Tipos de Câncer

Câncer de Mama

Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Biópsia do Linfonodo Sentinela para Câncer de Mama

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 06/10/2014 - Data de atualização: 25/07/2020


Um dos fatores mais importantes para o tratamento do câncer de mama é a presença ou ausência de metástase nos linfonodos. Na sua grande maioria, o câncer de mama se dissemina inicialmente para os linfonodos mais próximos.

A remoção do linfonodo pode ser feita de maneiras diferentes, dependendo de se os gânglios linfáticos estão aumentados, do tamanho do tumor e de outros fatores.

Tipos de cirurgia dos linfonodos

Mesmo que os linfonodos próximos não estejam aumentados, eles precisam ser investigados quanto à presença de câncer. Isso pode ser feito de duas maneiras diferentes. A biópsia do linfonodo sentinela é a forma mais comum e menos invasiva, mas em alguns casos pode ser necessária uma dissecção dos linfonodos axilares.

A cirurgia do linfonodo sentinela é muitas vezes realizada como parte da cirurgia principal para retirada do câncer de mama, mas em alguns casos pode ser feita como um procedimento separado.

Biópsia do linfonodo sentinela

O diagnóstico por meio da biópsia do linfonodo sentinela (BLS) é uma técnica que permite um estadiamento linfonodal mais acurado e sem a morbidade de uma linfadenectomia total ou radical. A BLS é um procedimento que conserva a axila e que depende da colaboração e interação da equipe cirúrgica, de medicina nuclear e dos patologistas. A linfadenectomia seletiva proporcionada pela BLS tem a vantagem de diminuir a morbidade sem comprometer a avaliação da paciente.


Para a realização da BLS é injetado na mama da paciente um fármaco marcado com material radioativo. A cirurgia é feita após algumas horas da injeção é acompanhada também pela equipe de medicina nuclear, que com um detector de radiação especial localizam o primeiro linfonodo comprometido. Após a retirada do linfonodo a amostra é encaminhada para a equipe de patologia para congelamento e análise.

A identificação desse primeiro linfonodo e sua análise pelo patologista, para avaliar se tem doença (ou não), permite que, estando esse gânglio livre de doença, a paciente possa ser poupada da ressecção do restante dos linfonodos axilares. Evitar essa ressecção é importante, pois permite que a mulher não desenvolva linfedema (inchaço no braço), dor e maior risco de infecção.

Dissecção dos linfonodos axilares

Nesse procedimento, entre 10 a 40 (geralmente menos de 20) linfonodos axilares são retirados para a investigar a presença de câncer. A dissecção dos linfonodos axilares geralmente é feita no momento da mastectomia ou da cirurgia conservadora da mama, mas pode ser realizada em uma segunda cirurgia.

Pode ser necessário realizar a dissecção dos linfonodos axilares:

  • Se a biópsia do linfonodo sentinela mostrou que 3 ou mais linfonodos nas axilas têm células cancerígenas.
  • Se os linfonodos axilares ou claviculares aumentados podem ser sentidos antes da cirurgia ou observados em exames de imagem ou a biópsia por agulha diagnosticar câncer.
  • Se o tumor cresceu além do linfonodo.
  • Se a biópsia do linfonodo sentinela prévia for positiva para células cancerígenas após a quimioterapia neoadjuvante.

Efeitos colaterais da cirurgia dos linfonodos

Assim como em qualquer cirurgia pode ocorrer dor, inchaço, hemorragia, formação de coágulos sanguíneos e infecção.

          Linfedema

Um possível efeito a longo prazo da cirurgia de linfonodos é o aparecimento de inchaço no braço, o que se denomina linfedema. Como qualquer excesso de líquido nos braços normalmente retorna à corrente sanguínea através do sistema linfático, a remoção dos linfonodos às vezes bloqueia a drenagem do braço, fazendo com que esse líquido se acumule.

Isso é menos comum após a biópsia do linfonodo sentinela do que na dissecção de linfonodos axilares. De 20 a 30% das mulheres que realizam dissecção axilar desenvolvem linfedema. E de 5 a 17% das mulheres que fazem biópsia do linfonodo sentinela também desenvolvem linfedema. Isso pode ser mais frequente se a mulher fizer radioterapia após a cirurgia. Às vezes, o inchaço é temporário e desaparece após algumas semanas. Mas em algumas mulheres, o linfedema persiste por um longo tempo. Se o seu braço estiver inchado, apertado ou dolorido após a cirurgia dos linfonodos, converse com seu médico e siga suas orientações.

          Limitação do movimento do braço e ombro

Você também pode apresentar alguma limitação nos movimentos do braço e ombro após a cirurgia. Isso é mais comum após a dissecção do linfonodo axilar do que com o a biópsia do linfonodo sentinela. Seu médico pode indicar a realização de exercícios específicos para evitar que você tenha problemas permanentes com o braço do lado da cirurgia.

          Dormência

A dormência no braço é um efeito colateral frequente porque o nervo que controla a sensibilidade passa pela área dos linfonodos axilares.

Texto originalmente publicado no site da American Cancer Society, em 18/09/2019, livremente traduzido e adaptado pela Equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive