Categorias


Cadastro rápido

Receba nosso conteúdo por
e-mail

Tudo sobre o câncer

 
Mais Tipos de câncer

Curta nossa página

Financiadores

Roche Novartis Varian Bristol MerckSerono Amgen Pfizer AstraZeneca Bayer Janssen MSD Mundipharma Takeda Astellas UICC GBT Abbvie Ipsen Sanofi Grunenthal Daiichi Sankyo


  • tamanho da letra
  • A-
  • A+

Audiência Pública debate tratamento de câncer de pele pelo SUS

  • Equipe Oncoguia
  • - Data de cadastro: 03/09/2021 - Data de atualização: 03/09/2021


Participamos de mais uma audiência pública, na quinta-feira, dia 02/09, com o objetivo de discutirmos o tratamento de pacientes com câncer de pele melanoma pelo Sistema Único de Saúde (SUS). 

A reunião foi promovida pela Comissão Especial da Câmara dos Deputados atendendo a uma solicitação da deputada Silvia Cristina (PDT-RO). 

Em sua fala, nossa presidente, Luciana Holtz, pediu prioridade ao combate da doença e apresentou importantes dados do Radar do Câncer relacionados ao melanoma. Segundo ela, mais de 75% de todos os estados brasileiros começam o tratamento do melanoma em estágios III e IV. 

“Isso significa, que no momento em que começamos o primeiro tratamento sistêmico desse paciente com melanoma no SUS, ele já está com a doença em fase avançada ou metastática (ou seja, o câncer de pele já se espalhou para outros órgãos)”, explicou. 

A presidente do Oncoguia falou sobre as novidades nos tratamentos do melanoma que proporcionam uma melhor qualidade de vida ao paciente. Segundo Luciana, o grande problema é que uma grande parcela da população não tem acesso a esses procedimentos. 

Para corroborar com o tema, Luciana citou um estudo do Oncoguia, publicado no Brazilian Journal of Oncology (BJO) que avaliou a forma como o paciente de melanoma metastático vinha sendo tratado no SUS. De acordo com ela, a conclusão é que 98% dos pacientes tratados no SUS, entre 2015 e 2017, receberam tratamentos minimamente efetivos para o melanoma avançado. 

“É um grande desafio. O paciente chega ao SUS com a doença muito avançada e não recebe um tratamento efetivo. E até hoje o paciente segue sem acesso.”, ressaltou.

De acordo com Luciana, as terapias-alvo e a imunoterapia foram avaliadas pela Conitec para o tratamento de primeira linha do melanoma avançado não-cirúrgico e metastático. E em agosto de 2020, saiu a decisão final de incorporação da imunoterapia para tratamento do melanoma. 

“Sabemos que o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) de melanoma vem sendo elaborado e esperamos ansiosamente pela sua atualização”, pontuou. 

Em sua reflexão final, Luciana ressaltou que quando falamos de gastos públicos e do orçamento para implementação de novas tecnologias, precisamos conversar sobre prioridade. 

“Sem dúvida nenhuma, estamos diante de uma tecnologia disruptiva que faz muita diferença na vida dos nossos pacientes”, finalizou. 

A audiência também contou com as seguintes participações:

  • Rodrigo Munhoz, oncologista, membro do comitê científico que falou em nome da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica – SBOC.
  • Gélcio Luiz Quintella Mendes, representante do Ministério da Saúde e do Instituto Nacional de Câncer – Inca.
  • Celina Rosa Martins, representante do Instituto Vencer o Câncer - IVOC. 
  • Carla Fernandes, vice-presidente do Instituto Melanoma Brasil. 
  • Flávia Maoli, fundadora do projeto Camaleão.
  • Maria Conceição dos Santos, representante da Entidade AMUCC – Amor e União Contra o Câncer.

O câncer de pele melanoma tem origem nas células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele.

Segundo o Inca, o câncer de pele é o mais frequente no Brasil e no mundo, e corresponde a 27% de todos os tumores malignos do país. Além da exposição prolongada e repetida ao sol, principalmente na infância e adolescência, outros fatores de risco são: ter pele e olhos claros, ser albino, ter vitiligo, ter histórico da doença na família e fazer tratamento com medicamentos imunossupressores.

Agradecemos aos deputados Weliton Prado (PROS-MG) e Silvia Cristina (PDT-RO), respectivamente, presidente e relatora da 1ª Comissão de Combate ao Câncer no Brasil, e nos colocamos sempre à disposição para contribuirmos com propostas no cuidado e na defesa dos direitos dos pacientes com câncer.

Os dados apresentados pelo Oncoguia, durante a audiência pública, estão disponíveis no site Radar do Câncer.

Conteúdo produzido pela equipe do Instituto Oncoguia.



Este conteúdo ajudou você?

Sim Não


A informação contida neste portal está disponível com objetivo estritamente educacional. Em hipótese alguma pretende substituir a consulta médica, a realização de exames e ou, o tratamento médico. Em caso de dúvidas fale com seu médico, ele poderá esclarecer todas as suas perguntas. O acesso a Informação é um direito seu: Fique informado.

O conteúdo editorial do Portal Oncoguia não apresenta nenhuma relação comercial com os patrocinadores do Portal, assim como com a publicidade veiculada no site.

© 2003 - 2021 Instituto Oncoguia . Todos direitos reservados
Desenvolvido por Lookmysite Interactive