Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Boehringer Bayer Janssen MSD Takeda Astellas UICC Libbs Abbvie Ipsen Sanofi Daiichi Sankyo GSK Avon Nestlé Servier Viatris


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer: por que a comunicação entre médico e paciente é fundamental

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/09/2022 - Data de atualização: 29/09/2022


Um dos destaques do II Congresso Luso-Brasileiro de Psico-oncologia, realizado virtualmente nos dias 23 e 24, foi a comunicação entre médico e paciente. Coube ao oncologista Ricardo Caponero, do Hospital Oswaldo Cruz, dar a dimensão da sua relevância numa doença tão associada a más notícias. Em sua palestra, salientou como a formação médica é falha neste aspecto, a ponto de a Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco em inglês) ter lançado documento com as diretrizes para orientar os profissionais.

“A comunicação se dá desde o primeiro contato e é um processo contínuo, e não pontual. É preciso estabelecer uma semântica comum: avaliar o que o paciente sabe, perguntar o que ele quer saber, determinar o volume de informação para aquele momento. Falar não causa dano, o que causa é a forma”.

Ele recomendou a utilização da plataforma Vital Talks, que ensina como abordar questões relacionadas com doenças graves, como ferramenta para melhorar as habilidades dos profissionais. Na sua opinião, um dos problemas mais comuns é focar apenas a doença: “tenho que conhecer a biografia do paciente e respeitar sua autonomia”.

Caponero compartilhou dados de pesquisas para embasar sua apresentação. Uma delas descrevia como o momento do diagnóstico deflagra uma crise traumática e, embora a pessoa possa parecer tranquila, por dentro está vivendo um terremoto e às vezes nem sequer registra o que está sendo dito. “Três meses após o diagnóstico, 100% admitiram ter sofrido um choque profundo, 50% disseram ter recebido pouca ou nenhuma informação e 17% negaram que a conversa tivesse ocorrido”, relatou, acrescentando que cabe ao médico trabalhar para a redução do estresse do paciente: “ansiedade e depressão concorrem para um desfecho desfavorável”.

A psiquiatra Susana Almeida, professora da Faculdade de Medicina do Porto, afirmou que as várias fases da doença oncológica – pré-diagnóstico, diagnóstico, tratamento inicial, pós-tratamento, recorrências, doença progressiva, fase terminal – implicam tarefas e desafios diferentes que demandam a atenção do profissional de saúde:

“O sofrimento em geral melhora quando o doente entra numa fase ativa do tratamento e sente que recupera algum controle sobre a situação. A sociedade também tende a exigir que o paciente mantenha uma atitude positiva, expectativa que pode gerar culpa ou vergonha”.
Ela ressaltou que, quando o tratamento inicial termina, as pessoas se tornam hiper-vigilantes em relação a eventuais sinais de recidiva: “é importante normalizar essa ansiedade e entender que ela não é patológica. O indivíduo vinha lidando com uma ameaça concreta, é impossível fazer um ‘reset’ de uma hora para a outra”.

A advogada Luciana Dadalto, doutora em ciências da saúde pela Faculdade de Medicina da UFMG e uma referência em testamento vital, defendeu a criação de uma lei voltada para os direitos do paciente: “temos que nos basear nas leis existentes, como a Constituição e até o Código de Defesa do Consumidor”. Criticou o que chamou de “conspiração do silêncio" numa sociedade que se nega a falar sobre a finitude humana. “Quando surge a pergunta: ‘e se o tratamento curativo não der certo?’, a resposta normalmente é que essa conversa não é para agora. Na verdade, temos que desabilitar a ‘máquina’ que ‘apita’ quando uma pessoa entra num hospital e que a despe da sua identidade e autonomia”, enfatizou.

O evento foi organizado pela Sociedade Brasileira de Psico-Oncologia (SBPO) e Fabiana Caron, presidente da entidade, lamenta que o Conselho Federal de Psicologia não reconheça a especialidade da psico-oncologia: “assim como os médicos passam por uma residência para conseguir a especialização na área, o mesmo deveria ocorrer para os psicólogos. Sem uma formação adequada, é maior a dificuldade para tecer a rede de cuidados de que o paciente precisa”. Ela ainda alerta para a necessidade de que os psiquiatras tenham uma visão mais profunda da psico-oncologia, uma vez que protocolos como a quimioterapia interagem com psicotrópicos.

Fonte: G1/Bem Estar



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive