Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de mama: 77% das brasileiras consideram autoexame eficaz

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/10/2019 - Data de atualização: 01/10/2019


Outubro é o mês da conscientização sobre o câncer de mama (Foto: Pixabay)

Outubro é o mês da conscientização do câncer de mama. Apesar de o Brasil já participar do movimento Outubro Rosa há mais de 15 anos, ainda existe bastante desinformação sobre o assunto. Por exemplo, muitas mulheres acreditam que o autoexame das mamas (o toque feito pela própria mulher) é a melhor maneira de identificar a doença em seus estágios iniciais — quando, na maioria dos casos, o tumor palpável já está em estágio avançado.

É o que mostra a pesquisa "Câncer de mama hoje: como o Brasil enxerga a paciente e a sua doença?", aplicada pelo IBOPE Inteligência em parceria com a farmacêutica Pfizer por meio de uma entrevista online com 2 mil pessoas de diferentes regiões do país, em que 48% dos entrevistados eram homens e 52%, mulheres.

A pesquisa indica que 79% dos homens e 77% das mulheres confiam mais no autoexame, apesar de não ser o método mais preciso para identificar a doença. “Nos últimos anos, muitas sociedades médicas deixaram de recomendar o autoexame como método preventivo porque, ao não detectar alterações durante essa prática, a mulher pode acabar se afastando do médico e atrasando a realização da mamografia”, diz Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer. A mamografia pode detectar alterações muito pequenas que ainda não são palpáveis, o que aumenta a chance de sucesso no tratamento.

O câncer de mama é uma doença multifatorial — a herança genética é apenas um dos elementos que contribuem para o seu aparecimento. Mas não é isso que os entrevistados responderam na pesquisa: para 71% deles, o câncer está relacionado com o histórico familiar. No entanto, segundo uma pesquisa publicada na BioMed Research International em 2013, esse fator só está presente em 5% a 10% dos casos de tumores mamários.

A doença tem mais relação com hábitos de vida, como o sedentarismo,  alimentação cheia de ultraprocessados e consumo de álcool. Esse último fator, aliás, é um dos mais preocupantes: beber frequentemente, mesmo em baixas doses (uma lata de cerveja por dia, por exemplo), já aumenta o risco da doença. Outros fatores são: não ter filhos, engravidar após os 30 anos de idade, menstruar antes dos 12 anos e menopausa após os 55 anos. Eles estão ligados à ação mais prolongada dos hormônios femininos, que podem levar à doença.

Para 33% dos entrevistados, a mulher é diagnosticada tardiamente porque não fez os exames preventivos, o que, segundo Dulcine, é uma forma de alimentar preconceitos. “É uma percepção que reforça a ideia de culpa, embora existam tumores muito agressivos que são capazes de se desenvolverem entre um exame e outro”. Outros 7% responderam que a doença foi desenvolvida “porque esse era o destino da pessoa e estava nos planos de Deus".

No caso do câncer de mama metastático (quando as células cancerígenas se espalham para outras partes do corpo), 40% das mulheres e 43% dos homens acreditam que ele é causado porque a mulher demorou muito para fazer os exames preventivos e não foi possível diagnosticar o tumor cedo. Mas o que acontece é que alguns tipos de câncer de mama são muito agressivos e, em poucos meses, podem evoluir para uma metástase. Com isso, a situação das mulheres fica prejudicada até no mercado de trabalho, em que 10% dos entrevistados não realizariam a contratação de uma funcionária com essa condição "porque ela teria várias necessidades que poderiam comprometer o trabalho".

Para ajudar a conscientizar a população sobre o tema, o Coletivo Pink (uma união de organizações não governamentais sobre câncer de mama) irá realizar ações durante o mês de outubro em na Casa das Rosas, em São Paulo (Avenida Paulista, 37). Mais informações podem ser conferidas no site da organização.

Fonte: Galileu

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive