Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD ACS Mundipharma Takeda Susan Komen Astellas UICC Libbs Healthy Americas GBT Abbvie Ipsen Shire


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Cai número de fumantes no País

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 01/07/2019 - Data de atualização: 01/07/2019


Entre as capitais onde há mais fumantes, Curitiba está em primeiro lugar, com 15,6% da população que fuma, seguido por São Paulo (14,2%) e Porto Alegre (12,5%) Caio Guatelli/Folhapress/Criação Gazeta de S.Paulo

Uma pesquisa do Ministério da Saúde, divulgada no dia 30 de maio no Inca (Instituto Nacional do Câncer), no Rio de Janeiro, mostrou uma redução na quantidade de pessoas que fumam no Brasil. Em 2006, quando o estudo começou a ser feito, 15,6% da população fumava. Em 2017 (últimos dados disponíveis), esse percentual passou a ser de 10,1%: uma diminuição de quase 40%.

As informações são do Vigitel 2017 (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), uma pesquisa feita por telefone nas 26 capitais e Distrito Federal, com 53.034 entrevistas. A queda nos índices tem várias causas, como o valor dos cigarros e a legislação contra o fumo em ambientes fechados (veja box abaixo).

Quando se estudam os números em detalhes, os percentuais chamam a atenção. Na diferença entre os sexos, o hábito de fumar é maior entre os homens (13,2%) do que entre as mulheres (7,3%), e a explicação é cultural. “Provavelmente porque, em algumas culturas, mulheres fumantes não eram bem vistas”, explica a psicóloga Monica Andreis, diretora-executiva da ONG ACT (Aliança de Controle do Tabagismo). Para atrair esse público, segundo ela, a indústria do fumo desenvolveu campanhas publicitárias estratégicas. “As propagandas divulgavam que fumar seria uma forma de a mulher provar sua independência”.

No quesito escolaridade, o estudo da Vigitel aponta que há mais fumantes com baixa escolaridade (13,2%) do que aqueles com mais anos de estudo (7,4%). Um dos motivos para essa diferença tem a ver com o apelo publicitário. “O cigarro, por muito tempo, foi associado à independência e ascensão social”, afirma Andreis, que ainda aponta a dificuldade do acesso à informação e a tratamentos gratuitos contra o tabagismo é outra razão para essa disparidade.

Entre as capitais onde há mais fumantes, segundo os dados do Vigitel, Curitiba está em primeiro lugar, com 15,6% da população que fuma, seguido por São Paulo (14,2%) e Porto Alegre (12,5%). “É na região Sul que se encontram os produtores de tabaco, e também é a região com mais fumantes em todo o Brasil”, explica.

 

Fonte: Gazeta de S.Paulo

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2019 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive