Espaço do

Paciente

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Astellas UICC Libbs GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

[CÂNCER DE MAMA] Cristiane Chagas

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 29/04/2015 - Data de atualização: 29/04/2015


Instituto Oncoguia - Você poderia se apresentar?

Cristiane Chagas - Meu nome é Cristiane Chagas, eu tenho 33 anos, desconfiei que tinha um Cristiane Chagas Câncer de Mamanódulo aos 30, fui diagnosticada com um câncer de mama aos 31 e com metástases ósseas aos 32. Tenho pais e marido que me apoiam muito. Não tenho filhos.

Instituto Oncoguia - Como você descobriu que estava com câncer de mama?

Cristiane Chagas - No autoexame. Coma já tinha tido alguns nódulos na mama e nunca era nada sério, não fiquei muito preocupada quando apalpei o câncer, mesmo assim fui ao médico porque estranhei o tamanho e a textura do nódulo.

Instituto Oncoguia - Como você ficou quando recebeu o diagnóstico? O que sentiu?

Cristiane Chagas - Arrasada pela notícia, arrasada por ver o estado da minha mãe (que perdeu os pais com câncer). Impossível dar nome aos meus sentimentos, nem sei o que senti, foi um choque, eu estava confiante, não acreditava nesse diagnóstico. De repente o chão se abriu debaixo de mim.

Instituto Oncoguia - Qual era a sua maior preocupação neste momento?

Cristiane Chagas - Tanta coisa passa pela cabeça da gente que eu teria uma lista. Mas numa ordem cronológica, acho que de imediato tive uma preocupação com o emocional dos meus pais, logo em seguida quis muito saber se ainda poderia engravidar e, quando comecei a fazer os exames, fiquei ansiosa com o resultado em especial da cintilografia óssea para saber se estava com metástases, meu grande medo.

Instituto Oncoguia - O que aconteceu depois disso?

Cristiane Chagas - Depois disso era tentar controlar o emocional e focar na cirurgia e tratamento. Foi assim que aconteceu. Passei a frequentar com a minha família o grupo de apoio às pacientes com câncer de mama, o que nos ajudou muito a lidar com essa nossa realidade.

Instituto Oncoguia - Você já começou o tratamento?

Cristiane Chagas - Operei, fiz quimioterapia e radioterapia. Pedi para a médica para fazer a radio entre as "vermelhas” e as "brancas” porque a última aplicação da "vermelha” tinha me deixado muito mal e eu nem conseguia chegar perto da sala da quimioterapia sem sentir náuseas. Ela autorizou. Quando estava terminando as "brancas”, comei a sentir uma dor que se tornou insuportável e descobri que estava com metástases ósseas.

Instituto Oncoguia - Em sua opinião, qual é o tratamento mais difícil? Por quê?

Cristiane Chagas - Sem dúvida a quimioterapia, eu tinha muito medo de ficar queimada com a rádio, mas tomei bastante cuidado e achei o resultado bem positivo. Já a quimio vai te enfraquecendo aos poucos (quando não faz isso de uma vez só), no início eu me sentia muito bem, levava a minha vida normalmente, depois fui ficando muito debilitada, uma sensação horrível de estar definhando.

Instituto Oncoguia - Você teve efeitos colaterais? Qual o pior?

Cristiane Chagas - Claro, mas, ao contrário da maioria, não achei a perda de cabelo um grande drama, curti as etapas de crescimento do cabelo, inclusive a careca, numa boa, mesmo sentindo falta do meu cabelão de antes. O mais difícil para mim foi quando comecei a ficar debilitada (ou por causa da quimio ou por causada das metástases) e não conseguia desenvolver minhas atividades diárias como antes. Não poder caminhar para mim, que sempre fiz tudo andando, era uma grande martírio.

Instituto Oncoguia - Como foi a relação com o seu médico?

Cristiane Chagas - Foi boa, mas eu sempre queria saber mais detalhes e ele não queria me dar muitas explicações, aquilo me deixava angustiada. Isso se tornou mesmo um problema insuportável quando recebi a notícias das metástases ósseas. Fiquei desesperada, apavorada e precisei buscar explicação com outros médicos. Por último acabei trocando de oncologista porque achei que um profissional que conversasse comigo, que entendesse minha necessidade de saber os detalhes da doença e do tratamento, me deixaria mais estável emocionalmente o que tem total interferência no resultado do tratamento.

Instituto Oncoguia - Com que outro profissional você se relacionou?

Cristiane Chagas - Nossa, com vários! O câncer é uma doença que precisa realmente de uma equipe multidisciplinar e fiz questão do apoio de todos eles! Mastologista, oncologista, cirurgião plástico, assistente social, advogado, enfermeiros, fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, psicólogo… Quase todos eles lá mesmo no Hospital da Lagoa.

Só não senti necessidade de nutricionista, como não tive problemas com os meus exames durante o tratamento e como minha alimentação sempre foi balanceada, não fiz questão de procurar algum nutricionista, mesmo assim, recebi orientações da equipe de enfermagem nessa área, incluindo cartilhas.

Instituto Oncoguia - Você fez acompanhamento psicológico?

Cristiane Chagas - Sim, e fez toda a diferença! Minha psicóloga é ótima e além de me apoiar no lado emocional, me auxilia também em questões práticas, como, por exemplo, indicando profissionais de sua confiança, com experiência com pacientes com câncer de mama e muitos atenciosos, características que julgo muito importante para quem está passando pelo tratamento de um câncer.

Instituto Oncoguia - Você está em tratamento ou já finalizou?

Cristiane Chagas - No momento estou fazendo hormonioterapia (oral) e me preparando para minha reconstrução.

Instituto Oncoguia - Como está a sua vida hoje?

Cristiane Chagas - Hoje estou ansiosa para fazer a reconstrução e retomar a minha vida. Voltar a trabalhar…

Instituto Oncoguia - Conte-nos sobre seu trabalho e planos para o futuro.

Cristiane Chagas - Antes do diagnóstico do câncer de mama eu havia passado para um concurso público, durante o tratamento fui convocada e aprovada. Tomei posse, mas precisei tirar licença. Estou louca para começar a trabalhar!

Instituto Oncoguia - Que orientações você daria para alguém que está recebendo o diagnóstico de câncer hoje?

Cristiane Chagas - Diga sim! Aceite sua nova condição, aceite seu tratamento, aceite a ajuda das pessoas que te amam. Chore quando tiver vontade e sorria sempre que puder. Negar é comum (e compreensível) nessas horas, mas não ajuda em nada.

Instituto Oncoguia - Qual a importância da informação durante o tratamento de um câncer?

Cristiane Chagas - Toda! Informação é tudo, não é a toa que a mídia é conhecida como o 4º poder. A informação é uma arma para aprendermos a lidar com nosso corpo, com a doença, com os efeitos colaterais, para brigar contra as deficiências do sistema público ou privado de saúde, para buscarmos o cumprimento dos nossos direitos.

Instituto Oncoguia - Você buscou se informar?De que maneira?

Cristiane Chagas - Na internet, no site do Oncoguia, em estudos do Inca. Mas, quando entendi que o tratamento do câncer tem que ser individualizado, que cada um tem um tratamento (mesmo existindo um protocolo básico) e que cada um reage de uma maneira, fui buscar médicos que pudessem responder minhas questões com base nos meus exames.

Instituto Oncoguia - Como você conheceu o Oncoguia?

Cristiane Chagas - Através do selo "amigo do oncoguia” em blogs de mulheres com câncer de mama.

Instituto Oncoguia - Você tem alguma sugestão a nos dar?

Cristiane Chagas - Cada vez mais admiro o trabalho do Oncoguia! Acho que mais ações dentro de hospitais – públicos em especial – poderiam informar e mobilizar os pacientes em relação aos seus direitos e deveres.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2022 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive