Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Avanços em exames e tratamentos revolucionam luta contra o câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 14/05/2021 - Data de atualização: 14/05/2021


“O mais importante para o paciente com câncer é saber que está recebendo o melhor tratamento que existe para a sua doença”, disse o oncologista Rafael Kaliks, diretor científico voluntário do Oncoguia, durante debate no 11º Fórum Nacional de Políticas de Saúde em Oncologia.

Vinte anos atrás, testes de DNA, estudos de genômica e sequenciamento genético faziam parte de um futuro que parecia distante e inacessível. Não mais. O mapeamento do Genoma Humano em 2003 provocou uma revolução do conhecimento biológico, e as descobertas decorrentes possibilitaram entender, entre tantas coisas, a origem dos tumores.

Saber como um câncer se inicia aumenta as chances de destruí-lo de forma mais eficiente, direcionando medicamentos e tratamentos para alvos específicos das células tumorais. Essa é a base da oncologia de precisão. Na prática, integra dados da biologia molecular à evolução clínica e à resposta ao tratamento, permitindo reconhecer caminhos mais eficazes e menos tóxicos para combater o câncer de acordo com o perfil molecular do tumor.

A imunoterapia, que estimula o nosso próprio sistema imune a reconhecer o câncer e combatê-lo, está no centro dos holofotes da oncologia moderna, assim como a terapia-alvo, que ataca diretamente as células cancerosas (veja quadro).

Esses tratamentos revolucionários agem de forma mais precisa, oferecendo melhores resultados com menos efeitos colaterais. “Nos Estados Unidos, a mortalidade por câncer está caindo, apesar de o número de casos estar estável ou subindo. Isso acontece porque as novas terapias estão salvando vidas em uma proporção incrível”, afirmou Kaliks.

Segundo o oncologista, esses medicamentos estão prolongando a vida, com qualidade, de pacientes com tipos graves de câncer, como o de pulmão e os melanomas metastáticos.

Sergio Simon, oncologista clínico do Grupo Oncoclínicas e do Hospital Israelita Albert Einstein, concordou. “As terapias mais modernas de combate ao câncer, quando não oferecem a cura ou remissão da doença, aumentam a sobrevida a ponto de o câncer virar uma doença crônica, em que o paciente, medicado, leva uma vida normal”, disse.

Simon citou alguns exemplos de casos graves de câncer que, com o tratamento correto, se transformaram em doenças crônicas. “Tenho um paciente de leucemia mieloide crônica que foi diagnosticado faz mais de 20 anos. Está em tratamento com uma terapia-alvo: foi o primeiro paciente a receber a droga no Brasil, no ano 2000. Toma um comprimido por dia, não tem efeitos colaterais e leva uma vida normal”, contou.

Segundo Simon, os efeitos colaterais desses medicamentos são, em geral, manejáveis, e a qualidade de vida do paciente é mantida. A questão é a dificuldade de acesso da população, limitada pelos altos custos.

“Não basta ser eficaz, tem que estar disponível”, afirmou Kaliks. Como o custo desses tratamentos é alto, nem todos foram incorporados no rol da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), com cobertura pelos planos de saúde, e muito poucos estão disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS), que atende cerca de 70% da população brasileira.

“Há casos em que a incorporação do medicamento é aprovada, mas a verba não é liberada para a compra”, disse. A falta de recursos não é o único problema. Segundo Kaliks, a existência de duas agências regulatórias (a ANS para a saúde suplementar e a Conitec, Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias, para o SUS) também atrapalha. “Uma agência única seria um passo importante para democratizar o acesso da população a esses tratamentos”, concluiu.​

Matéria publicada por Folha de S. Paulo em 13/05/2021.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive