Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de pâncreas: conheça os principais sintomas e fatores de risco

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 05/08/2022 - Data de atualização: 05/08/2022


O câncer de pâncreas é uma condição considerada relativamente rara, representando cerca de 2% dos casos de todos os tipos da doença diagnosticados no Brasil. Ele costuma ser agressivo e evoluir rapidamente, se espalhando para outros órgãos. O diagnóstico tardio faz com que a mortalidade desse tipo de câncer seja alta.

“Os sintomas iniciais costumam ser inespecíficos: às vezes é um desconforto na região superior do abdômen, ou um cansaço que pode ser confundido com doenças como a anemia“, explica o oncologista Daniel Girardi, do Hospital Sírio-Libanês de Brasília. “À medida que o câncer avança, os sintomas costumam ficar mais intensos e pode ser notado emagrecimento e icterícia (condição que deixa a pele amarela), devido a alterações que atingem o fígado”, acrescenta.

Por isso, é importante ficar atento a qualquer manifestação persistente de um ou mais dos seguintes sinais:

  • Desconfortos abdominais;
  • Cansaço excessivo;
  • Pele e olhos amarelados (icterícia);
  • Emagrecimento;
  • Náuseas;
  • Dores nas costas;
  • Urina escura.

A oncologista Alessandra Leite, do hospital Santa Lúcia, explica que a coloração amarelada da pele e dos olhos e a urina escura na tonalidade do chá preto são os sintomas mais presentes.

“A maioria dos tumores pancreáticos estão localizados em uma região que chamamos de cabeça do pâncreas, mais próxima do fígado e das vias biliares. Quando o tumor começa a crescer, ele comprime as vesículas, que é onde a bile é drenada. Como a secreção do fígado não consegue entrar na via intestinal, ela acaba voltando e fica impregnada na corrente sanguínea, causando icterícia e urina escura”, esclarece Alessandra.

Fatores de risco
De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), a maioria dos casos documentados acontece por predisposição genética, apresentada quando o paciente tem outros problemas de saúde ligados ao câncer de pâncreas, como a síndrome de Peutz-Jeghers e a síndrome de pancreatite hereditária, ou foi diagnosticado com câncer de mama ou de ovário hereditários.

Outros fatores que podem contribuir para o aumento da chance de ter a doença são hábitos de vida como tabagismo e obesidade, ou doenças como diabetes e pancreatite crônica. Além disso, o câncer costuma ter maior incidência em pessoas acima de 40 anos.

Diagnóstico e tratamento
O oncologista Daniel Girardi ressalta que, em 80% dos casos de câncer no pâncreas, o diagnóstico só é dado quando o tumor já é inoperável e está em metástase, ou seja, se espalhando para outros órgãos.

Em casos onde o tratamento é possível, as intervenções recomendadas são a cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia.

Fonte: Metrópoles



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive