Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer de colo de útero: só o HPV está por trás?

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 15/12/2020 - Data de atualização: 15/12/2020


O câncer de colo do útero, também conhecido por câncer cervical, é uma doença de evolução lenta que afeta, principalmente, mulheres acima dos 25 anos. É o terceiro tumor maligno mais frequente – atrás apenas do de mama e do colorretal – e a quarta causa de morte por câncer entre a população feminina no Brasil, de acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca). No entanto, pode ser descoberta durante exames de rotina, como o papanicolau, e tem altas chances de cura quando detectada e tratada precocemente.

O principal fator de risco para a doença é o papilomavírus humano (HPV), cujos tipos 16 e 18 causam 70% dos tumores do colo do útero e lesões pré-cancerosas na região, de acordo com a Organização Pan-Americana de Saúde. Também há evidências científicas que relacionam o mesmo HPV com cânceres de ânus, vulva, vagina, pênis e boca e garganta.

Porém, apesar de amplamente divulgado, o papilomavírus humano não é o único motivo por trás do desenvolvimento de tumores cervicais. Estima-se, mundialmente, que de 7 a 11% dos casos sejam negativos para o HPV. Esses números chamam a atenção, mas ainda não são conclusivos. Existem várias razões para um resultado negativo nos exames.

Os cânceres de colo de útero são classificados em três grandes grupos: carcinoma espinocelular, adenocarcinoma e adenoescamoso. Dentre os carcinomas espinocelulares, é muito incomum não identificar a presença do vírus. Nos adenocarcinomas, a positividade varia a depender dos subtipos. A maioria, porém, está relacionada à presença do HPV.

Há outro grupo de tumores nessa história, os que podem ser considerados como falsos negativos, pois perdem a expressão do HPV ao longo do seu desenvolvimento. E há também aqueles que se desenvolvem a partir de um tipo de HPV de baixo risco, o que é mais raro.

Por fim, a presença de metástase (quando a doença se espalha) de um local fora da região genital para o colo do útero, apesar de ser um evento incomum, é algo factível e justificaria a ausência de detecção do vírus no ambiente tumoral.

Com tudo isso em mente, precisamos considerar quais os testes e materiais biológicos utilizados para a identificação do HPV e sua correta validação, algo que ajuda inclusive na tomada de decisões durante o tratamento.

Apesar de prevenível com vacinação contra HPV e detecção precoce, com uma chance de cura que beira os 100% se flagrado em estágios iniciais, o câncer de colo de útero ainda é muito prevalente e perigoso. Estamos falando de uma doença que mata cerca de 300 mil mulheres ao ano no mundo. Precisamos mudar essa história.

Fonte: Veja Saúde

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive