toda a classe médica.
O quadro fica ainda mais preocupante quando associado aos dados da pesquisa da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC) que aponta que 59% da população não usa preservativo como medida de prevenção ao câncer e quase 30% desconhece a relação direta entre o uso e a redução do risco de desenvolver a doença.

Além do uso de preservativo para prevenir DSTs como um todo, especialistas defendem a fundamental conscientização sobre a vacinação contra HPV, disponibilizada pelo SUS no Brasil desde 2014. Considerada a forma mais eficaz de prevenção, a vacina é capaz de proteger contra os tipos mais agressivos do vírus (6, 11, 16 e 18), podendo diminuir em até 98% a incidência de verrugas e outras doenças, como o câncer de colo de útero – o terceiro mais incidente em mulheres, apesar de ser um dos tipos de câncer mais prevenível. No sistema público, a disponibilização é gratuita para meninas entre 9 e 14 anos e meninos entre 11 e 13, além de portadores de HIV; na rede privada, outras faixas etárias também podem ser vacinadas.

Pode parecer simples, mas questões culturais e tabus da sociedade impactam diretamente a efetividade das campanhas de conscientização sobre a vacinação contra HPV. Por estar relacionada a comportamento sexual, muitas mães temem estar antecipando a vida sexual das filhas ou não confiam nos benefícios da vacinação. Para a Dra. Andreia Melo, oncologista e membro da diretoria da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), é preciso creditar a segurança e eficácia das vacinas e investir em campanhas educativas que esclareçam a relação entre a doença e o HPV. “A prevenção ao câncer de colo uterino está mais próxima de estratégias usadas para combater o sarampo ou catapora do que DSTs, inclusive porque a vacina deve ser tomada, preferencialmente, antes do início da vida sexual“, explica a Dra. Andreia.

Os especialistas destacam, ainda, os demais tipos de câncer associados ao HPV como: cabeça e pescoço (tumores que se manifestam na boca, na faringe e na laringe), pênis, vulva, vagina e ânus. “No caso do câncer de cabeça e pescoço, ainda que tabagismo e consumo de bebidas alcoólicas também sejam fatores de risco, a doença está fortemente associada com sexo oral e, por isso, é preciso uma sensibilidade maior em campanhas de conscientização e na apresentação do diagnóstico para pacientes e familiares“, comenta a Dra. Aline Lauda, oncologista da SBOC.

Educar a população sobre o tema passa também por esclarecer o funcionamento do vírus que não é causador direto do câncer, mas associa-se a fatores como predisposição genética, baixa imunidade e tabagismo. “A questão é que 80% da população mundial já teve contato com o vírus do HPV em algum momento da vida, enquanto o uso de preservativo ainda é negligenciado pelas pessoas. Nós, profissionais da saúde, precisamos reforçar que o HPV é um problema de falta de prevenção, não de promiscuidade”, explica a Dra. Aline.

Fonte: Jornal Dia a Dia

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive