Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de pulmão: Brasil é pioneiro em aprovar nova indicação de terapia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 23/04/2018 - Data de atualização: 23/04/2018


Em decisão pioneira, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta semana a indicação do osimernitibe para primeira linha de tratamento contra câncer de pulmão. O medicamento, conhecido pelo nome comercial Tagrisso, já estava aprovado e disponível no país desde 2017 como segunda linha de tratamento, ou seja, em pacientes que não respondiam bem ao medicamento inicial. Com a nova determinação, ele poderá ser usado como a primeira terapia utilizada no combate ao câncer de pulmão de não-pequenas células, localmente avançado.

A Anvisa é a primeira agência no mundo a aprovar esta indicação. Para Carlos Gil, oncologista clínico e especialista em câncer de pulmão, isso demonstra o amadurecimento da agência que, percebendo os resultados positivos nos estudos realizados com o Tagrisso para tratamentos de primeira linha, resolveu legitimar seu uso nessa categoria.

"A surpresa foi o Brasil ter sido o pioneiro nessa indicação, já que, na última década, os pacientes têm passado um problema grave pela demora na aprovação de novos terapias para o tratamento de câncer no país”, diz Gil. O tratamento já é utilizado em outros países, como Estados Unidos, que devem indicá-lo para a primeira linha na semana que vem, e países da Europa, que devem definir a nova indicação nos próximos meses.  

Câncer de pulmão

O câncer de pulmão é a forma mais comum de câncer, sendo a principal causa de mortes entre homens e a segunda entre mulheres, totalizando cerca de 1,59 milhões de morte por ano no mundo. Ele é dividido em duas categorias, de acordo com o tipo de tumor: não-pequenas células (NSCLC, na sigla em inglês) e pequenas células (SCLC, na sigla em inglês). 

  • Não-pequenas células: Representa 80 a 85% de todos os casos de câncer de pulmão e se origina nas células maiores no pulmão, como células epiteliais, que alinham as vias aéreas do pulmão ou células produtoras de muco. 

  • Pequenas células: Os tumores são menos comuns e são originários de pequenas células que liberam hormônio. O SCLC geralmente cresce mais rápido e se espalha mais rapidamente para outras partes do corpo. Essa categoria de câncer de pulmão está diretamente associada ao fumo. 

Mecanismo de ação do medicamento

O osimernitibe é classificado como uma terapia-alvo. Ou seja, específico para uma célula maligna. Entretanto, medicamentos dessa classe tendem a parar de fazer efeito quando o tumor sofre uma nova mutação. No entanto, o Tagrisso é o primeiro de uma nova geração de terapia-alvo voltado para a inibição específica da mutação secundária decorrente da primeira etapa da terapia.

"Por ser tão específico, essa droga tem efetividade muito alta e perfil muito baixo de efeitos colaterais, porque a direção é específica para a mutação. Os pacientes que tratamos tem tolerância muito alta ao Tagrisso”, explica Gil. Entre os efeitos colaterais estão: alteração cutânea e diarreia.

O medicamento, que é de uso oral, é recomendado apenas para pacientes com câncer de pulmão de não-pequenas células, localmente avançado, ou seja, em estágio IV, quando o câncer já se espalhou para fora do pulmão (possivelmente para o outro pulmão, corrente sanguínea ou o fluido que envolve coração ou pulmão). Segundo o oncologista, 80% dos pacientes em tratamentos de primeira linha (com mutação) vão usufruir dos benefícios do Tagrisso, como redução ou estabilização do tumor. Nas quimioterapias tradicionais, a taxa é de 30% a 35%.

Aprovação inédita contra mieloma múltiplo

Em outra decisão inédita, recentemente a Anvisa aprovou um novo tratamento para o mieloma múltiplo, câncer formado por células plasmáticas (do sangue) malignas. O daratumumabe é um imuno-oncológico da Janssen, indicado para o tratamento de primeira linha em pacientes que não podem ser submetidos ao transplante autólogo (técnica que usa as células tronco do próprio paciente para tratá-lo). 

Com a aprovação, o Brasil se tornou o primeiro país do mundo a oferecer um tratamento capaz de reduzir em 50% o risco de progressão e morte por causa da doença.

De acordo com o Instituto Oncoguia, a incidência do mieloma múltiplo no Brasil ainda é desconhecida, principalmente porque não faz parte das estimativas anuais do Instituto Nacional de Câncer (INCA). No entanto, especialistas estimam que a a doença atinja quatro a cada 100.000 brasileiros, representando cerca de 7.600 novos casos por ano.

Segundo Breno Moreno, hematologista da Beneficência Portuguesa de São Paulo, quase 30% dos pacientes com mieloma múltiplo não elegíveis para o transplante poderiam ser beneficiados pelo novo tratamento.

Fonte: Veja

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive