Tipos de Câncer

Mieloma Múltiplo

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Biópsia para diagnóstico do mieloma múltiplo

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 28/06/2015 - Data de atualização: 04/08/2021


Os principais tipos de biópsias e análises realizadas para o mieloma múltiplo são:

Biópsia da medula óssea

Os pacientes com mieloma múltiplo têm células plasmáticas em excesso na medula óssea. O procedimento a ser realizado é denominado biópsia e aspiração da medula óssea.

A aspiração da medula óssea consiste na inserção de uma agulha no osso da pelve para retirar uma pequena quantidade do líquido da medula óssea. Na biópsia, uma agulha maior é usada para remover uma pequena porção de osso e medula. As amostras coletadas são enviadas para análises, incluindo imunohistoquímica, citometria de fluxo e análises dos cromossomos, como cariótipo e hibridização fluorescente in situ (FISH).

  • Imunohistoquímica. Nesse exame, uma parte da amostra de biópsia é tratada com proteínas especiais que provocam alterações na cor e ajudam a identificar as células de mieloma.
     
  • Citometria de fluxo. Nesse método, uma amostra de medula óssea é tratada com proteínas especiais que aderem apenas a determinadas células. Isso permite determinar se existem células anormais e se são células de mieloma, de linfoma, de algum outro tipo de câncer ou de uma doença benigna.
     
  • Citogenética. Nessa técnica é possível avaliar os cromossomos nas células normais da medula óssea e nas células do mieloma. As células são observadas sob um microscópio para diagnosticar se os cromossomos têm quaisquer translocações, como pode acontecer em alguns casos do mieloma múltiplo. Algumas células do mieloma podem ter excesso, escassez ou outras anormalidades cromossômicas. Encontrar essas alterações pode, às vezes, prever o prognóstico.
     
  • Hibridização fluorescente in situ. Esse exame utiliza corantes fluorescentes especiais que só se ligam a partes específicas dos cromossomos. Ele pode diagnosticar a maioria das alterações cromossômicas visualizadas nas análises citogenéticas, bem como outras alterações menores não percebidas pela citogenética usual. É um exame preciso e o resultado geralmente fica pronto em poucos dias.

Punção aspirativa por agulha fina

A punção aspirativa por agulha fina (PAAF) utiliza uma agulha muito fina e uma seringa comum para retirar uma pequena quantidade de tecido de um tumor ou linfonodo. Esse procedimento é geralmente guiado por tomografia computadorizada. Uma desvantagem dessa técnica é que, em alguns casos, a agulha não consegue retirar uma quantidade de tecido suficiente para um diagnóstico definitivo.

Biópsia por agulha grossa

Essa biópsia é semelhante à PAAF, mas com uma agulha de grosso calibre, que permite que uma amostra maior de tecido seja retirada.

Para saber mais, consulte nosso conteúdo sobre Biópsia e Citologia das Amostras.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 28/02/2018, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive