Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de ovário: doença de Eva Wilma é silenciosa; veja como descobrir

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/05/2021 - Data de atualização: 10/05/2021


A atriz Eva Wilma, 87 anos, foi diagnosticada com câncer no ovário. Ela já estava internada desde o dia 15 de abril para cuidar de problemas cardíacos e renais e iniciou o tratamento oncológico esta semana. "A paciente aguarda resposta clínica na Unidade de Terapia Intensiva", diz o boletim do Hospital Israelita Albert Einstein, assinado por quatro meses.

Segundo tipo de tumor ginecológico mais comum no Brasil, atrás apenas do câncer de colo do útero, a doença de Eva Wilma costuma ser silenciosa e não apresentar sintomas. Por isso, de acordo com o Inca (Instituto Nacional de Câncer), em 75% dos casos o diagnóstico ocorre quando o problema já está em estágio avançado e se espalhou para outras áreas do corpo.

Leonardo Lordello, médico patologista da SBP (Sociedade Brasileira de Patologia), explica que a alta taxa de detecção tardia impacta no resultado do tratamento. Menos da metade das pacientes (48,6%) vivem por mais de cinco após descobrirem o tumor. "Quando a doença é identificada ainda restrita ao ovário, a chance de viver por mais de cinco anos sobe para 92,6%."

Como descobrir?

Um dos complicadores para o diagnóstico precoce do câncer de ovário é que, diferentemente de outros tumores, ele não tem um método de rastreamento eficaz, como o papanicolau para o câncer de colo de útero; a mamografia para o câncer de mama; e a colonoscopia para o câncer colorretal (de intestino).

"Para iniciar o diagnóstico do câncer de ovário, é necessário fazer um exame de imagem (ultrassom transvaginal e/ou ressonância magnética), que vai indicar para o médico a necessidade ou não de biópsia. Ela é que realmente vai comprovar se o tumor é maligno ou benigno. Caso a biopsia tenha o resultado positivo para carcinoma, o tratamento deve ser iniciado o quando antes", explica Fernando Maluf, oncologista do Hospital Beneficência Portuguesa, presidente do Grupo Brasileiro de Tumores Ginecológicos e fundador do Instituto Vencer o Câncer.

Apesar de a doença não ter sinais específicos de alerta, é muito importante ficar atenta a alterações como inchaço abdominal, dificuldade para se alimentar, dor na região pélvica e/ou da barriga, sangramento vaginal anormal (principalmente pós-menopausa), mudança na frequência de ir ao banheiro, fadiga extrema e perda de peso.

"Mesmo que esses sintomas também estejam associados a muitas outras doenças ginecológicas, eles podem abrir o caminho para a realização de exames e a identificação do tumor no ovário", diz Lordello.

Maluf explica que o tratamento da doença geralmente inclui cirurgia e quimioterapia. "Há outras opções chegando ao mercado, como a terapia oral, que está trazendo novas perspectivas para as pacientes com a doença."

Fatores de risco

De acordo com Lordello, cerca de 80% dos tumores malignos de ovário surgem por influência direta dos hormônios —algo similar ao câncer de mama. Os outros 20% estão associados a mutações de origem genética.

Entre os principais fatores de risco da doença estão questões que fazem a mulher ter um maior número de ciclos menstruais ao longo da vida, como nunca ter filhos, ter a primeira menstruação precocemente e menopausa tardia, além de obesidade, tabagismo, sedentarismo e má alimentação.

O câncer de ovário é mais prevalente a partir dos 60 anos, quando a mulher não se encontra mais em fase reprodutiva. No entanto, a doença pode ser diagnosticada também por mulheres mais jovens, principalmente nos casos de hereditariedade.

"As mulheres mais jovens, em fase reprodutiva, que têm uma predisposição hereditária para desenvolver a condição, podem optar por acompanhamento clínico mais precoce e frequente", orienta o presidente da SBP.

Fonte: Viva Bem

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive