Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de pulmão: quais as causas e como é o tratamento

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/08/2021 - Data de atualização: 10/08/2021


De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), os tumores pulmonares seguem no topo do ranking das doenças oncológicas que mais matam todos os anos. O Instituto Nacional do Câncer (INCA), registrou no Brasil mais de 30 mil diagnósticos da doença neste ano.

Segundo a Dra. Mariana Laloni, oncologista do CPO Oncoclínicas, a maioria dos pacientes com câncer de pulmão apresenta sintomas relacionados ao próprio aparelho respiratório. "Os sinais de alerta são tosse, falta de ar e dor no peito.  

Em outros casos, a pessoa pode perder pesos e sentir fraqueza. Cerca de 15%, o tumor é diagnosticado por acaso, quando o paciente realiza exames por outros motivos. Por isso, a atenção aos primeiros sintomas é essencial para que seja realizado o diagnóstico precoce da doença, o que contribui amplamente para o sucesso do tratamento", diz.

A médica comenta ainda que existem dois tipos principais de câncer de pulmão: carcinoma de pequenas células e de não pequenas células. "O carcinoma de não pequenas células corresponde a 80 a 85% dos casos e se subdivide em carcinoma epidermóide, adenocarcinoma e carcinoma de grandes células. O tipo mais comum no Brasil e no mundo é o adenocarcinoma e atinge 40% dos doentes", destaca.

Imunoterapia no combate ao câncer de pulmão e cerebral  

A ciência tem transformado a maneira de tratar diferentes tipos de câncer. E, no caso das neoplasias de pulmão, as alternativas terapêuticas avançam a passos largos, permitindo ao paciente um arsenal poderoso de condutas que podem ser indicadas para o enfrentamento da doença.

Diante deste cenário, estratégias que combinam modalidades de tratamento sistêmico (baseados na adoção de medicações via oral ou intravenosa, como a quimioterapia) e local (radioterapia) podem ser adotadas no início do tratamento para reduzir o tumor antes de uma cirurgia para retirada da parte do pulmão acometido, ou mesmo como tratamento definitivo quando a cirurgia está contraindicada.

A radioterapia isolada também é utilizada algumas vezes para diminuir sintomas como sangramento e dor.  "A indicação do tratamento depende principalmente do estadiamento, subtipo, tamanho e localização do tumor, além do estado geral e comorbidades do paciente", diz Mariana Laloni. 

Para a especialista, é válido destacar o papel que a imunoterapia exerce no panorama de enfrentamento do câncer de pulmão. Baseado no princípio de que o organismo reconhece o tumor como um corpo estranho desde a sua origem, e de que com o passar do tempo este tumor passa a se "disfarçar" para não ser reconhecido pelo sistema imunológico e então crescer.

"Embora o sistema imune esteja apto a prevenir ou desacelerar o crescimento do câncer, as células cancerígenas sempre dão um jeitinho de driblá-lo e, assim, evitar que sejam destruídas.

O objetivo da imunoterapia é ajudar os 'soldados' de defesa do organismo a agir com mais recursos contra o câncer, produzindo uma espécie de super estímulo para que o corpo produza mais células imunes e assim a identificação das células cancerígenas seja facilitada (devolvendo ao corpo a capacidade  de combater a doença de maneira efetiva)", explica a especialista.

Não é à toa que medicações imunoterápicas vêm conquistando protagonismo no tratamento de tumores de pulmão e de outros tipos de câncer. A abordagem terapêutica tem trazido resultados importantes também para cânceres de bexiga, melanoma, estômago e rim.

A imunoterapia também pode ser utilizada no tratamento contra o câncer cerebral por se tratar de grande desafio para a medicina, uma vez que as chances de cura desse tipo de tumor dependem de fatores, como seu crescimento livre, acometimento de áreas potencialmente nobres do cérebro, disseminação de modo que dificulta a cirurgia e a forma que utiliza o organismo a seu favor, aproveitando-se, inclusive, do sistema imune, do metabolismo e dos nutrientes.

Com o avanço das tecnologias e pesquisas na área, novas terapias para o tratamento de tumores cerebrais vêm surgindo. E a imunoterapia, que está sendo muito utilizada em todo o mundo para o tratamento de uma série de tipos de cânceres, tem sido apontada como uma aposta promissora no combate aos tumores cerebrais.

"A imunoterapia é uma modalidade inovadora de combate ao câncer, já que, ao contrário da quimioterapia e das terapias alvo moleculares não ataca diretamente as células cancerígenas, mas sim confere meios para que o sistema imune reconheça o tumor como um corpo estranho e volte a atacá-lo", explica o Dr. Gabriel Novaes de Rezende Batistella, médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA).

"Engana-se quem acredita que a imunoterapia necessariamente substitui os tratamentos tradicionais. "Essa possibilidade de substituição existe, principalmente em pacientes que apresentam uma grande quantidade de tumores espalhados pelo corpo para diminuir a carga tumoral e assim possibilitar a realização de cirurgias ou radioterapia, que, caso contrário, não poderiam ser empregadas".

Mas, na maior parte dos casos, as imunoterapias são utilizadas em momentos mais tardios, quando o paciente já passou por uma série de tratamentos, apesar de já ser utilizada como um tratamento de linha de frente para alguns tipos de câncer, como o melanoma, considerado o câncer de pele mais grave que, inclusive, tem mais chance de se espalhar para o cérebro do que a maioria", afirma o Dr. Gabriel.

" A imunoterapia não é recomendada para qualquer paciente. "Alguns fatores devem ser levados em consideração antes da recomendação da imunoterapia, incluindo mutações que favorecem o tratamento, o que pode ser investigado através de exames solicitados pelo neuro-oncologista ou oncologista, conhecimento prévio de que a imunoterapia funciona no tumor em questão e gravidade da doença".

Vale ressaltar que, apesar de já ser amplamente difundida e utilizada, inclusive no Brasil, para o tratamento de uma série de cânceres, a imunoterapia, no caso dos tumores cerebrais, ainda é apenas uma possibilidade promissora. "

A imunoterapia possui indicações 'agnósticas', isto é, é indicada independentemente do tipo ou local do tumor desde que possua aspectos genéticos específicos e o cérebro está incluso nesse grupo, comenta o Dr. Gabriel Novaes de Rezende Batistella.

Tabagismo ainda é a principal causa de câncer no pulmão 

O tabagismo continua sendo o maior responsável pelo câncer de pulmão no Brasil e no mundo. Aliás, não apenas deste tipo de tumor: segundo o INCA, 156 mil mortes poderiam ser evitadas anualmente se o tabaco fosse evitado, sendo que cerca de ⅓ destes óbitos são decorrentes de algum tipo de câncer decorrente do hábito de fumar. 

E apesar do Brasil ter sido reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um exemplo no combate ao cigarro - o país tem um dos menores índices de fumantes do mundo, cerca de 10% da população acima de 18 anos, segundo o próprio INCA, os desafios não param de chegar. Um deles, é a chegada dos cigarros eletrônicos e outros dispositivos de vape, que têm conquistado principalmente os jovens.

"Nós vemos novas formas de tabagismo chegando, como o cigarro eletrônico, por exemplo, que tem atraído principalmente os adolescentes, pelo formato, pela novidade e pela falta de informação também sobre o impacto nocivo deles. Então, estamos vendo uma geração que tinha largado o cigarro, voltar para versões digamos, mais modernas, do mesmo mal", alerta Mariana Laloni.

Parar de fumar, alerta a especialista, é a forma mais eficaz de se prevenir contra o câncer de pulmão e diversos outros tumores, além de doenças cardíacas, doença pulmonar obstrutiva crônica, pneumonia, AVC (acidente vascular cerebral) e complicações severas decorrentes da contaminação pela Covid-19.

Fontes: Dra. Mariana Laloni, oncologista do CPO Oncoclínicas e Dr. Gabriel Novaes de Rezende Batistella, médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA).

Fonte: Terra



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive