Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Carboidrato piora o câncer? Veja 4 mitos sobre dietas e tumores

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 27/02/2019 - Data de atualização: 27/02/2019


Carboidrato piora o câncer? Veja 4 mitos sobre dietas e tumores
Em cartilha, Instituto Nacional de Câncer esclarece informações falsas que podem prejudicar o tratamento de pacientes com a doença

Esse tipo de informação também gera efeitos psicológicos sérios. “Achar que determinado alimento pode fazer o câncer evoluir ou reduzir a chance de cura causa medo e culpa”, alerta a nutricionista.

A necessidade de desbancar esses mitos motivou a nutricionista e outros especialistas do instituto a elaborar uma cartilha sobre o que é verdade ou mentira quando o assunto é dieta e câncer. O documento foi publicado em janeiro de 2019.

A seguir, conheça os boatos desbancados pelo Inca e entenda por que eles não têm fundamento:

1. “Carboidratos alimentam o tumor”
Essa afirmação até tem um fundo de verdade. Todo carboidrato que comemos – seja o do pãozinho francês, seja o do arroz integral – viram glicose. A função da glicose é fornecer energia para as células do nosso organismo funcionarem – inclusive as malignas. E, como essas células se multiplicam em alta velocidade, elas acabam consumindo muito mais glicose do que as outras.

Mas isso não significa que tirar o cardápio da dieta é uma solução. Gabriela explica que, ao parar de consumir o macronutriente, nosso organismo encontra outros meios de obter glicose – usando proteínas que formam os músculos, por exemplo. O resultado? Além do emagrecimento, uma perda grande de massa muscular, um problema para quem busca se curar de um câncer.

Em uma cirurgia, por exemplo, é essencial que o corpo tenha uma boa resposta imunológica e inflamatória – e os músculos produzem proteínas que garantem essa reação. Já no caso da quimioterapia, quanto mais massa magra, melhor será a absorção dos medicamentos. Isso porque a maioria dos quimioterápicos é metabolizada em tecidos com maior quantidade de água, que é o caso dos músculos. “Uma pessoa com pouca massa muscular vai ter mais droga livre circulando no organismo e, consequentemente, mais efeitos colaterais”, explica Gabriela.

O melhor jeito de consumir carboidratos durante o tratamento é priorizar aqueles que vêm de alimentos frescos, como frutas, verduras, grãos e cereais. O que você deve cortar são os itens abarrotados de açúcar e pobres em nutrientes – caso dos salgadinhos, biscoitos recheados e outros produtos ultraprocessados. Esses não fazem bem para ninguém!

2. “Sua quimioterapia não vai funcionar se você comer carboidratos”
Segundo o documento apresentado pelo Inca, alguns estudos feitos com amostras celulares e animais apontam que a restrição de glicose pode reduzir o crescimento de tumores. O que não quer dizer que esses achados são verdadeiros – eles precisam ser validados em pesquisas feitas com pessoas. “Até o momento, não existem evidências científicas suficientes que confirmem que cortar carboidratos ajuda a ‘matar o tumor’ em humanos”, diz o texto da cartilha.

3. “Proteína animal deve ser cortada, porque alimenta o tumor”
Outra afirmação que não tem fundamento. As proteínas são essenciais para a formação de novas células, além de participarem do transporte de substâncias no sangue, da produção de hormônios e, claro, da construção dos músculos – que, como já vimos, são importantíssimos para quem busca se curar de um câncer.

O tratamento dessa doença propicia a perda muscular, o que pode não só piorar a reação aos remédios, mas também limitar outras atividades do dia a dia do paciente. Sem músculos saudáveis, podem surgir problemas para sentar, levantar, caminhar, por exemplo.

Para garantir o aporte necessário, vale pedir orientações a um nutricionista. As proteínas podem ser tanto vegetais quanto de origem animal. No primeiro caso, você as encontra nas leguminosas (feijão, grão-de-bico, lentilha, ervilha) e nas castanhas. Mas elas também estão nas carnes e em ovos, queijos, leite.

4. “Cogumelo-do-sol, noni, graviola, chá de graviola, chá-verde curam o câncer”
O documento do Inca é categórico: “não existem alimentos que, milagrosamente, curam o câncer”. O que existem são evidências de que uma alimentação balanceada, natural e diversificada garante uma boa saúde, prevenindo, entre outras coisas, o câncer. “Quanto mais colorida for a sua alimentação, mais fortalecidas estarão as defesas do seu corpo e menores serão as chances de prejuízos no seu estado nutricional durante o tratamento”, diz o texto.

Mas, ainda assim, há muitos outros fatores em jogo, como herança genética, estilo de vida e hábitos como o tabagismo. Levar uma vida saudável em todos os aspectos (não só à mesa) é a melhor maneira de evitar doenças sérias e de combatê-las, caso elas deem as caras.

Fonte: Super Interessante

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive