Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de pele: melanoma constitui 4,5% dos casos, mas causa 43% das mortes

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 17/12/2020 - Data de atualização: 17/12/2020


Vem chegando o verão e as altas temperaturas interferem diretamente na saúde da pele. De acordo com o Inca (Instituto Nacional do Câncer), o Brasil deverá apresentar 183.390 novos casos em 2020. Desse total, 176.940 correspondem aos cânceres de pele menos agressivos —o basocelular e o espinocelular— e 8.450 ao mais agressivo, o melanoma.

O câncer de pele basocelular e espinocelular, indica o Inca, corresponde a 2.329 casos anuais de mortes e o melanoma chega a 1.791. Assim, os números mostram que, embora o melanoma represente apenas 4,5% dos casos de câncer de pele, quase metade (43%) das mortes por tumores cutâneos é por conta desse tipo de câncer.

Prevenção ao câncer de pele em tempos de covid-19
A conscientização sobre o câncer de pele em 2020 também deve levar em consideração o cenário da covid-19.

"É claramente perceptível em nossa rotina a queda no volume de exames enviados aos laboratórios o que reflete menor número de pacientes diagnosticados com melanoma, por exemplo. Neste período de pandemia, poucos casos foram diagnosticados. Por conta do medo de contrair a covid-19, as pessoas não estão fazendo o exame clínico da pele", afirma Gilles Landman, patologista da SBP (Sociedade Brasileira de Patologia), livre-docente e professor adjunto do Departamento de Patologia da Escola Paulista de Medicina da Unifesp e sócio do GBM (Grupo Brasileira de Melanoma).

O impacto disso é o diagnóstico de lesões em fase tardia e até o adiamento de tratamentos que estavam em andamento. De acordo com o especialista, "um melanoma com espessura de 4 mm por exemplo, costuma ter um comportamento agressivo, com mortalidade se aproximando a 50% dos pacientes em 5 anos".

O diagnóstico mais tardio ou a interrupção do tratamento por seis meses pode complicar o tratamento. Por isso, alerta o especialista, mesmo no período da pandemia, lesões que aparecem na pele devem ter avaliação médica para excluir a possibilidade de câncer ou diagnosticar e tratar em fase inicial, quando as chances de cura superam 90%.

Quais são os tipos de câncer de pele?

Os principais tipos de câncer são melanoma, carcinoma basocelular e carcinoma espinocelular. O melanoma é o menos comum em termos de incidência e o mais grave pelo seu potencial para se espalhar para outros órgãos do corpo (metástase), especialmente, para o fígado.

Os carcinomas basocelular e espinocelular, apesar de menor potencial para metástase, também merecem atenção. Além disso, o dano de um câncer de pele também está ligado à região em que se encontra e ao tamanho da lesão. Quanto maior o tumor, maior será a ressecção, o que poderá causar dano estético e até funcional, dependendo do local.

A importância do diagnóstico precoce

Diagnosticar precocemente um câncer de pele permite estabelecer o prognóstico e o tratamento a ser realizado. Para isso, a biópsia é do tipo excisional em que o cirurgião ou dermatologista retira a lesão inteira para enviar para análise do patologista.

É desaconselhável a retirada de pequenas verrugas ou lesões com métodos caseiros. E as lesões na pele devem ser examinadas pelo dermatologista e enviadas para análise.

A regra do ABCDE

A regra do ABCDE é um método simples para ajudar a memorizar as características de uma pinta, sinal ou mancha suspeita de câncer de pele, especialmente o melanoma.

A - Assimetria: uma metade do sinal é diferente da outra.

B - Bordas irregulares: contorno mal definido.

C - Cor variável: presença de várias cores em uma mesma lesão (preta, castanha, branca, avermelhada ou azul).

D - Diâmetro: maior que 5 milímetros.

E - Evolução: mudanças de tamanho, forma ou cor.

Vale destacar que mesmo apresentando todas essas alterações, a lesão pode não ser um câncer de pele. No entanto, o dermatologista decidirá se deve retirar a lesão e enviar para análise do patologista, exame que poderá confirmar ou excluir o diagnóstico.

Fonte: Viva Bem.

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive