Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer na adolescência gera múltiplos desafios

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 25/03/2019 - Data de atualização: 25/03/2019


Estatísticas indicam que casos entre adolescentes e adultos jovens são mais de duas vezes maior que entre as crianças. Crédito: Leo Malafaia/Esp. DP

Quando as aulas de tecido acrobático começaram, Yasmin Lino percebeu que sempre voltava para casa com o nariz entupido. Na manhã seguinte, costumava acordar com o nariz sangrando. Apesar do susto inicial, ela acabou deixando para lá durante um ano. Estava preocupada em ir para a escola, em dar continuidade à vida. Até que sentiu uma enxaqueca forte e precisou procurar um otorrino. A sequência de eventos posteriores mudou a vida da então adolescente de 14 anos para sempre. Yasmin descobriu que só tinha 10% da narina funcionando. Depois, teve diagnosticado um tumor e na sequência um câncer - o neuroblastoma olfatório, doença rara nesta fase da vida.

Em 2019, estima- -se que 12,5 mil crianças e adolescentes sejam diagnosticados com câncer no Brasil. O número de cânceres em adolescentes e adultos jovens, entre 15 e 30 anos, é duas vezes e meia maior do que entre pacientes de até 15 anos, segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). O Instituto Nacional do Câncer (Inca) aponta que a maior quantidade de casos será registrada no Sudeste e no Nordeste. Preocupa o fato de que as taxas de sobrevida - o tempo de vida após o diagnóstico - não vem melhorando de forma acentuada nas últimas décadas, como ocorre nos casos de adultos e crianças. 

A passagem da infância para a fase adulta é composta de limbos de informação, até mesmo sobre quando começa e termina. No meio, estão pessoas passando por mudanças hormonais e comportamentais, buscando a independência. Quando esses fatores se somam à descoberta do câncer, resvalam em peculiaridades na abordagem e tratamento, além da interrupção de sensações como a liberdade.

Yasmin estava em casa, estudando para uma prova, quando recebeu o resultado da biópsia confirmando o tumor. No dia seguinte, fez questão de ir à escola e só depois ao hospital para ser atendida. Ao chegar, foi internada na UTI. “Eu cheguei de farda. Disse ‘calma, tenho aula amanhã’. Era imatura. Não deixava nenhuma enfermeira se aproximar”, lembra. Yasmin nunca mais voltou para a escola. Começava ali uma jornada de luta.

Em uma reunião com os médicos, recebeu um protocolo de tratamento com limites para tudo. “Eu questionava os exames, ninguém me deixava comer o que eu queria”, lembra. O comportamento de Yasmin é comum a adolescentes na mesma situação. “O tratamento não é fácil, você perde parte da autonomia, vive com horários para comer, tomar banho, medicação. Ela foi pinçada de um mundo e inserida em outro”, explica a psicóloga do Real Hospital Português Arli Melo Pedrosa, responsável por ajudar a romper a resistência de Yasmin.

O câncer na adolescência é tratado pela oncopediatria, ou seja, o adolescente é forçado a se aproximar da imagem da qual costuma fazer questão de se afastar, a de criança. “Muito se diz que adolescente é difícil, na verdade difícil é a gente entender as necessidades dele. Devemos estar preparados para momentos de agressividade”, afirma a pediatra Mara Albonei Pianoski, do Departamento de Oncologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Às mudanças inerentes à idade, associa-se o impacto nos planos de vida provocados pelo tratamento do câncer e o distanciamento com os amigos, acrescenta o chefe do Real OncoPediatria, Francisco Pedrosa.

VOLUNTÁRIA 

Yasmin passou um mês e meio na UTI, mais 15 dias na enfermaria. Fez um ano de quimioterapia. Na primeira sessão, o cabelo começou a cair. Também fez radioterapia. Na primeira semana de tratamento, perdeu 4kg. Ao longo de todo o processo, vendo o que acontecia dentro do hospital, começou a se abrir para conversar com a equipe e a aceitar a situação. “Percebi que dependeria de mim enfrentar da pior ou melhor forma.” Yasmin usou as redes sociais para se expressar em forma de texto e percebeu como poderia ajudar outras pessoas na mesma situação. Houve momentos de passar o dia chorando e a noite tendo pesadelos.

Além dos textos, ganhar uma câmera fotográfica ajudou-a a passar pelos dias mais difíceis. Desde que terminou o tratamento, em outubro e 2017, ela assumiu o compromisso de voltar uma vez por mês ao hospital, como voluntária. A adolescente que um dia rejeitou esse ambiente agora não consegue mais viver sem ele. Recém-aprovada no vestibular de artes visuais, ela usa a fotografia para empoderar outros pacientes da ala infantojuvenil da oncologia. “O câncer não é a pior coisa. Para mim, foi o que de melhor aconteceu na minha vida. Amadureci, deixei de me sentir injustiçada e aprendi que tudo é uma fase. Aprendi a viver o dia exato e não morrer de véspera.”

Fonte: Diário do Pernambuco

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive