Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Câncer colorretal: prevenir e não remediar

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 26/03/2021 - Data de atualização: 26/03/2021


Março é o mês azul, o mês da prevenção do câncer colorretal, cuja incidência vem aumentando de maneira significativa em quase todo o mundo, com 2 milhões de casos novos diagnosticados a cada ano.

No Brasil, esse tumor só é suplantado em número de casos novos anuais pelo câncer de mama em mulheres e pelo de próstata em homens. A boa notícia é que este é um câncer que pode não apenas ser prevenido, mas que também apresenta altos índices de cura quando o diagnóstico for precoce. Por isso, em várias partes do mundo, promovem-se neste mês campanhas de esclarecimento e, quando possível, incrementa-se a oferta de exames de prevenção.

O cirurgião e professor da USP Raul Cutait - Zanone Fraissat - 4.dez.19/Folhapress
 

O mês azul está passando quase em branco no Brasil, algo compreensível em decorrência da gravidade da pandemia de Covid-19 que nos devasta e que vem demandando quase todas as atenções do sistema de saúde. De qualquer maneira, vale a pena reforçar a importância da prevenção desse câncer, cujo impacto passa pela identificação dos grupos de risco, da conscientização da população quanto a seus riscos individuais e do acesso à colonoscopia dita de rastreamento —que é o exame por excelência em programas de prevenção de câncer colorretal, embora alguns deles incluam a pesquisa periódica de sangue oculto nas fezes.

Existem três grupos de risco relacionados ao câncer colorretal, os quais requerem propostas distintas de prevenção. No de maior risco, encontram-se indivíduos e famílias com alterações genéticas que podem ser transmitidas de geração a geração, com especial ênfase para o chamado câncer colorretal hereditário. Para estes, as colonoscopias iniciam-se aos 25-30 anos de idade e devem ser repetidas a cada dois anos.

Nos casos de poliposes, também de transmissão hereditária, as colonoscopias iniciam-se ao redor dos 12 anos de idade, sendo repetidas periodicamente ao longo de três décadas, na expectativa de se diagnosticar ou afastar a doença. Finalmente, neste grupo encaixam-se os portadores de doenças inflamatórias intestinais (retocolite ulcerativa e moléstia de Crohn), com periodicidade de colonoscopias definida pelas características clínicas e endoscópicas dessas doenças, assim como pacientes submetidos a uma pouco frequente cirurgia onde os ureteres são implantados no cólon.

Já o grupo de médio risco é de longe o mais importante, sendo definido por pessoas com mais de 45 anos de idade e sem história pessoal ou familiar de câncer colorretal, e que responde por cerca de 90% de todos os casos diagnosticados.

Exposição

Para os indivíduos deste grupo, aconselha-se a colonoscopia a cada dez anos ou, então, com intervalos menores no caso de se encontrar pólipos adenomatosos, que são precursores do câncer colorretal e que podem ser ressecados durante a própria colonoscopia. No grupo de baixo risco, por sua vez, encontram-se as pessoas com menos de 45 anos de idade, sem os fatores de risco acima descritos e que não necessitam de colonoscopias de rastreamento.

Outro aspecto importante na prevenção do câncer colorretal é o relacionado com hábitos alimentares e estilo de vida, algo para o qual se deve atentar desde a infância. Embora existam controvérsias, sabe-se que a dieta rica em fibras vegetais e pobre em gorduras animais tem efeito protetor, o mesmo acontecendo com a prática de exercícios físicos e o uso de aspirina. Já a obesidade parece favorecer o desenvolvimento desse tumor.

Viver com câncer

Em resumo, é importante que procuremos estar atentos aos nossos riscos individuais de desenvolver câncer colorretal, bem como estimulados a participar de programas de prevenção e diagnóstico precoce.

Nesse sentido, a orientação de seu médico pode ser fundamental. Adicionalmente, nunca é demais reforçar que é uma responsabilidade dos sistemas de saúde, tanto público quanto privado, favorecer o acesso às colonoscopias, quando necessárias. A vida agradece!

Fonte: Folha de S.Paulo

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive