Espaço do

Paciente

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[CÂNCER DE MAMA] Nadja Nobre Coelho Rodrigues

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/04/2015 - Data de atualização: 29/04/2015


Nadja Nobre Coelho Rodrigues, diagnosticada com câncer de mama, nos enviou este depoimento a fim de dividir sua experiência e, quem sabe, ajudar outras pessoas que estejam passando pela mesma experiência.

Leia abaixo a história de Nadja Nobre Coelho Rodrigues. Nadja Rodrigues

Meu nome é Nadja Nobre Coelho Rodrigues, moro em Niterói – RJ, mas nasci e fui criada na capital, Rio. Sou professora estadual aposentada, divorciada e moro sozinha.

Descobri meu câncer de mama em exames rotineiros no ginecologista (mamografia, ultrassonografia, ressonância magnética). A princípio, fiquei atônita (como acredito que a maioria fica), senti uma tristeza muito grande, principalmente pelo fato de ser só. Essa foi a minha maior preocupação. Não ter quem cuidasse de mim e ter pouca condição financeira.

Não senti em nenhum momento que iria morrer, apenas fiquei preocupada em passar mal e sofrer. Fui infeliz no meu percurso inicial com a 1ª médica que me atendeu. Ela foi peremptória em afirmar que eu teria que fazer mastectomia e colocar prótese. Achei um pouco agressivo e fui procurar outros médicos. Todos falaram que NÃO! Bastaria uma quadrantectomia. Fiquei indignada porque essa médica é altamente conceituada aqui em Niterói e, se fosse por ela, teria perdido o meu seio. Então, alerta: vá a vários médicos, ouça várias opiniões até se sentir segura e confiante. E procure ler o máximo que puder sobre a doença.

Fiz a operação e na hora o resultado do exame patológico hospitalar do linfonodo sentinela deu negativo (ou seja, não iria precisar fazer quimio). Semanas após, o resultado da lâmina veio positivo, jogando por terra minhas pretensões de só fazer radioterapia;

Apesar de já ter sido operada, fui consultar um outro cirurgião no Rio para entender melhor. Ele pediu que eu refizesse os exames da lâmina em outro laboratório e o resultado veio bem mais detalhado, inclusive com o tamanho da metástase no linfonodo sentinela.

Resolvi começar o processo de quimio (após ter passado por 6 médicos) e, atualmente, o meu oncologista clínico é o médico que me atendeu logo após o diagnóstico da tal médica inicial.

A quimio me deixa enjoada, fraca e não consegui fazer de 3 em 3 semanas porque as plaquetas não subiam. Passamos a fazer uma vez ao mês. A última (da série das vermelhinhas) foi agora em 24 de setembro e em outubro iniciarei a 2ª fase, as branquinhas que serão semanais até a 1ª semana de janeiro. Depois a radio, a hormonoterapia (5 anos) e a reconstrução do seio.

Não tive aconselhamento psicológico. Fui a um médico integralista que me prescreveu algumas vitaminas e substâncias próprias para reforçar o meu organismo como um todo e me preparar para a quimio. Até hoje tomo seus remédios que irão até dezembro.

Na alimentação procurei cortar aquilo que a gente sabe que faz mal para saúde, como refrigerantes, açúcar, fritura, produtos industrializados (inclusive parei de fumar). Porém, o que mais gostaria de destacar é o seguinte: SENTI UMA GRANDE REJEIÇÃO POR GRANDE Nº DE PESSOAS!  

As impressões são as seguintes:

1) Parece que o câncer é uma doença contagiosa;
2) Parece que as pessoas tem medo de se envolverem;
3) Muitos amigos se afastam (não sei até aonde creditar a dificuldade de lidar com o problema, ou, simplesmente, terem medo de ter trabalho extra);
4) Como me senti (e me sinto triste) em perceber que até vizinhas próximas nunca se ofereceram para fazer uma sopa para mim, e/ou até passarem semanas sem ao menos ligar ou bater à porta para saber se preciso de alguma coisa.

Isso foi o que me doeu mais: a indiferença de algumas pessoas e amigos.

Mas, entendo e procuro ir levando numa boa, até porque tive exemplos (retornos) contrários de pessoas desconhecidas que foram extremamente gentis.

Conheci o Oncoguia pela internet, pesquisando e admiro MUITO o trabalho de vocês.

Quanto aos políticos, estou totalmente descrente deles. Neste país, não há interesse na saúde e educação. O recado mais direto que eu poderia dar a um político envolvido com essa questão do câncer seria:

Faça o melhor que puder, como se alguém de sua família (filha,esposa, mãe, etc.) tivesse essa doença e não tivesse recursos para lidar com ela. É preciso maior atenção, centros especializados, profissionais gabaritados, remédios gratuitos e suporte psicológico. Agilizem os processos que nos beneficiam, tal como isenção do IR.

Muito obrigado pela oportunidade de me expressar!


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive