Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de mama em fase inicial pode dispensar quimioterapia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 08/06/2018 - Data de atualização: 08/06/2018



Novo estudo acompanhou mais de 10 mil mulheres durante nove anos (Christian Parente/SAÚDE é Vital)

Estudo publicado no New England Journal of Medicine e apresentado nesta semana na sessão mais importante do encontro anual da Sociedade Americana de Oncologia, em Chicago, revelou que a maior parte das pacientes consideradas de baixo risco para recidiva do câncer de mama (ou seja, a volta do tumor) pode evitar a quimioterapia. Segundo o trabalho, mais de dois terços dessas mulheres deveriam realizar apenas o tratamento hormonal. 

A pesquisa, chamada de TailorX, acompanhou mais de 10 mil mulheres durante cerca de nove anos nos Estados Unidos e em outros cinco países. Os resultados da avaliação mostraram que a maioria das pacientes poderia rejeitar a quimioterapia após a retirada do tumor. A mulher poderia seguir seu tratamento exclusivamente com a hormonioterapia, que bloqueia o hormônio capaz de contribuir para a volta do câncer. 

Uma das autoras do estudo, a médica brasileira Ingrid Mayer, chefe do serviço de mama da Vanderbilt University Medical Center, nos Estados Unidos, ressalta que os achados são importantes para evitar tratamentos desnecessários e com efeitos colaterais indesejados, comuns na quimioterapia. "O impacto do estudo é muito grande, uma vez que a maioria das pacientes diagnosticadas com câncer de mama tem tumores de menor risco, com características que se beneficiariam da terapia hormonal”, destaca Ingrid Mayer.

Para chegar a essas conclusões, os cientistas avaliaram dados do Oncotype, um teste que ajuda a identificar as características do câncer e, assim, guiar a melhor forma de tratamento. No Brasil, o teste não está disponível na rede pública nem é coberto pelos planos de saúde. 

O oncologista Antonio Carlos Buzaid, fundador do Instituto Vencer o Câncer e médico da BP – Beneficência Portuguesa de São Paulo e do Hospital Israelita Albert Einstein, também na capital paulista, nota que os dados apresentados podem mudar a conduta do tratamento daqui pra frente. "É uma grande novidade, com potencial para proteger as pacientes com tumores característicos dos efeitos de terapias mais agressivas”. 

Os autores do estudo fazem uma ressalva. Mulheres com menos de 50 anos devem ter uma conduta individualizada, pois os resultados da pesquisa indicaram que essas pacientes teriam melhor prognóstico com a combinação de hormonioterapia e quimio.

Fonte: Saúde é Vital

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive