Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer na pandemia: FEMAMA aponta os aprendizados de 2020 que devemos ampliar em 2021

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 21/12/2020 - Data de atualização: 21/12/2020


Que 2020 foi um ano desafiador para toda população mundial, não é novidade. Mas pacientes com câncer tiveram algumas razões a mais para se preocupar. O câncer é uma doença que não espera, pode ter uma evolução rápida e o diagnóstico precoce é a melhor forma de combate – oferecendo até 95% de chance de cura. Então, como agir quando a principal recomendação das autoridades mundiais de saúde foi para ficar em casa?

A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (FEMAMA) acompanhou de perto essa movimentação e compilou os principais desafios que esse ano tão difícil trouxe e pontos de atenção e cuidados que pacientes oncológicos devem ter em 2021.

Os duros ensinamentos de 2020

Logo no início de abril, pouco mais de um mês após o primeiro caso confirmado de covid-19 no Brasil, a Dra. Maira Caleffi, mastologista e presidente voluntária da FEMAMA, pontuou o impacto da pandemia no câncer: “Devemos procurar as melhores soluções locais, alinhadas às orientações do Ministério da Saúde, para garantir o atendimento aos casos urgentes e não deixar desassistidos os demais casos”, disse. Mas, já em maio, a entidade notou falta de compromisso do sistema de saúde com pacientes oncológicos e sua incapacidade de responder às demandas.

Sem direcionamentos claros, com trocas de ministros da saúde e uma gestão descoordenada, o que se viu foi o aumento de cancelamento de consultas e cirurgias agravando ainda mais a situação da oncologia no país. Em levantamento com sua rede de 70 ONGs associadas, a FEMAMA identificou que o cancelamento de consultas e cirurgias era a principal reclamação de quase 55% de pacientes. A principal dúvida, de mais de 74%, era justamente quando os tratamentos retornariam à normalidade.

Na época, Caleffi alertou: “Vamos ver um aumento significativo de casos de tumores palpáveis e tratamentos mais agressivos, com maior custo e morbidade. É uma necessidade urgente que se abram caminhos ‘livres de corona’ para que as pessoas encontrem ajuda e informações”. Os hospitais e unidades de saúde começaram a preparar, de fato, essas áreas.

Mas a preocupação das entidades e pacientes parecia não ser a mesma do Governo Federal. No fim de junho, já completávamos 45 dias sem um ministro da saúde, em plena pandemia – e que se estendeu para além de 120 dias – e a FEMAMA, junto a outras instituições, pediu publicamente atitudes do inerte órgão que é a autoridade máxima de saúde do país. A entidade também cobrou, formalmente, a falta de ação que já vinha ocorrendo desde 2019 com a Lei dos 30 Dias e a Lei de Notificação Compulsória do Câncer, tão importantes para pacientes oncológicos, mas que foi justificada, pelas autoridades, usando a pandemia. Não houve resposta satisfatória.

2020 nos mostrou quão deficitária está a atenção oncológica em todas as etapas da doença. Os pacientes não sabiam o que fazer ou a quem procurar para obter respostas sobre o câncer. Todo o sistema público se voltou para o coronavírus.

Cuidados com o câncer em 2021

Com o novo aumento de casos de covid-19, pode-se concluir que é uma situação que se arrastará por algum tempo, mesmo se a vacina começar a ser aplicada, já que somente alguns grupos serão preferenciais e nem toda população terá acesso.

As entidades do terceiro setor continuam exercendo seu papel de lutar pelos direitos de pacientes. Durante 2020, a FEMAMA intensificou seus canais de comunicação com os pacientes por meio de suas ONGs associadas e promoveu, além de seu fórum anual, diversas lives em seu canal, com temas que trataram de fatores de risco do câncer de mama a direitos de pacientes oncológicos. E são essas orientações que pautarão os cuidados que devemos manter e ampliar em 2021:

  • Manter as consultas com mastologista e oncologista: O diagnóstico precoce ainda é a melhor forma de lutar contra o câncer, já que para alguns tipos, como o câncer de mama, não há prevenção. Por isso, é importante o acompanhamento médico, seguindo também todos os novos protocolos sanitários;
  • Continuar o tratamento para o câncer: Quem já teve o diagnóstico, deve continuar com o tratamento, sempre tomando todos os cuidados, para que a doença não avance até um estágio em que haja menos possibilidade de cura ou que o tratamento seja mais agressivo.
  • Atualizar a caderneta de vacinação: Por ficarem mais vulneráveis a contrair infecções devido ao sistema imunológico mais frágil, é importante que pacientes oncológicos mantenham sua caderneta de vacinação atualizada. Para isso, com a prescrição médica, basta procurar os Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIEs) de cada estado. A FEMAMA responde, em seu site, dúvidas sobre vacinas para pacientes com câncer.
  • Fazer as 3 perguntas que salvam: A campanha de Outubro Rosa da FEMAMA em 2020, propôs que homens e jovens se juntassem às mulheres e fizessem três perguntas que podem salvar as mulheres de sua vida. Incentivar quem se ama a se cuidar é uma prática diária que não deve ficar restrita ao mês de outubro. As três perguntas são:
  1. Você tem observado suas mamas?
  2. Você já marcou seus exames anuais?
  3. Você conhece seus fatores de risco?

Assim como toda a população mundial, a FEMAMA espera que em 2021 todos possam fazer sua parte para que o ano seja mais leve, principalmente as autoridades de saúde brasileiras. E, com tudo que aconteceu, 2020 deixa algumas lições importantes para trilharmos esse caminho com menos obstáculos e mais conhecimento e solidariedade, especialmente para com pacientes oncológicos. O nosso normal mudou, mas o câncer, não.

Sobre a FEMAMA

A Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama é uma organização sem fins econômicos que trabalha para reduzir os índices de mortalidade por câncer de mama em todo o Brasil, lutando por mais acesso a diagnóstico e tratamento ágeis e adequados. Com foco em advocacy, a instituição busca influenciar a formação de políticas públicas para defender direitos de pacientes, ao lado de mais de 70 ONGs de apoio a pacientes associadas em todo o país. Conheça o trabalho da FEMAMA: femama.org.br

Fonte: Jornal Dia Dia

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive