Especial

Qualidade de vida


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Lilly Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Danone Nutricia Sanofi Grunenthal Sirtex Servier Oncologia


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Avaliação da saúde do paciente com câncer

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 10/09/2020 - Data de atualização: 10/09/2020


Você sabia que cerca de 10% a 20% das mortes de pacientes com câncer acontecem por causa da desnutrição e não pela doença oncológica em si? Além disso, a deficiência nutricional em pacientes com câncer pode causar:

  • Diminuição da resposta ao tratamento.
  • Aumento de toxinas no organismo.
  • Piora da qualidade de vida.

Por esse motivo, a avaliação nutricional do paciente com câncer é fundamental para identificar qualquer risco nutricional. Assim, o profissional de saúde consegue fazer a intervenção correta e precoce evitando a evolução do quadro de desnutrição.

A triagem nutricional é o procedimento que avalia se a pessoa está com risco nutricional e deve ser realizada no momento da descoberta da doença, durante o tratamento e no final do tratamento, considerando sempre:

  • Ingestão alimentar.
  • Mudança de peso.
  • Índice de massa corporal (IMC).
  • Composição corporal (quantidade de massa muscular).

Ingestão alimentar e mudança de peso no paciente com câncer

O profissional da saúde deverá considerar diversos fatores durante a avaliação da ingestão alimentar que podem impactar diretamente na mudança de peso:

  • Xerostomia (boca seca).
  • Alterações no olfato e paladar.
  • Náuseas.
  • Vômitos.
  • Irritação dentária.
  • Mucosite ou aftas.
  • Constipação.
  • Diarreia.
  • Má absorção de nutrientes.
  • Infecções.
  • Dor aguda e crônica.
  • Sofrimento psíquico.

IMC – Índice de Massa Corporal

O cálculo do IMC é utilizado para avaliar se o paciente está dentro do peso considerado normal. Apesar de muito utilizado, este método não deve ser avaliado sozinho, pois não considera as variáveis como: sexo, idade, etnia, massa muscular e condições clínicas. Portanto, é recomendado associar sempre a outros métodos de avaliação.

Composição corporal

As avaliações da massa muscular e de gordura, complementares à avaliação nutricional, podem ser realizadas por vários métodos como: exame físico e a antropometria (peso, altura, circunferências e dobras), ou utilizando técnicas mais sofisticadas, como a bioimpedância elétrica (BE), por meio da análise do ângulo de fase e massa livre de gordura, além da densitometria óssea.

Esses métodos são essenciais para identificar caquexia e sarcopenia, que é quando a pessoa tem perda de massa muscular, muito comum em pacientes oncológicos.

A dieta do paciente com câncer

O próximo passo, quando o paciente apresenta risco nutricional, é a intervenção nutricional com um bom planejamento da dieta. Deve ser individualmente personalizado por um nutricionista, considerando todos os fatores avaliados na triagem nutricional.

Benefícios:

  • Melhora da ingestão de alimentos.
  • Redução dos desequilíbrios metabólicos.
  • Manutenção da massa muscular.
  • Melhora da resposta aos tratamentos oncológicos.
  • Aumento da qualidade de vida.

É fundamental que o aconselhamento nutricional seja feito por um nutricionista especializado e jamais por conta própria.

Dietas da moda são geralmente muito restritivas no tipo e na quantidade de alimentos específicos e, como tal, geralmente restringem a ingestão total de alimentos. Essas dietas aumentam o risco de ingestão de baixas calorias, gorduras e proteínas aumentando o risco de deficiência nutricional (calórica e de macro e micronutrientes). Nos pacientes oncológicos que já estão desnutridos, isso pode ser ainda mais prejudicial.

É importante que o nutricionista considere na dieta alimentos com nutrientes “protetores” chamados de nutrientes imunomoduladores. Isto porque ajudam o organismo a reforçar a imunidade do paciente com câncer que tem o seu sistema imune debilitado.  

Se a ingestão alimentar por via oral permanecer inadequada, a nutrição por via enteral ou parenteral pode ser indicada, dependendo do nível de função do sistema gastrintestinal. O ponto importante é que, diferentemente da desnutrição simples, o baixo consumo de calorias e nutrientes, bem como a perda de massa muscular observada nos pacientes com câncer, é impulsionado por uma combinação da redução da ingestão alimentar e de desarranjos metabólicos. Esses distúrbios nutricionais e metabólicos são frequentes no câncer, mas com uma boa avaliação e um bom tratamento, podem ser reversíveis.

Fonte:

  • Diretriz BRASPEN de terapia nutricional no paciente com câncer. BRASPEN J 2019; 34 (Supl 1):2-32.


Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2020 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive