Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Biópsias para detectar câncer de pele caíram 48% na pandemia

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 07/12/2020 - Data de atualização: 07/12/2020


Com a pandemia da Covid-19, a população deixou de buscar consultas médicas de forma geral. Com isso, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, a SBD, houve uma queda de 48% no número de biópsias para detecção do câncer de pele. Os dados são relativos apenas aos atendimentos do SUS.

A SBD reforça que cabe aos gestores de saúde se planejarem para solucionar esse problema, já que a tendência é um acúmulo de atendimento na rede pública nos próximos meses.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer, o câncer de pele corresponde a 27% de todos os tumores malignos no país, com mais de 170 mil casos novos por ano. Por isso, a Sociedade Brasileira de Dermatologia lança o dezembro laranja, campanha contra o câncer de pele.

Suely Caron, artista plástica, explica como descobriu a doença.

"Tive câncer de pele, o mais simples de todos, que é o basocelular, muito comum em pessoas de pele clara. Descobri porque coçava e era uma bolinha pequena nas costas. Meus filhos falavam 'parace que você tem uma bolinha nas costas', mas era pequenino. Fui ao médico, ele retirou no ambulatório", relata.  

Já a aposentada Carmen Lúcia Ramalho fala que faz exames de rotina anuais para verificar marcas na pele.

"Eu tive um carcinoma, uma mancha vermelha nas costas, diferente das outras, irregular e com uma coloração diferente. Operei, fiz uma cirurgia e dela para cá não tive mais nada. Faz uns trinta anos isso. Todo ano eu vou ao dermatologista e retiro sempre alguns sinais, porque tenho muitos, mas até agora, graças a deus, não deu mais nada", relata.  

O médico Elimar Gomes, coordenador nacional do Dezembro Laranja, explica como funciona a regra do ABCDE, um autoexame da pele, com forma de diferenciar pintas e lesões comuns daquelas suspeitas de melanoma, o tipo de câncer de pele mais agressivo.

"O 'A' é de assimetria. Ou seja, um lado da pinta não é igual ao outro. O 'B' é de bordas, que são irregulares e recortadas. O 'C' é cores, múltiplas cores, uma área preta, outra castanha, outra vermelha. O 'D' é de diâmetro. Essas lesões devem ser avaliadas quando têm mais de meio centímetro de diâmetro. E o 'E' é de evolução.Ou seja, as pintas não devem se modificar de forma importante ao longo da vida", explica.   

O médico reforça que este tipo de câncer está diretamente relacionado aos efeitos da radiação ultravioleta na pele.

Por isso, é preciso reforçar os cuidados com o sol: evitar exposição ao sol entre 9h 15h, além de sempre utilizar protetor solar com fator de proteção maior de 30. Para bebês abaixo dos 6 meses, não é recomendado o uso de protetor solar, e deve ser evitada a exposição deles ao sol.

Fonte: Brasil de Fato

As opiniões contidas nas matérias divulgadas refletem unicamente a opinião do veículo, não caracterizando endosso, recomendação ou favorecimento por parte do Instituto Oncoguia.

Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive