Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Brasileira descobre substância mais eficaz para tratar câncer de ovário

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/03/2020 - Data de atualização: 24/03/2020


O câncer de ovário é um dos mais graves que pode acometer uma mulher. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), esse é o segundo câncer ginecológico mais comum, atrás apenas do câncer do colo do útero. Não é para menos: esse tipo de tumor só costuma apresentar sintomas quando já está em estado avançado e por isso é de difícil diagnóstico. 

O tratamento pode ser cirurgia ou quimioterapia, de acordo com o Inca. Mas a ciência vem procurando novas estratégias para tratar as mulheres que sofrem com essa doença. É o caso da pesquisadora Carolina Gonçalves Oliveira, professora do Instituto de Química da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Minas Gerais.

Com orientaçã do professor Victor Marcelo Deflon, ela se uniu a estudiosos da USP de São Carlos, no interior paulista, e do exterior (Reino Unido e Itália) para desenvolver um composto à base de paládio – metal raro de alto valor comercial – eficaz contra diversos tipos de tumores, em especial o de ovário. 

Em seu estudo, Oliveira observou que o paládio é menos agressivo às células saudáveis do que a cisplatina, utilizada atualmente para tratar esse tipo de câncer. A vantagem do novo tratamento é que ele age diretamente na topoisomerase, uma enzima que participa do processo de duplicação do DNA das células malignas. “O composto de paládio se liga diretamente à enzima topoisomerase e leva a célula cancerosa à morte”, explica a especialista. Nesse processo, as células saudáveis são preservadas.

A cisplatina, por outro lado, tem como desvantagem o fato de não conseguir agir apenas em células malignas — ela afeta também os tecidos ovarianos saudáveis, o que faz com que a imunidade da paciente seja afetada. Outro ponto a ser destacado é que algumas células cancerígenas podem adquirir resistência contra ela, o que não foi demonstrado com o paládio até agora.

Ainda não é possível dizer, no entanto, se o paládio apresenta efeitos colaterais, porque não houve testes em humanos. Mas, segundo a pesquisadora, já há pesquisadores interessados em aplicar o método em mulheres.

Fonte: Revista Galileu

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive