Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer: pesquisa indica que metástase pode estar relacionada à genética

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/05/2020 - Data de atualização: 29/05/2020


Pesquisadores da Universidade Rockefeller, nos Estados Unidos, conseguiram encontrar indícios de que a metástase – quando um câncer se dissemina para além do lugar onde se originou – pode estar relacionada à genética.

A pesquisa, publicada na revista Nature Medicine, na última segunda-feira (25/05), conseguiu mostrar que diferenças em um único gene podem alterar a progressão de um melanoma (câncer de pele), determinando se ele será mais ou menos grave.

De acordo com Sohail Tavazoie, um dos autores do trabalho, o estudo “pode transformar a maneira como os cientistas pensam sobre as metástases do câncer e levar a uma melhor compreensão dos riscos dos pacientes para informar as decisões de tratamento”.

Gene ApoE

Em estudos anteriores, a equipe de Tavazoie identificou um gene chamado ApoE. Presente no DNA de todas as células do corpo, o ApoE produz uma proteína que interfere em vários processos usados ​​pelas células cancerígenas para se proliferar, como a formação de vasos sanguíneos, o crescimento aprofundado em tecidos saudáveis ​​e a resistência a ataques de células imunes que combatem tumores.

Os seres humanos carregam três versões diferentes do ApoE – identificadas como ApoE2, ApoE3 e ApoE4. Após testes com camundongos, que possuem versões semelhantes dos mesmos genes, os cientistas verificaram que os animais com a versão ApoE4 apresentavam uma resposta imune mais eficaz às células tumorais.

Em seguida, os pesquisadores avaliaram 300 pacientes com melanomas. O resultado foi o mesmo encontrado para os roedores: as pessoas com o ApoE4 sobreviveram por mais tempo. A descoberta abre um vasto campo para outros estudos: agora é necessário verificar se isso acontece em outros tipos de câncer.

Fonte: Metrópoles

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive