Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de Covas tem 5% de taxa de sobrevida e mata mais homens que mulheres

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 18/05/2021 - Data de atualização: 18/05/2021


O câncer de esôfago, diagnóstico do prefeito licenciado de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), tirou a vida de 8.716 brasileiros em 2019, de acordo com dados do Atlas de Mortalidade do Instituto Nacional do Câncer (Inca). A maior parte das vítimas da doença foi de homens, 78%.

O local específico do câncer inicial, a cárdia, é considerado muito delicado por oncologistas, porque é a conexão entre o estômago e o esôfago, fazendo com que qualquer procedimento ganhe maior complexidade. 

A cirurgia se torna mais difícil que em outros órgãos, e tratamentos de radioterapia ou quimioterapia são mais complexos, porque as características do estômago e esôfago são diferentes.

Quando os médicos diagnosticaram Covas, em 2019, já sabiam das dificuldades que teriam pela frente, mas mantiveram o otimismo, carregado pela coragem do prefeito. Na prática, o tratamento começou muito bem e logo em dezembro, depois das primeiras sessões de quimioterapia, Covas já tinha conseguido reduzir marcadores do câncer em 90%.

Acontece que o diagnóstico do tumor já veio em estágio avançado, pois as células cancerígenas já tinham atingido o fígado e o sistema linfático. Metástase é o nome técnico que se dá para quadros como esse.

A situação diminui drasticamente o prognóstico, que é como os médicos chamam o futuro do tratamento. Uma análise do Instituto Nacional de Câncer Americano publicado na American Cancer Society aponta que 47% dos pacientes que têm câncer de esôfago localizado se mantêm vivos após cinco anos de diagnóstico e tratamento. Já nos casos em que o tumor se espalha pelo corpo, a taxa despenca para 5%.

Foi justamente o que aconteceu com Covas. Na prática, as estatísticas mostram que apenas cinco a cada 100 pessoas como ele sobrevivem por mais de cinco anos. As estatísticas não levam em consideração idade, condições físicas, saúde prévia e acesso a um bom atendimento hospitalar.

Era exatamente nessa combinação de fatores que a equipe de médicos montada para atender Bruno Covas se ancorava. Com David Uip e Roberto Kalil, ele tinha acesso ao hospital Sírio Libanês, referência no país para tratamentos oncológicos, além de boa condição física, mental e outros indicadores favoráveis, como a idade e o fato de não ser fumante.

Mas os próprios médicos reconhecem que o câncer não é “uma ciência exata” e cada paciente reage de uma forma diferente à doença.

Covas morreu no domingo (16) aos 41 anos.

Fonte: CNN Brasil

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive