Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer: médicos e pacientes criticam veto ao PL dos remédios orais

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/07/2021 - Data de atualização: 28/07/2021


As associações de pacientes com câncer e os médicos oncologistas receberam com pesar e angústia a notícia de que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vetou integralmente o Projeto de Lei nº 6330/19, de autoria do senador Reguffe (Podemos-DF), que previa a diminuição das exigências para que os planos de saúde arcassem com os custos de tratamentos orais e domiciliares de pacientes com câncer.

Uma mobilização para que o Congresso Nacional derrube o veto presidencial também já foi iniciada. “A gente está mobilizando as pessoas para derrubar o veto. Oncologistas e associações estão mobilizados, e já estou ligando para os líderes parlamentares para pedir apoio. É um projeto que vai beneficiar milhares de pacientes com câncer”, afirmou Reguffe, ao Metrópoles.

Segundo a proposta original, os medicamentos registrados na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e na Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) deveriam ser fornecidos em até 48 horas após a prescrição médica. O projeto tornava igualmente obrigatória a cobertura, pelos planos privados de saúde, de procedimentos radioterápicos e de hemoterapia.

Como justificativa, o presidente argumentou que o projeto “contraria o interesse público por deixar de levar em consideração aspectos como a previsibilidade, a transparência e a segurança jurídica” dos planos de saúde, o que poderia abalar a sustentabilidade do mercado por, supostamente, privilegiar pacientes com câncer que necessitam desses tratamentos.

Reações
O veto presidencial chocou a oncologista da Rede D’Or Brasília, Janyara Teixeira. Ela explica que o problema principal é o custo de alguns medicamentos, sobretudo aqueles que não estão no rol da ANS. “O paciente fica condenado a não fazer um tratamento adequado para a doença, porque o que temos de mais moderno na oncologia são as drogas de uso oral e as imunoterapias venosas”, critica a médica.

Segundo ela, para muitos pacientes é inviável arcar com os elevados preços de alguns medicamentos. Para se ter uma ideia, uma droga bastante utilizada para combater os tumores é a capecitabina, que pode ter um custo de aproximadamente R$ 4 mil a cada 21 dias. Segundo a oncologista, esse é um dos remédios mais baratos.

“A gente recebe essa decisão com muita tristeza e preocupação. As pesquisas clínicas estão avançando e os tratamentos são geralmente por drogas orais, abdicar deles é um retrocesso que não podemos aceitar”, enfatiza Janyara.

Associações
Para Luciana Holtz, psico-oncologista e fundadora da Oncoguia, o projeto de lei em questão buscava minimizar as desigualdades no acesso a tratamentos recomendados contra o câncer. “Havia muita esperança de que, com a aprovação do PL, conseguíssemos acesso mais ágil às novas tecnologias de tratamento. Precisamos agora, mais do que nunca, de união para trabalhar contra esse veto no Congresso Nacional”, destaca a fundadora da organização não governamental que auxilia pacientes com câncer.

A Associação de Apoio a Pessoas com Câncer (AAPECAN), organização da sociedade civil baseada no Rio Grande do Sul, também criticou a decisão do governo federal. “Nosso papel é apoiar usuários que não têm condições físicas, emocionais ou financeiras de ter um tratamento digno. É lamentável o veto, porque dependemos de políticas públicas para melhorar o atendimento à saúde. Vamos continuar ocupando espaços de luta para melhorar o acesso ao tratamento oncológico”, afirma a nota enviada ao Metrópoles.

Matéria publicada pelo Metrópoles em 28/07/2021.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive