Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Brasileira descobre substância mais eficaz para tratar câncer de ovário

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 24/03/2020 - Data de atualização: 24/03/2020


O câncer de ovário é um dos mais graves que pode acometer uma mulher. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), esse é o segundo câncer ginecológico mais comum, atrás apenas do câncer do colo do útero. Não é para menos: esse tipo de tumor só costuma apresentar sintomas quando já está em estado avançado e por isso é de difícil diagnóstico. 

O tratamento pode ser cirurgia ou quimioterapia, de acordo com o Inca. Mas a ciência vem procurando novas estratégias para tratar as mulheres que sofrem com essa doença. É o caso da pesquisadora Carolina Gonçalves Oliveira, professora do Instituto de Química da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), em Minas Gerais.

Com orientaçã do professor Victor Marcelo Deflon, ela se uniu a estudiosos da USP de São Carlos, no interior paulista, e do exterior (Reino Unido e Itália) para desenvolver um composto à base de paládio – metal raro de alto valor comercial – eficaz contra diversos tipos de tumores, em especial o de ovário. 

Em seu estudo, Oliveira observou que o paládio é menos agressivo às células saudáveis do que a cisplatina, utilizada atualmente para tratar esse tipo de câncer. A vantagem do novo tratamento é que ele age diretamente na topoisomerase, uma enzima que participa do processo de duplicação do DNA das células malignas. “O composto de paládio se liga diretamente à enzima topoisomerase e leva a célula cancerosa à morte”, explica a especialista. Nesse processo, as células saudáveis são preservadas.

A cisplatina, por outro lado, tem como desvantagem o fato de não conseguir agir apenas em células malignas — ela afeta também os tecidos ovarianos saudáveis, o que faz com que a imunidade da paciente seja afetada. Outro ponto a ser destacado é que algumas células cancerígenas podem adquirir resistência contra ela, o que não foi demonstrado com o paládio até agora.

Ainda não é possível dizer, no entanto, se o paládio apresenta efeitos colaterais, porque não houve testes em humanos. Mas, segundo a pesquisadora, já há pesquisadores interessados em aplicar o método em mulheres.

Fonte: Revista Galileu

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive