Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de pele: médicos alertam para queda de 48% em exames de diagnóstico

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 02/12/2020 - Data de atualização: 02/12/2020


De acordo com um levantamento divulgado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD), nesta terça-feira (1°/12), a quantidade de exames para detectar câncer de pele caiu 48% em 2020 em relação ao ano anterior. Enquanto entre janeiro e setembro de 2019, foram feitos 210.032 testes, neste ano, foram realizados 109.525 exames no mesmo período. A queda é especialmente maior entre mulheres e pessoas entre 10 e 54 anos.

O número de exames também teve baixa principalmente nas regiões Sudeste (54%) e Nordeste (45%). A SBD avalia que o medo de contaminação pelo coronavírus afastaram a população dos hospitais e consultórios médicos, principalmente, após as recomendações de isolamento social.

Segundo Jade Cury, coordenadora do departamento de oncologia cutânea da SBD, o problema no atraso, além de possibilitar uma piora no quadro do paciente e dificultar o tratamento, é que a demanda reprimida precisará ser absorvida no próximo ano.

“Com a pandemia, as cirurgias essenciais foram suspensas e será preciso encaixá-las em 2021. Porém, a demanda já é muito grande e é difícil de ser atendida normalmente. O aumento vai precisar de medidas para acomodar os pacientes”, explica.

Com a alta demanda, uma das preocupações dos profissionais será adequar a lei dos 60 dias – que estabelece o direito do paciente de começar o tratamento de câncer em até 60 dias depois do diagnóstico – à realidade de um sistema de saúde que será fortemente exigido.

Além de necessidade de espaço físico nos centros cirúrgicos para os procedimentos, deve ser preciso reforçar a rede de profissionais de saúde. “Não é só a dermatologia que está com casos atrasados, vamos ter que buscar maneiras para contornar a situação. Esta pandemia é algo sem precedentes”, afirma a médica.

O cenário também preocupa o Ministério da Saúde, que encara a necessidade de lidar com os casos represados de 2020 em 2021 como a verdadeira segunda onda da pandemia.

Câncer de pele

Considerado um dos cânceres mais comuns no Brasil e no mundo, o câncer de pele é uma ameaça que se torna ainda mais real com a aproximação do verão. Segundo Rogério Izar Neves, cirurgião oncológico especialista em oncologia cutânea e professor de cirurgia, dermatologia e farmacologia na Pennsylvania State University, a doença tem possibilidade alta de cura, desde que identificada no início.

Classificada como melanoma (quando tem origem nos melanócitos, células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele) ou não melanoma (carcinomas), a doença costuma acometer mais pessoas brancas, ruivas e de olhos claros. Em pessoas negras, é mais comum o câncer relacionado à produção de melanina e os sinais aparecem em áreas incomuns, como a sola do pé, palma da mão, debaixo das unhas ou na área branca dos olhos.

Responsável por cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no Brasil, o câncer de pele melanoma mata mais que o tipo carcinoma.

Neves explica que detectar a doença precocemente é crucial para um tratamento de sucesso. Quanto mais se retarda o cuidado, maior a chance de complicações durante a cirurgia (no caso de carcinomas) e de metástase (mais comum em melanomas).

Segundo o médico, é importante prestar atenção em áreas da pele que ficam expostas e mudaram de cor ou forma, formaram crosta, coçam ou doem, feridas que não cicatrizam naturalmente ou sangram.

“O tratamento ideal é o cirúrgico: você opera e tira o tumor, e essa ação traz cerca de 100% de chance de cura. Outras opções não tão eficazes para alguns tumores são radioterapia ou métodos de destruição com nitrogênio líquido”, ensina.

Neste dezembro laranja, mês que chama a atenção para o câncer de pele, Jade Cury afirma que o conselho da SBD é que pacientes com lesões suspeitas voltem a procurar os dermatologistas. “Os atendimentos voltaram a acontecer com medidas de segurança na rede pública e privada. As cirurgias já estão sendo marcadas. O futuro é incerto, mas esperamos que os procedimentos não sejam suspensos novamente”, explica.

Fonte: Metrópoles

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive